PROPRIEDADES DE ÓLEOS EMPREGADOS EM FLOTAÇÃO

Autores

  • José Aurélio Medeiros da Luz Universidade Federal de Ouro Preto
  • Igor Alberto de Melo Souza Ufop

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2014.1800

Resumo

Neste trabalho se buscou a sistematização das características de quatro amostras de óleos vegetais e uma amostra de sebo bovino, no que concerne a suas propriedades físico-químicas como com o fito de estabelecer padrões de comportamento e de desempenho em sistemas de flotação. Os óleos vegetais estudados foram: de arroz refinado, de rícino, de semente de uva e de soja refinado, usualmente empregados em operações de tecnologia mineral, com ênfase em seu uso em sistemas de flotação em espuma. As massas específicas determinadas foram: 930 kg/m³ para o óleo de semente de uva; 950 kg/m³ para o óleo de rícino; 910 kg/m³ para o óleo de arroz refinado; e 920 kg/m³ para o óleo de soja. Quanto à tensão superficial foram realizados 26 ensaios para cada amostra de óleo vegetal sendo que os valores variam de 0,0323 N/m a 0,0334 N/m. Viscosidade dinâmica aparente, tensão superficial, índice de refração e valores de umidade também foram levantados. Os resultados permitiram aceder às propriedades das amostras e confrontá-las com as que se descrevem na literatura, servindo, assim, como subsidio ao entendimento da influência destas propriedades na flotação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

José Aurélio Medeiros da Luz, Universidade Federal de Ouro Preto

Departamento de Engenharia de Minas da Escola de Minas da UFOP; área de tratamento minérios.

Igor Alberto de Melo Souza, Ufop

Licenciado em Matemática Graduando em engenharia de minas

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AZEVEDO, J. C. S. Estudo de Processos de Saponificação do óleo de arroz e do óleo de rícino. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais. 1994. 42 p.

BRANDÃO, P. R. G. & PEREIRA, A. M. T.. Ácidos Graxos Insaturados (Isômeros Cis-Trans) Na Flotação Seletiva de Minerais Levemente Solúveis. In: CIMINELLI, V.; SALUM, M. J. G. (Org.). Flotação: Fundamentos, Prática e Meio Ambiente. 1ed. Belo Horizonte, MG: Associação Brasileira De Tecnologia Mineral, 1992, V. 1, p. 19-38.

BRASIL. Ministério da Indústria e do Comércio. Produção de Combustíveis Líquidos a Partir de Óleos vegetais. Brasília: MIC/STI/CIT. 1985.364 p.

CAIRES, L G. Óleos vegetais como matéria-prima para coletores. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais. 1992. 42 p.

FORNAZIERI JR., A. Mamona – uma Rica fonte de Óleo e de Divisas. São Paulo: Ícone. 1986. 72 p.

JAMIESON, G. S. Vegetal Fats and Oils (American Chemical Society Monograph Series). New York: Reinhold.1943. 512 p.

LUZ, A .B; SAMPAIO, J. A. & FRANÇA, S. C. A. Tratamento de Minérios – 5ª edição. Rio de Janeiro: CETEM/MCT, 2010.

MORETTO, E. & ALVES, R. F. Óleos e Gorduras Vegetais (Processamentos e análises). Florianópolis: EUFSC. 1986.180 p.

POSSA, M. V; NASCIMENTO, C. R. Reologia no Tratamento de Minérios. In: LUZ, A. B; SAMPAIO, J. A & FRANÇA, S. C. A. (ed.). Tratamento de Minérios – 5ª edição. Rio de Janeiro: CETEM/MCT, 2010. cap.14, p.597 – 631.

SHOEMAKER, D. P.; GARLAND, C. W.; NIBLER, J. W. Experiments in Physical Chemistry. New York: McGraw-Hill, 1996 - 778 p.

Downloads

Publicado

03/07/2014

Como Citar

da Luz, J. A. M., & Souza, I. A. de M. (2014). PROPRIEDADES DE ÓLEOS EMPREGADOS EM FLOTAÇÃO. HOLOS, 3, 227–233. https://doi.org/10.15628/holos.2014.1800

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)