Turismo acessível em Guimarães. Oportunidade e desafio para uma cidade inclusiva.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.5274

Palavras-chave:

Mobilidade, Acessibilidade, Turismo Acessível, Planeamento Urbano, Guimarães

Resumo

A equidade social, o turismo para todos e a cidade inclusiva e justa são preocupações cada vez mais presentes nas sociedades contemporâneas, em especial na ação dos planeadores e das entidades públicas com responsabilidades em matéria de gestão urbanística. Contudo, apesar do desenvolvimento de planos onde este tipo de preocupações começa a estar presente, e da consciencialização da sociedade para os problemas da acessibilidade para os cidadãos com necessidades especiais, as cidades de hoje, efetivamente, ainda não se encontram acessíveis a todos. Neste contexto e face a este desafio a promoção do turismo acessível é um desígnio que deve estar subjacente a uma oferta turística atual e inclusiva.

O centro histórico da cidade de Guimarães, classificado pela UNESCO em 2001 como Património da Humanidade é um importante destino turístico no Norte de Portugal. Neste âmbito, o presente artigo pretende analisar a adequação e as condicionantes que um percurso turístico recomendado para o Centro Histórico de Guimarães oferece a um turista com mobilidade reduzida. A finalidade é despertar as autoridades locais para a necessidade de adequar a oferta turística e a cidade a todos os públicos, bem como disponibilizar informação adequada a turistas/excursionistas com mobilidade condicionada por forma a proporcionar um melhor planeamento da sua visita. Deste modo pretende-se contribuir para que a Cidade de Guimarães possa se afirmar como uma cidade progressivamente mais inclusiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Caldeira Boavida Miguel Caldeira, Universidade do Minho e CEGOT - Centro de Estudos em Geografia e Ordenamento do Território

Professora Auxiliar

Departamento de Geogrfia da Universidade do Minho

áreas de interesse. Migraçãoes, Geografia Urbana,

Planeamento e Ordenamento do Território

Neuza Clariana Silva

Aluna de Mestrado do Departamento de Geografia da Universidade do Minho

Flávio Paulo Jorge Nunes, Universidade do Minho CEGOT

Professor Auxiliar

Departamento de Geografia

Universidade do Minho

Referências

Abley, S. (2005). Walkability Scoping Paper.

http://www.levelofservice.com/walkability-research.pdf. Consultado em 12 de Julho de 2016.

Anacleto, C. (2014). Turismo acessível: criação de um circuito turístico para a população com deficiência visual, na cidade de Braga. (Dissertação de Mestrado). Braga: Universidade do Minho.

APA (2010). Manual de boas práticas para uma mobilidade sustentável. Volume II. Lisboa: Agência Portuguesa do Ambiente.

Buhalis, D. & Costa, C. (Eds.) (2005). Tourism Manegement Dynamics: Trends, Management and Tools (Tourism Futures), London: Routledge.

Buhalis, D., Darcy, S. & Ambrose, I. (2012). Best Practice in Accessible Tourism: Inclusion, Disability, Ageing Population and Tourism. Exeter: Short Run Pres.

Buhalis, D.; Eichhorn, V.; Michopoulou, E. & Miller, O. (2005). Accessibility Market and Stakeholder Analysis. Surrey: University of Surrey & OSSATE - One-Stop-Shop for Accessible Tourism in Europe.

Carvalho, I. (2015). O Turismo Acessível: estratégias de adaptação de uma cidade. (Tese de Doutoramento). Lisboa: Instituto Geografia e Ordenamento do Territorio - Universidade de Lisboa.

CML (2013). Plano de Acessibilidade Pedonal de Lisboa. 5 Volumes. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa.

DECO (2011). Acesso Condicionado. Revista Proteste, 321, pp. 12 – 17.

Domingues, C. & Carvalho, P. (2013). Acessibilidade e Turismo na Cidade de Coimbra. Turismo y Desarrollo Local, 14. 2013

EUCAN (2003). European Concept for Accessibility. Luxembourg: European Concept for Accessibility Network.

http://acessibilidade.cm-lisboa.pt/index.php?id=175. Consultado a 12 de Julho 2016.

Gutiérrez, J.; Condeço, A. & Martín, J. M. (2007). Using accessibility indicators and GIS to assess and monetarize spatial spillovers of transport infrastructure, 47th Congress of European Regional Science Association, Paris.

IMTT (2003). Rede Pedonal. Princípios de planeamento e desenho. Lisboa: Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres.

INE (2011). Recenseamento Geral da População e Habitação. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística.

Ingram, D. (1971). The concept of accessibility: A search for an operational form. Reg. Studies, 5, 101–107.

INI (2010). Turismo Acessível em Portugal. Lei, oportunidades económicas, informação. Col. Informar (7). Lisboa: Instituto Nacional para a Integração.

Litman, T. (2007). Measured: Developing Indicators for Comprehensive and Sustainable Transport Planning. Victoria: Victoria Transport Policy Institute.

Metz, D (2000). Mobility of older people and their quality of life. Transport Policy, 7 (2), 149-152.

OMS (2011). Relatório Mundial sobre a Deficiência. São Paulo: Organização Mundial da Saúde.

OMT (1999). Código Munial de Ética do Turismo. Madrid: Organização Mundial do Turismo.

OMT (2009). Estatutos de la Organización Mundial del Turismo. Madrid: Organização Mundial do Turismo.

Perez, D. & Velasco, D. (2003). Turismo Accesible. Madrid: Comité Español de Representantes de Personas com Discapacidad.

Ribeiro, V. (2014). Exclusão social - um fenómeno invisível. Faro: Silabas & Desafios.

SNRIPD (2007). Guia, Acessibilidade e Mobilidade para todos. Apontamentos para uma melhor interpretação do DL 163/2006 de 8 de Agosto. Lisboa: Secretariado Nacional de Reabilitação e Integração para as Pessoas com Deficiência.

Teles, P. (2014). A cidade das (i)mobilidades: Manual técnico de acessibilidades e mobilidades para todos. Porto: MPT.

Downloads

Publicado

19/09/2017

Como Citar

Caldeira, C. B. M., Silva, N. C., & Nunes, F. P. J. (2017). Turismo acessível em Guimarães. Oportunidade e desafio para uma cidade inclusiva. HOLOS, 4, 341–356. https://doi.org/10.15628/holos.2017.5274

Edição

Seção

ARTIGOS