UMA ESCOLA PARA APRENDIZES ARTÍFICES E O ENSINO PROFISSIONAL PRIMÁRIO GRATUITO

Autores

  • O. M. Medeiros Neta
  • J. M. Nascimento
  • A. G. F. Rodrigues

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2012.919

Resumo

Em 23 de setembro de 1909, pelo Decreto nº 7566, o Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil, Nilo Peçanha, criou nas capitais dos Estados da República Escolas de Aprendizes Artífices para o ensino profissional primário gratuito. Assim, objetivamos refletir sobre a Escola de Aprendizes Artífices de Natal (EAA) no contexto de implantação de dessa rede de Ensino Profissional no Brasil. Para tanto, atentaremos a cultura escolar da EAA e suas práticas cotidianas, seus saberes a ensinar e condutas a inculcar. Nas primeiras décadas do século XX, a EAA de Natal manteve um currículo e um conjunto de práticas voltadas à formação do profissional autônomo como o sapateiro, o marceneiro e o curtidor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Publicado

18/05/2012

Como Citar

Medeiros Neta, O. M., Nascimento, J. M., & Rodrigues, A. G. F. (2012). UMA ESCOLA PARA APRENDIZES ARTÍFICES E O ENSINO PROFISSIONAL PRIMÁRIO GRATUITO. HOLOS, 2, 96–104. https://doi.org/10.15628/holos.2012.919

Edição

Seção

ARTIGOS