Incentivos fiscales verdes como instrumento de apoyo a la política urbana: un estudio sobre el IPTU VERDE en municipios brasileños

Autores

  • Tânia Cristina Azevedo Universidade Estadual de Feira de Santana e Universidade Federal da Bahia (professora) http://orcid.org/0000-0003-4242-4576
  • André Alves Portella Membro do Comitê de Ética em Pesquisa da UCSal (CEP/UCSal)

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2019.7913

Palavras-chave:

Certificación sostenible, Extrafiscalidad tributaria, Impuesto verde

Resumo

El objetivo de esta investigación fue comprobar si los municipios brasileños adoptan incentivos fiscales verdes y si estos contribuyen como instrumento de política urbana. Mediante una revisión bibliográfica, se realizó un reconocimiento de la Tributación ecológica, con énfasis en el IPTU verde como instrumento extra fiscal de política urbana. La metodología utilizada ha sido un estudio descriptivo-explicativo, porque se describen los diferentes incentivos fiscales verdes del IPTU adoptados en Brasil, y explicativa porque pretende comprender los criterios establecidos en las legislaciones locales, y cualitativo en cuanto a su abordaje. Los resultados obtenidos en la investigación sugieren que no hay uniformidad en el modelo aplicado en los municipios de Brasil para los incentivos fiscales verdes del Impuesto sobre la Propiedad Predial y Territorial Urbana (IPTU). Éstos presentan restricciones para actuar como instrumento de política urbana para el desarrollo sostenible, debido sus limitaciones para propiciar los contribuyentes condiciones y medios accesibles para la obtención de este beneficio tributário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tânia Cristina Azevedo, Universidade Estadual de Feira de Santana e Universidade Federal da Bahia (professora)

Doutorado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social - UCSAL/BA (2017) com período de Doutorado Sanduiche no Exterior (PDSE) - Universidade de Salamanca (USAL)/Espanha, (2015/2016) . Mestrado em Contabilidade pela Fundação Visconde de Cairu (2007).  Graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Federal da Bahia (1997). Professora da Universidade Estadual de Feira de Santana (2002) e Universidade Federal da Bahia (2011).Participa na condição de pesquisadora em projetos de pesquisas com financiamento de agência de fomento na área de gestão ambiental urbana e governamental, responsabilidade sócio-ambiental corporativa, tributação ambiental com enfase em extrafiscalidade tributária e como parecerista para temas contábeis e tributários de Organizações de Interesse Social

André Alves Portella, Membro do Comitê de Ética em Pesquisa da UCSal (CEP/UCSal)

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2 (PQ2). Mestre e Doutor em Direito Financeiro e Tributário pela Universidad Complutense de Madrid (Menção Honrosa "Doctors Europeus"). Professor Adjunto de Direito Financeiro e Tributário nos cursos de Doutorado, Mestrado e Graduação da Faculdade de Direito da UCSal - Universidade Católica do Salvador - , da UNIFACS - Universidade Salvador e da UFBA. Pesquisador e consultor do CNPq e da FAPESB. Avaliador de IES e cursos do INEP/BASis. Vice-chefe do Departamento de Direito Público da Faculdade de Direito da UFBA. Membro do Comitê de Ética em Pesquisa da UCSal (CEP/UCSal). Líder de Grupo de Pesquisa. Coordenador do NEF - Núcleo de Estudos em Tributação e Finanças Públicas. Atuou como conselheiro de Assuntos Fiscais e Tributários da FIEB, membro da Câmara de Assessoramento para a área de Ciências Sociais Aplicadas da FAPESB, membro da Comissão de Educação em Direito da OAB/BA, Conselheiro do Conselho de Contribuintes do Município de Salvdor, Assessor de Desembargador do TJBA e Chefe de Gabinete da Procuradoria Parlamentar da Assembléia Legislativa do Estado da Bahia.

Referências

Afonso, J. R. R., Araújo, E. A., & Nóbrega, M. A. R. D. (2013). O IPTU no Brasil: um diagnóstico abrangente. v. 4, FGV Projeto. Recuperado en 20 septiembre, 2016, de <http://fgvprojetos.fgv.br/sites/fgvprojetos.fgv.br/files/iptu_no_brasil_um_diagnostico_abrangente_0.pdf>.

Aidt, T. S. (2010). Green taxes: Refunding rules and lobbying. Journal of environmental economics and management, 60(1), 31-43.

AYDOS, E. D. L. P. (2010). Tributação Ambiental no Brasil: Fundamentos e Perspectivas. 2010 (Doctoral dissertation, Dissertação (Mestrado)-Curso de Direito, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010. en 16 diciembre, 2014, de < http://www. egov. ufsc. br/portal/sites/default/files/anexos/33953-4473PB. pdf>. Acesso em: 01 jun).

Azevedo, T. C. (2017). Tributação municipal como incentivo ao desenvolvimento sustentável nas cidades: o caso do IPTU verde de Salvador. Tese de Doutorado. Universidade Católica do Salvador. Doutorado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social. Salvador/BA, Brasil

Barros, S. (2014) IPTU Verde. Recuperado en 16 diciembre, 2014, de <http://silviobarros.com.br/site/noticia/325#nav>.

Bezerra, P. I. S. (2011). Utilização dos Incentivos Fiscais como mecanismo para promover a sustentabilidade ecológica. Revista da Faculdade de Direito, Belo Horizonte, n. 59, p. 307-336, jul./dez.

Brasil, (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado en 22 noviembre, 2014 de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>.

Brasil. (2001). Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001: Estatuto da Cidade. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília. Recuperado en 04 de agosto, 2015, de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10257.htm

Buñuel González, M. (2004). Tributación medioambiental: teoría, práctica y propuestas. Madrid (España): Civitas Ediciones.

Castilho, A. F. D. A. N. (2016). A extrafiscalidade no Brasil. Revista Jurídica Luso Brasileira. v. 4, a. 2, p. 1135-159, ISSN: 2183-539X, Lisboa.

Costa, R. H. (2011) Apontamentos sobre tributação ambiental. Lusíada. Direito e Ambiente, n. 2/3, Lisboa, 2011. Recuperado en 19 septiembre, 2016 de <http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lda/article/view/2142>.

Cunha, D. S. A.; Martinez, A. L.; Nossa, V. (2013) Incentivos Fiscais Verdes e Tributação Extrafiscal: Estudo Sobre o IPTU Verde no Município de Vila Velha (ES) Comparativamente a Outros Municípios. Revista Razão Contábil & Finanças, v. 4, n. 1. Universidade Federal da Paraíba. Paraíba.

Dantas, G. T. (2014). O IPTU verde como instrumento de efetividade da função socioambiental da propriedade privada urbana. 2014. 144 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Direito.

De Cesare, C. M., Fernandes, C. E. Cavalcanti, C. B. (2015). Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana. (Orgs.). Caderno Técnico de Regulamentação e Implementação de Instrumentos do Estatuto das Cidades. Brasília, DF: Ministério das cidades, Recuperado en 22 agosto, 2016 de <http://www.capacidades.gov.br/biblioteca/detalhar/id/336/titulo/imposto-sobre-a-propriedade-predial-e-territorial-urbana-iptu>.

Gordilho, H. J. D. S. (2009) Direito ambiental pós-moderno. Curitiba: Juruá.

Herrera, M. P. (2000). Derecho tributario ambiental. Madrid: Marcial Pons Recuperado en 20 agosto de 2015, de <http://ssrn.com/abstract=1809637>. 2015

IBGE. Instituto brasileiro de geografia e estatística (2010). População 2010. Recuperado en 6 june, 2016, de <http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/uf.php?lang=&coduf=29&search=bahia>.

Jahnke, L. T., Willani, S. M. U. De Araújo, T. L. R.(2013). O IPTU verde: práticas sustentáveis trazem benefícios financeiros à população. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, v. 8, p. 413-423. Recuperado en 20 mayo, 2016, de <http://periodicos.ufsm.br/index.php/revistadireito/article/view/8341/0#.V3D1NfkrLIU>.

Montero, C. E. P. (2013) O Fundamento e a Finalidade Extrafiscal dos Tributos Ambientais. Revista de Direito da Cidade, v. 5, n. 2, p. 316-364. Recuperado en 20 mayo, 2016, de <http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/rdc/article/view/9960>.

Montero, C. E. P., (2011) Extrafiscalidade e meio ambiente: O tributo como instrumento de proteção ambiental, Reflexões sobre a tributação ambiental no Brasil e na Costa Rica. 306 f. Tese de Doutorado. Faculdade de Direito, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro/RJ, Brasil.

Rodríguez Muñoz, J. M. R. (2004). La alternativa fiscal verde. Valladolid (España): Editorial Lex Nova.

Passos, A.B. da M.; Pozetti, V. C. (2012). IPTU VERDE: Extrafiscalidade aplicada a proteção ambiental do cenário urbano brasileiro. Hiléia: Revista do Direito Ambiental da Amazônia. n. 18. Recuperado en 20 agosto, 2016 de: <http://periodicos.uea.edu.br/index.php/Hileia/article/view/151>.

Peralta, C. E., (2015). Tributação Ambiental no Brasil – reflexões para esverdear o sistema tributário brasileiro. Revista de Finanças Públicas, Tributação e Desenvolvimento. v. 3, n. 3. Recuperado en 20 mayo, 2016, de <http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/rfptd/article/view/15589>. Acesso em: 20 maio 2016

Piacentini, A. L. S., de São Pedro Filho, F., & de Almeida, F. M. (2015) Estudo epistemológico sobre práticas extrafiscais de gestão urbana sustentável. Revista Cientifica Internacional. n. 1, v. 10, p. 51-79, jan./mar. Rio de Janeiro.

Ramos, J. E. S. (2006) Tributação ambiental: O IPTU e o meio ambiente urbano. IBET.

Ribeiro, M. de F., & Ferreira, J. S. A. B. (2011). O papel do estado no desenvolvimento econômico sustentável: reflexões sobre a tributação ambiental como instrumento de política pública. Hiléia: Revista do Direito Ambiental da Amazônia, n. 17, p. 136-16 Amazonas.

Rossi, A., Martinez, A. L., & Nossa, V. (2011). Ecológico sob o enfoque da tributação verde como meio da sustentabilidade econômica e ecológica: experiência do Paraná. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Fucape, Vitória.

Thalmann, P. (2004). The public acceptance of green taxes: 2 million voters express their opinion. Public Choice, v. 119, n. 1-2, p. 179-217.

Torres, H. T. (2011). Desenvolvimento, meio ambiente e extrafiscalidade no Brasil. Revista Videre, Dourados, MS, ano 3, n. 6, p. 11-52.

Vasco, D. C., & Herrera, P. M. (2004) Marco General Jurídico de la tributación médio ambiental: concepto, marco constitucional y marco comunitário. In: Buñuel González, M. (Org.). Tributación medioambiental: teoría, práctica y propuestas. Madrid (España): Civitas Ediciones.

Ventosa, P. I. Forn, M. C. Sora, M. J. Sanz, S. S. (2015); Estado actual de la fiscalidad ambiental en España y perspectivas de futuro. In: Martinez, F. A. (Org). Fiscalidad ambiental en España: situación actual y perspectivas de futuro. Pamplona (España): Arazandi.

Publicado

03/12/2019

Como Citar

Azevedo, T. C., & Portella, A. A. (2019). Incentivos fiscales verdes como instrumento de apoyo a la política urbana: un estudio sobre el IPTU VERDE en municipios brasileños. HOLOS, 1, 1–18. https://doi.org/10.15628/holos.2019.7913

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)