GENTRIFICATION: Os centros históricos e a nova realidade urbana pós-moderna

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2019.2368

Palavras-chave:

Gentrification, urbanismo, Pós-modernidade

Resumo

As práticas de recuperação de centros históricos urbanos, notadamente nos anos 1990, concentraram-se em embelezar esses espaços históricos, disciplinando as suas práticas e formas de consumo. Esse tipo de intervenção urbana, marca da pós-modernidade, da sociedade de consumo e dos espaços “simulacionais”, pode ser classificada como gentrification. Assim, a questão não era necessariamente a preservação e restauração de bens históricos da cidade, mas, sim, a restauração daqueles bens que pudessem de forma mais eficiente ser embelezados, empacotados e vendidos como mais um atrativo da cidade. Esse processo ocorreu em dezenas de cidades espalhadas pela Europa, Estados Unidos e América Latina como um todo. No Brasil, podemos destacar ações intensivas dessa natureza em centros históricos como a Lapa, no Rio de Janeiro, o Pelourinho, em Salvador, o Recife Antigo, o Centro Histórico de São Luís do Maranhão, dentre tantos outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carlos Henrique Pessoa Cunha, IFRN- Campus Parnamirim

Bacharel e licenciado em História pela UFRN; Especialista em História do Brasil pela Universidade Potiguar (UnP); Mestre em História e Espaço pelo PPGH-UFRN; Doutorando em Ciências Sociais pelo PPGCS-UFRN. Atualmente é professor efetivo do IFRN-Campus Parnamirim. E-mail: carlos.cunha@ifrn.edu.br.

Referências

Baudrillard, J. (1991). Simulacros e simulações. Lisboa: Relógio D’Água.

Baudrillard, J. (1995). A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70.

Bidou-Zachariasen, C. (2006). De volta à cidade: dos processos de gentrificação às políticas de “revitalização” dos centros urbanos. São Paulo: Annablume.

Carlos, Ana F. A. O turismo e a produção do não-lugar. In: Yázigi, E., Carlos, A. F. A., & Cruz, R. de C. A. (1996). Turismo: espaço, paisagem e cultura. São Paulo: Hucitec.

Featherstone, M. (1995). Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel.

Harvey, D. (2009). A condição pós-moderna. (18a ed). São Paulo: Edições Loyola.

Jameson, Fr. Pós-modernidade e sociedade de consumo. (1985, junho). Novos Estudos. São Paulo.

Leite, R. P. (2007). Contra-Usos da cidade: lugares e espaço público na experiência urbana contemporânea. (2a ed). Campinas/Aracajú: Ed. da UNICAMP: EDUFS.

Lyotard, J. F. (1986). O pós-moderno. Rio de janeiro: José Olympio.

Sant’anna, M. (2004). A cidade-atração: a norma de preservação de centros urbanos no Brasil dos anos 90. Tese de doutoramento em Arquitetura e Urbanismo, UFBA, Salvador, BA, Brasil.

SIlva, A. (2001). Imaginários urbanos. São Paulo: Perspectiva.

Smith, N. (1979). Toward a theory of gentrification: a back to the city movement by capital, not people. Journal of the American Planning Association, 45, 538-548.

Smith, N. (2006). A gentrificação generalizada: de uma anomalia local à “regeneração” urbana como estratégia urbana global. In: Bidou-Zachariasen, C. (Org.). De volta à cidade: dos processos de gentrificação às políticas de “revitalização” dos centros urbanos. São Paulo: Annablume.

Vargas, H. C., & Castilho, A. L. H. de. (2009). Intervenções em centros urbanos: objetivos, estratégias e resultados. (2a ed). Barueri: Manole.

Vasconcellos, L. M. de, & Mello, M. C. F. de. (2009). Re: atrás de, depois de.... In: Vargas, H. C., & Castilho, A. L. H. de. Intervenções em centros urbanos: objetivos, estratégias e resultados. (2a ed). Barueri: Manole.

Zukin, S. (1996). Paisagens urbanas pós-modernas: mapeando cultura e poder. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n.24.

Downloads

Publicado

03/12/2019

Como Citar

Cunha, C. H. P. (2019). GENTRIFICATION: Os centros históricos e a nova realidade urbana pós-moderna. HOLOS, 1, 1–8. https://doi.org/10.15628/holos.2019.2368

Edição

Seção

ARTIGOS