FORMAÇÃO DE QUADROS INTELECTUAIS ORGÂNICOS NA PSICOLOGIA INDUSTRIAL NOS EUA DO INÍCIO DO SÉCULO XX: ASPECTOS POLÍTICOS, ECONÔMICOS E IDEOLÓGICOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2019.9091

Palavras-chave:

Psicologia Industrial, Intelectuais orgânicos, Classes sociais

Resumo

Este trabalho tem como objetivo mostrar como se deu a formação de uma camada de intelectuais orgânicos ligados à Psicologia Industrial no início do século XX e suas respectivas funções econômica e ideológica de classe. Para tanto foram exploradas as principais obras de algumas das figuras que tiveram grande influência no advento da Psicologia Industrial no período em questão, bem como comentadores de suas obras. A ação deste grupo foi analisada a partir de categorias teóricas como classe social, relações sociais de produção e intelectuais orgânicos. Diante da pesquisa feita, foi possível observar como os Psicólogos Industriais e afins tiveram uma importância estratégica na recomposição das forças produtivas do capitalismo industrial estadunidense do início do século XX e cujos desdobramentos teórico-ideológicos permanecem influenciando a formação de quadros gestores até hoje. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rodrigo Moreira Vieira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA) - câmpus Breves

Professor de Sociologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA) - câmpus Breves. Coordenador do curso de especialização em Docência para a Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Doutor e mestre pelo Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da UNESP - câmpus de Marília.

Renato Kendy Hidaka, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) - câmpus Birigui

Professor de Sociologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) - câmpus Birigui. Doutorando e mestre pelo Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da UNESP - câmpus de Marília. Membro do grupo de pesquisa Cultura e Política do Mundo do Trabalho, vinculado à UNESP - câmpus de Marília.

Referências

BENJAMIN, L. (1997). Organized industrial psychology before Division 14: The ACP and the AAAP (1930-1945). Journal of Applied Psychology, vol. 82, nº 4, pp. 459-466.

BRINGMANN, W & TWENEY, R. (1980). Wundtstudies. Toronto: Hogrefe.

CHIAVENATO, I. (2001). Teoria Geral da Administração. Vol. 1. Rio de Janeiro: Campus.

DRURY, B. (1915). Scientific management: a history and criticism. New York: Columbia University. Disponível em: <https://ia802703.us.archive.org/23/items/scientificmanage00drurrich/scientificmanage00drurrich.pdf>. Acessado em 05/11/2015.

FORD, H. (1964). Os princípios da prosperidade. São Paulo: Brand.

GILBRETH, F; GILBRETH, L. (1917). Applied Motion Studies: a collection of papers on the efficient method to use industrial preparedeness. Nova Iorque: Sturgis & Walton Company.

GEORGE Jr, C. (1974). História do pensamento administrativo. São Paulo: Cultrix.

GOODWIN, C. (2005). História da psicologia moderna. São Paulo: Cultrix.

GRAMSCI, A. (2011). O leitor de Gramsci: escritos escolhidos. Carlos Nelson Coutinho (org.) organizador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

HALL, S. (1919). The possible war effects on american psychology. Psychological bulletin, Vol.º 16, pp. 48-49.

HOMANS, G. (1967). As pesquisas na Wester Eletric. In: BULÃO, Y. & CORDEIRO, L (org,). O comportamento humano na empresa. São Paulo: FGV.

HUGHES, J. (1991). Thomas Willis: his life and work. London: Royal Society of Medicine.

MAIER, N. (1966). Psicologia Industrial. Madrid: Ediciones RIALP S.A.

MAYO, E. (1972). Problemas humanos de uma civilización industrial. Buenos Aires: Nueva Visión.

MÜNSTERBERG, H. (1909). Psychology and the Market.McClure´s Magazine. Novembro, pp. 87-93. Disponível em: <http://www.unz.org/Pub/McClures-1909nov-00087>. Acesso em: 01/09/2019.

_________________. (1922). Hugo Münsterberg: his life and work. New York: Appleton. Disponível em: <https://archive.org/details/hugomnsterberg00mnuoft>. Acesso em: 28/12/2014.

NUSSBAUM, M; RORTY, A. (1995). Essays on Aristotle’s de Anima. Oxford: Clarendon Press.

O’DONNELL, J. (1985). The origins of behaviorism: american psychology. Nova York: New York University Press.

OLIVEIRA, Anamar. (2012). A psicologia de Platão: sobre a teoria da psyché (alma) humana no diálogo Fedro, a partir das categorias do apolíneo e do dionisíaco. Revista Plêthos, 2, 1.

VIEIRA, Rodrigo. (2018). As intervenções teórico-ideológicas da Psicologia Organizacional e do Trabalho nas relações sociais de produção no século XX e início do XXI. Tese de Doutorado. Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade “Júlio de Mesquita Filho” - Campus de Marília.

RIEBER, R; ROBINSON, D. (2001). Wilhelm Wundt in history: The making of a scientific Psychology. New York: Kluwer & Plenum.

SEGALL, G. (2001). John D. Rockefeller: Anointed With Oil. Oxford University Press.

SEMERARO, G. (2006). Intelectuais “orgânicos” em tempos de pós-modenidade. In: Cad. Cedes. Campinas, vol. 26, n. 70, p. 373-391, set./dez.

STEVENS, S. (1986). Psychophysics: introduction to its perceptual, neural, and social prospects. New York: Transactions Publishers.

TAYLOR, F. (2012). Princípios da Administração Científica. São Paulo: Atlas.

TRAGTENBERG, M. (2005). Administração, poder e ideologia. São Paulo: Editora Unesp.

_________________. (2006). Burocracia e Ideologia. São Paulo: Unesp.

VALLAS, S. (2001). Science, Capitalism, and the Rise of the ‘Knowledge Worker’: The Changing Structure of Knowledge Production in the United States. Theory and Society, vol. 30, nº4, julho de 2001, pp. 451-492.

Downloads

Publicado

03/12/2019

Como Citar

Moreira Vieira, R., & Hidaka, R. K. (2019). FORMAÇÃO DE QUADROS INTELECTUAIS ORGÂNICOS NA PSICOLOGIA INDUSTRIAL NOS EUA DO INÍCIO DO SÉCULO XX: ASPECTOS POLÍTICOS, ECONÔMICOS E IDEOLÓGICOS. HOLOS, 1, 1–21. https://doi.org/10.15628/holos.2019.9091

Edição

Seção

ARTIGOS