CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA E MINERALÓGICA DOS RESÍDUOS DA MINERAÇÃO DE GIPSITA NO SEMIÁRIDO PERNAMBUCANO

Keyla Karla de Melo Silva, Anderson Pontes Chaves de Lima, Milene da Cruz da Cruz Santana, Vivianne de Cássia Paixão Andrade, Ana Luiza Coelho Braga, Kenia Valença Correia

Resumo


Uma das principais fontes de impacto ambiental relacionadas às atividades de extração de gipsita são as pilhas de resíduos, sistematicamente dispostas na área de influência direta do empreendimento mineiro, constituídas por finos oriundos do desmonte e pela parcela de material estéril retirada na operação de lavra. Por apresentar uma granulometria que limita seu campo de aplicação, se faz necessário conhecer as propriedades dos resíduos e aproveitá-los como uma alternativa à mitigação dos inconvenientes envolvidos em sua disposição, contribuindo, assim, para o desenvolvimento econômico e social do semiárido pernambucano. Sob essa ótica, o presente trabalho tem por objetivo caracterizar química e mineralogicamente os resíduos do minério de gipsita provenientes de áreas de mineração no município de Araripina, Pernambuco. As amostras de resíduos foram caracterizadas através das técnicas de difratometria de raios X (DRX), fluorescência de raios X (FRX) e microscopia eletrônica de varredura (MEV), acoplada ao espectrômetro de raios X por dispersão em energia (EDS). As análises realizadas mostraram que o material apresenta características potenciais para uso como corretivo de solo com teores significativos de cálcio e enxofre, provenientes dos minerais gipsita e calcita. Estes elementos são essenciais à nutrição e fertilidade do solo, portanto, tem-se como prognóstico o aproveitamento integrado dos resíduos da gipsita em produção de mudas florestais para o provimento da recuperação de áreas degradadas, sistemas agroflorestais e produção de matriz energética.


Palavras-chave


Mineração, Resíduo mineral, Sustentabilidade, Gipsita

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL.(2010). Lei N° 12.305 de 02 de agosto de 2010 - Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

CETEM. (2005).Rochas e Minerais Industriais – Usos e Especificações. Luz, A. B. e Lins, F. F. (Editores). 449– 470.

DNPM. (2015). Sumário Mineral. Brasília, V. 35. p. 72.

ROMERO-ARANDA, R. MOYA, J.L. TADEO, F.R. LAGAZ, F. PRIMO-MILLO E & TALON, M. (1998).Physiological and anatomical disturbances induced by chloride salts in sensitive and tolerant citrus: Beneficial and detrimental effects of cations. Plant, CellandEnvironment, 21:1243-1253.

RUIZ, H. A.; SAMPAIO, R. A.; OLIVEIRA, M. de; FERREIRA, P. A. (2006).Características físicas de solos salino-sódicos submetidos a parcelamento da lâmina de lixiviação. Journal of Soil Science and Plant Nutrition, v.6, p.1-12.

SOBRINHO, A. C. P. L.; AMARAL, A. J. R.; DANTAS, J. O. C.; DANTAS, J. R. A. (2001).Balanço Mineral Brasileiro – Gipsita. Disponível em: Acesso em 20 mai 2017.

SOUZA SANTOS, P. PAVAN, M.A.; BINGHAM, F.T.; PRATT, P.F. (1982). Toxicity of aluminium to coffee in ultisols and oxisols amended with CaCO3, MgCO3, and CaSO4. 2H2O. Soil Science Society of America Journal, Madison, v.46. p.1201-1207.

SUMNER, M.E. (1995).Amelioration of subsoil acidity with minimum disturbance. In: JAYAWARDANE, N.S.; STEWART, B.A., eds. Subsoil management techniques. Athens, GA, Lewis Publishers, p.147-185.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.6456



 

HOLOS IN THE WORLD