INFLUÊNCIA DO CORPO LÚTEO SOBRE A RECUPERAÇÃO DE OÓCITOS IMATUROS BOVINOS DERIVADOS DE FÊMEAS POST-MORTEM

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.5556

Palavras-chave:

azul de cresil brilhante, competência oocitária, morfologia convencional.

Resumo

O objetivo do presente trabalho foi avaliar a influência do corpo lúteo (CL), glândula endócrina temporária presente nos ovários, sobre a recuperação de oócitos imaturos bovinos derivados de ovários de fêmeas post-mortem. Para tanto, as seguintes comparações foram realizadas: fêmeas não prenhes com CL vs. fêmeas não prenhes sem CL; fêmeas prenhes com CL vs. fêmeas não prenhes com CL; e ovário com CL vs. ovário sem CL. Assim, ovários foram obtidos em abatedouro e os oócitos recuperados por aspiração folicular. A qualidade oocitária foi avaliada por morfologia convencional e ensaio de azul cresil brilhante (ACB), sendo quantificados oócitos viáveis e não viáveis para cada técnica. Todos os dados foram analisados pelo teste de Fisher (P<0,05). Assim, avaliando fêmeas ou ovários com ou sem CL, nenhuma diferença foi observada nos parâmetros avaliados. Contudo, um maior percentual de oócitos viáveis por morfologia foi obtido de fêmeas prenhes com CL, quando comparado às fêmeas não prenhes com CL. Em conclusão, pode-se afirmar que parâmetros de recuperação e qualidade oocitária não são afetados pela presença de CL, exceto em doadoras prenhes que apresentaram oócitos de melhor qualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Valéria de Oliveira Santos, Laboratório de Biotecnologia Animal (LBA), Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Graduada em Biotecnologia pela Universidade Federal Rural do Semi-árido (UFERSA). Foi aluna de Iniciação Científica no Laboratório de Biotecnologia Animal (LBA), sob a orientação da Profa. Dra. Alexsandra Fernandes Pereira. Atualmente, aluna do Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, sob a orientação da Profa. Dra. Alexsandra Fernandes Pereira, com atuação na área de Ciências Agrárias, com ênfase em Morfofisiologia e Biotecnologia Animal.

Luiza Bento de Queiroz Neta, Laboratório de Biotecnologia Animal (LBA), Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Possui graduação em Biotecnologia pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (2011- 2015). Foi aluna de iniciação científica da Universidade Federal Rural do Semi-Árido no Laboratório de Biotecnologia Animal (UFERSA/LBA), sob a orientação da Profa. Dra. Alexsandra Fernandes Pereira. Atualmente, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, sob a orientação da Profa. Dra. Alexsandra Fernandes Pereira, com atuação na área de Ciências Agrárias, com ênfase em Morfofisiologia e Biotecnologia Animal.

Alana Azevedo Borges, Laboratório de Biotecnologia Animal (LBA), Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Alana Azevedo Borges possui graduação em Biotecnologia pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (2010 - 2015) com período sanduíche (2012 - 2013) pelo Programa Ciências sem Fronteiras em Biotecnología pela Universitat de Lleida, Espanha. Possui mestrado em Ciência Animal (2015-2016) pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). Atualmente, doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal na UFERSA e integrante do Laboratório de Biotecnologia Animal (LBA/UFERSA) onde desenvolve pesquisas com ênfase em biotécnicas aplicadas à conservação e reprodução animal (cultivo celular, partenogênese, fecundação in vitro e transferência nuclear de células somáticas) sob a orientação da Profa. Dra. Alexsandra Fernandes Pereira.

Maria Bárbara Silva, Laboratório de Biotecnologia Animal (LBA), Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Formada em Técnico de Enfermagem pela Escola Técnica de Enfermagem do Rio Grande do Norte - ETERN. Atualmente graduanda de Biotecnologia da Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Aluna de iniciação científica no Laboratório de Biotecnologia Animal, sob a orientação da Profa. Dra. Alexsandra Fernandes Pereira.

Alexsandra Fernandes Pereira, Laboratório de Biotecnologia Animal (LBA), Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Alexsandra Fernandes Pereira possui graduação em Química pela Universidade Estadual do Ceará (2001-2004), mestrado (2005-2006) e doutorado em Ciências Veterinárias (2007-2010) na mesma instituição, com estágio doutorado-sanduíche pela Universidade de Buenos Aires, Argentina. Possui pós-doutorado em transgênese animal através do Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) do CNPq (2011-2013). Desde 2013, é professora do curso de graduação em Biotecnologia e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal (PPCA), do Departamento de Ciências Animais (DCAN), da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), ministrando as disciplinas de Histologia e Embriologia Animal, Cultura Celular Básica, Biotecnologia Animal e Técnicas avançadas de manipulação embrionária. Atualmente, é professora Adjunta C, nível 1, orientadora de doutorado, mestrado e iniciação científica. Responsável técnica do Laboratório de Biotecnologia Animal (LBA/UFERSA) onde desenvolve pesquisas com ênfase em biotécnicas aplicadas à conservação e reprodução animal (cultivo celular, partenogênese, fecundação in vitro e transferência nuclear de células somáticas).

Referências

Azevedo, T. I. K., Magalhães, L. F., Oliveira, F. C., Lima, G. P., & Magalhães, G. M. (2015). A relação da evolução das técnicas de criação e o advento das biotecnologias da reprodução com a incidência de distocias em bovinos. Investigação, 14(1), 91-97.

Barbosa, C. P., Toniollo, G. H., & Guimarães, E. C. (2013). Produção in vitro de embriões de bovinos da raça Nelore oriundos de ovócitos de ovários com e sem corpo lúteo. Ciência Animal Brasileira, 14(1), 81-90.

Bhojwani, S., Alm, H., Torner, H., Kanitz, W., & Poehland, R. (2007). Selection of developmentally competent oocytes through brilliant cresyl blue stain enhances blastocyst development rate after bovine nuclear transfer. Theriogenology, 67(2), 341-345.

Carrocera, S., Caamaño, J. N., Trigal, B., Martín, D., & Díez, C. (2016). Developmental kinetics of in vitro–produced bovine embryos: an aid for making decisions. Theriogenology, 85(5), 822-827.

Davachi, N. D., Kohram, H., & Zeinoaldini, S. (2013). Effect of the presence of corpus luteum on the ovary and the new oocyte recovery method on the oocyte recovery rate and meiotic competence of ovine oocytes. African Journal of Biotechnology, 10(47), 9706-9709.

El-Naby, A. S. A. H., Mahmoud, K. G., Ahmed, Y. F., Abouel-Roos, M. E., & Abdel-Ghaffar, A. E. (2013). Effect of season of the year and ovarian structures on oocytes recovery rate, quality and meiotic competence in egyptian buffaloes. Global Veterinária, 10(4), 408-412.

Gonçalves, P. B. D., Oliveira, M. A. L., Mezzalira, A., Montagner, M. M., Visintin, J. A., & Costa, L. F. S. (2008). Produção in vitro de embriões. In P. B. D. Gonçalves, J. R. Figueiredo, & V. J. F. Freitas (Ed). Biotécnicas Aplicadas à Reprodução Animal (Vol. 2, Chap. 14, pp. 261-291). São Paulo: Roca.

Hajarian, H., Shahsavari, M. H., Karami-Shabankareh, H., & Dashtizad, M. (2016). The presence of corpus luteum may have a negative impact on in vitro developmental competency of bovine oocytes. Reproductive Biology, 16(1), 47-52.

Nivet, A. L., Bunel, A., Labrecque, R., Belanger, J., Vigneault, C., Blondin, P., & Sirard, M. A. (2012). FSH withdrawal improves developmental competence of oocytes in the bovine model. Reproduction, 143(2), 165-171.

Opiela, J., & Katska-Ksia?kiewicz, L. (2013). The utility of brilliant cresyl blue (BCB) staining of mammalian oocytes used for in vitro embryo production (IVP). Reproductive Biology, 13(3), 177-183.

Paramio, M. T., & Izquierdo, D. (2016). Recent advances in in vitro embryo production in small ruminants. Theriogenology, 86(1), 152-159.

Penitente-Filho, J. M., Carrascal, E., Oliveira, F. A., Zolini, A. M., Oliveira, C. T., Soares, Í. A. C., & Torres, C. A. A. (2014). Influence of dominant follicle and corpus luteum on recovery of good quality oocytes for in vitro embryo production in cattle. British Biotechnology Journal, 4(12), 1305-1312.

Penitente?Filho, J. M., Jimenez, C. R., Zolini, A. M., Carrascal, E., Azevedo, J. L., Silveira, C. O., & Torres, C. A. A. (2015). Influence of corpus luteum and ovarian volume on the number and quality of bovine oocytes. Animal Science Journal, 86(2), 148-152.

Pirestani, A., Hosseini, S. M., Hajian, M., Forouzanfar, M., Moulavi, F., & Abedi, P. (2011). Effect of ovarian cyclic status on in vitro embryo production in cattle. International Journal of Fertility & Sterility, 4(4), 172-175.

Reis, A., Metelo, R., Santos, P., & Silva, F. M. (2006). Efeito da estrutura ovárica e da idade de bovinos da raça Holstein Friesian na quantidade e qualidade de ovócitos e de embriões produzidos in vitro. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 43(5), 629-636.

Sugulle, A. H., Dochi, O., & Koyama, H. (2008). Developmental competence of bovine oocytes selected by brilliant cresyl blue staining: effect of the presence of corpus luteum on embryo development. Journal of Mammalian Ova Research, 25(1), p. 50-55.

Takuma, T., Sakai, S., Ezoe, D., Ichimaru, H., Jinnouchi, T., & Kaedei, Y. (2010). Effects of season and reproductive phase on the quality, quantity and developmental competence of oocytes aspirated from Japanese black cows. Journal of Reproduction and Development, 56(1), 55-59.

Zullo, G., Canditiis, C., Pero, M. E., Albero, G., Salzano, A., Neglia, G., & Gasparrini, B. (2016). Crocetin improves the quality of in vitro–produced bovine embryos: Implications for blastocyst development, cryotolerance, and apoptosis. Theriogenology

Downloads

Publicado

21/12/2017

Como Citar

Santos, M. V. de O., de Queiroz Neta, L. B., Borges, A. A., Silva, M. B., & Pereira, A. F. (2017). INFLUÊNCIA DO CORPO LÚTEO SOBRE A RECUPERAÇÃO DE OÓCITOS IMATUROS BOVINOS DERIVADOS DE FÊMEAS POST-MORTEM. HOLOS, 7, 278–283. https://doi.org/10.15628/holos.2017.5556

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)