GOVERNANÇA DEMOCRÁTICA EM REDE: O POSICIONAMENTO DAS ONGs DE VIÇOSA - MG

Pâmela M. Martins Oliveira, Pamela Torres de Oliveira, Bruno Tavares

Resumo


O artigo tem como objetivo avaliar a interação existente entre ONGs e outras instituições como órgãos públicos, consórcios, terceiro setor e empresa privadas a partir de uma perspectiva de análise de rede e de governança democrática. Uma vez identificada o desenho da estrutura dessa rede por meio do uso do software Pajek®, foi realizada a análise do seu comportamento a fim de compreender as relações empíricas e técnicas instauradas nestas entidades. O desenho da rede foi avaliado por meio das análise de características que revelam a densidade, núcleos e centralidade das relações estabelecidas. O estudo apontou que muito do potencial dessas ONGs nos processos de trocas de informação e aprendizagem coletiva poderiam estar sendo melhor utilizado.

Palavras-chave


Redes; Governança Democrática; ONG

Texto completo:

PDF

Referências


BALESTRIN, A.; VERSCHOORE, J.; REYES, E. (2008). Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Bookman.

BEVIR M. (2011). Governança democrática: uma genealogia. Revista de Sociologia e Política. 19 (39), 103-114.

BUARQUE. C, VAINSENCHER. S. A. (2001). ONGs no brasil e a questão de gênero. Trabalhos para discussão, Nº 123, Novembro. Disponível em < https://periodicos.fundaj.gov.br/TPD/article/download/932/653 >. Acessado em junho de 2016.

CARRION R.M COSTA P. A. (2010). Governança Democrática, Participação e Solidariedade: Entre a Retórica e a Práxis. Espacio Abierto Cuaderno Venezolano de Sociología. 19 (4), 621 – 640.

DENHARDT. R.B. (2012). Teoria Geral da Administração Pública. Editora Cengage Learning. (6a ed.). Rio de Janeiro.

ESTEVE J. M. P. (2009). Governança democrática: construção coletiva do desenvolvimento das cidades. Belo Horizonte.

FONTES, B. A. S. M. (2004). Capital Social e terceiro setor: sobre a estruturação das redes sociais em associações voluntárias. Recife: Editora Universitária UFPE.

GOHN M. G. (2004). Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saúde e Sociedade, 13 (2), 20-31.

MARTELETO. R. M. (2001). Análise de redes sociais- aplicação nos estudos de transferência de informação. Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), 30 (1), 71-81.

MIZRUCHI. M. S. (1994). Social network analysis: recent achievements and current controversies. Fórum: Análise de redes sociais: avanços recentes e controvérsias atuais. 37 (4), 329-343.

MONTENEGRO, T. (1994). O que é ONG. São Paulo, SP: Brasiliense.

PARDINI J. D, TEIXEIRA A. R. F, AZEVEDO A, OLIVEIRA S. G. (2012). A influência do sistema de redes de relações sociais no exercício de empreender em serviços odontológicos. III Colóquio de Redes Estratégia e Inovação. Lavras.

RIBEIRO, E. M. B. e BASTOS, A. V. B. (2011). Redes sociais interorganizacionais na efetivação de projetos sociais. Psicologia & Sociedade; 23 (2), 282-292.

SANTOS, O. A., Jr.; RIBEIRO, L. C. Q.; AZEVEDO, S. (Orgs). (2004). Governança democrática e poder local: a experiência dos conselhos municipais no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, Fase.

SILVA E.E, LASMAR F.C, PEREIRA J. R. (2012) Redes sociais: o caso da parceira de uma instituição federal de ensino superior de Minas Gerais. III Colóquio de Redes Estratégia e Inovação. Lavras.

SOUZA L. B, FREITAS M. F, SILVA D. F. (2012). Um estudo sobre as redes intra-organizacionais existentes nos assentamentos rurais Lago Azul e Lagoa dos Mares. III Colóquio de Redes, Estratégia e Inovação. Lavras.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.4838



 

HOLOS IN THE WORLD