CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM ÁREAS URBANAS: O CASO DO PARQUE TIZO, SÃO PAULO

Autores

  • Paulina Aparecida Arce Universidade Nove de Julho - UNINOVE
  • Claudete Jesus Santos Pendloski Universidade Nove de Julho - UNINOVE
  • Rosicler Barbosa de Oliveira Universidade Nove de Julho - UNINOVE
  • Amarilis Lucia Casteli Figueiredo Gallardo Universidade Nove de Julho - UNINOVE e Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT
  • Mauro Silva Ruiz Universidade Nove de Julho - UNINOVE

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2014.1704

Resumo

Parques urbanos são importantes unidades de conservação reconhecidas como indutores de desenvolvimento sustentável nas cidades. No entanto, a criação e implantação desses parques deflagram vários conflitos socioambientais devido aos diversos interesses sobre a área a ser protegida, principalmente a questão do uso da terra e seus aspectos econômicos e sociais. Este artigo analisa o histórico dos conflitos que ocorreram na criação do Parque Tizo, em São Paulo, pela análise da configuração dos conflitos socioambientais e do papel do ministério público como facilitador do diálogo para sua negociação. O artigo demonstra que a implantação do Parque Tizo configurou uma situação complexa, com embate entre a parcela da população que tencionava promover a proteção de fragmentos de floresta remanescentes nas cidades e a outra parte, que vislumbrava ocupar e usufruir dessa área para subsistência, em função de alegados direitos de propriedade da terra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Paulina Aparecida Arce, Universidade Nove de Julho - UNINOVE

Atualmente trabalho na Secretaria de Meio Ambiente de Osasco. Lidero uma equipe de biologos e educadores ambientais no borboletário de Osasco e já participei de vários projetos de educação ambiental do município. Já atuei com licenciamento ambiental e também ministrei aulas para cursos de gestão ambiental. Trabalhei muitos anos em laboratório de saúde pública, e já fui contratada pela ONU para trabalhar com saúde indígena.

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao /Constitui%C3%A7ao.htm>. Acesso em: 10 nov. 2009.

BRASIL. Lei n.º 9985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1.º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 19 jul 2000.

BRITO, D. M. Conflitos em unidades de conservação, PRACS: Revista Eletronica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, Amapá, n.1, p. 1-12,dez. 2008. Disponível em <http://periodicos.unifap.br/index.php/pracs/article/viewArticle/10>. Acesso em 30 abr. 2012.

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL E URBANO. Secretaria da Habitação. Governo do Estado de São Paulo. Nota à Folha de São Paulo, São Paulo: CDHU, 26 abr 2011.

COSTA, R. Impactos sobre remanescentes de florestas de Mata Atlântica na Zona Oeste da São Paulo: um estudo de caso da mata da Fazenda Tizo. 2006, 211 f. Dissertação (Mestrado em Geografia Física) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

FERREIRA, L. C. et al. Conflitos sociais em áreas protegidas no Brasil: moradores, instituições e ONGs no Vale do Ribeira e litoral sul,sp. Idéias, São Paulo, v.1, n. 8 , p.115-150, 2001.

GUERRA, M. F. Conflitos ambientais no Parque Natural Municipal de Grumari. Revista Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n.16-17, p.115-130, maio/dez. 2005.

INSTITUTO FLORESTAL. Secretaria de Meio Ambiente, Governo do Estado de São Paulo. Consulta geral homepage. Disponível em: <http://www.iflorestal.sp.gov.br/areas_protegidas /index.asp>. Acesso em: 05 maio 2012.

LITTLE, P. E. Os conflitos ambientais: um campo de estudo e de ação política. In: BURSZTYN,M. A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Garamond Ltda, 2001, p.107-122.

LUTTI, J.E.I. Elucidação sobre o parque Tizo [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em: 04 set 2012.

SÃO PAULO. (Estado). Decreto nº 57.458, de 25 de outubro de 2011. Autoriza a Fazenda do Estado a receber da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo - CDHU, mediante permissão de uso a título precário, gratuito e por prazo indeterminado, imóveis que especifica, situados nos Municípios de São Paulo, Cotia e Osasco. Diário Oficial do Estado, São Paulo, 25 out. 2011.

SÃO PAULO (Estado). Decreto Estadual n.º 50.597, de 27 de março de 2006. Cria o Parque Urbano de Conservação Ambiental e Lazer em área localizada nos Município de São Paulo, Cotia e Osasco e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado, São Paulo, 28 mar 2006a.

______. Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Resolução SMA 30, de 30 de junho de 2006. Diário Oficial do Estado, São Paulo, 01 de jul 2006b.

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE. Conselho Orientador do Parque Tizo. Ata da quinta reunião realizada no dia 24 de abril de 2007, p.1-2.

______. Conselho Orientador do Parque Tizo. Ata da décima-segunda realizada no dia 24 de setembro de 2008, p. 1-2.

______. Conselho Orientador do Parque Tizo. Ata da décima-nona reunião realizada no dia 08 de junho de 2010, p.1-2.

______. Plano Diretor e diretrizes de projeto para o Parque Tizo. 3. ed. São Paulo: Impressa Oficial do Estado de São Paulo, 2012, 116p.

SIMON, A. Conflitos na conservação da natureza: o caso do parque estadual da serra da tiririca. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM MEIO AMBIENTE E SOCIEDADE, 2., 2004. Anais… Indaiatuba, ANPPAS, 2004.

VELASQUEZ, C. Áreas Protegidas. In: INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Almanaque Brasil Socioambiental. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2008. p. 261-269.

Downloads

Publicado

2014-03-28

Como Citar

Arce, P. A., Santos Pendloski, C. J., Barbosa de Oliveira, R., Casteli Figueiredo Gallardo, A. L., & Silva Ruiz, M. (2014). CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM ÁREAS URBANAS: O CASO DO PARQUE TIZO, SÃO PAULO. HOLOS, 1, 75–85. https://doi.org/10.15628/holos.2014.1704

Edição

Seção

ARTIGOS