UMA ABORDAGEM DE CONCEITOS ELEMENTARES DE GEOMETRIA NÃO EUCLIDIANA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO ENSINO DE MATEMÁTICA A PARTIR DE UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA

Autores

  • Wanderley Pivatto Brum Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC,SC.
  • Elcio Schuhmacher

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2014.1672

Resumo

Neste artigo apresentamos um relato de uma experiência, de caráter qualitativo, a qual teve como objetivo analisar se a utilização de diferentes atividades, por meio de uma sequência didática para o ensino de Geometria não Euclidiana, em particular, Esférica e Hiperbólica. Para isso, realizamos uma pesquisa participante com 14 estudantes da 2ª série do Ensino Médio de uma escola da rede pública de Tijucas, Santa Catarina. A pesquisa esteve sentada na Teoria da Aprendizagem Significativa de Ausubel. A pesquisa foi dividida em três momentos: no primeiro foi aplicado um pré-teste, no segundo momento ocorreu a aplicação da sequência didática, e por fim, foi aplicado um pós-teste. Os resultados evidenciam que, após a sequência grande parte dos estudantes conseguiram assimilar, diferenciar e reconciliar conceitos de Geometria Euclidiana, Esférica e Hiperbólica, por ser um tema ainda novo nos bancos escolares, houve estudantes que permaneceram com um posicionamento euclidiano frente ao problema não euclidiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Wanderley Pivatto Brum, Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC,SC.

Mestre em Ensino de Ciências Naturais e Matemática.

Elcio Schuhmacher

Dr. em Química pela UFSC, SC.

Referências

ALEKSANDROV, A. D. La matemática: su contenido, métodos y significado. Madri: Alianza Universidad, 1985.

AUSUBEL, D. P; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

ALVES, S. Geometria Não Euclidiana. São Paulo: IME-USP: material para oficina; Semana da Licenciatura, 2008.

BARDIN, L. A análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2002.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BONGIOVANI, V. De Euclides às geometrias não euclidianas. Revista Iberoamericana de Educación Matemática. São Paulo, v.1, n. 22, p. 37-51, 2010.

BOYER, C. B. História da Matemática. 2ª. ed. São Paulo: Blücher, 2009

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CABARITI, E. A geometria hiperbólica na formação docente: possibilidades de uma proposta com o auxílio do cabri-géomètre. III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, São Paulo, 2006.

CARVALHO, M. A. S.; CARVALHO, A. M. F. T. C. O ensino de geometria não euclidiana na educação básica. XIII Conferência Interamericana de Educação Matemática, Recife, 2011.

CEDREZ, A. J. P. Construcción, necessidad e intuición de essência em geometria. Scientia & Studia. São Paulo, v. 7, n. 4, p. 595-617, 2012.

CHARNAY, R. Aprender por meio de la resolucion de problemas. Didáctica de matemáticas. Aportes y reflexiones. Argentina: Paidós Educador, 1994.

COLL, C., et al. O Construtivismo na Sala de Aula. São Paulo: Ática, 2012.

COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J. Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia da educação escolar. 2ª. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

COURANT, R.; ROBBINS, H. O que é matemática? Uma abordagem elementar de métodos e conceitos. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2000.

COUTINHO, L. Convite às Geometrias Não Euclidianas. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2001.

ESTEBAN, M. P. S. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: Artmed, 2010.

EVES, H. Introdução à história da Matemática. São Paulo: Unicamp, 2008.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2010.

KALEFF, A. M. Desenvolvimento de Atividades Introdutórias ao Estudo das Geometrias não Euclidianas: Atividades Interdisciplinares para Sala de Aula e Museus Interativos. Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, n. 2, Belo Horizonte, 2004.

LEIVAS, J. C. P. Educação geométrica: reflexões sobre ensino e aprendizagem em geometria. Revista SBEM-RS, Porto Alegre, n. 13, v.1, p. 9-16, 2012.

MARTOS, Z. G. Geometrias não euclidianas: uma proposta metodológica para o ensino de Geometria no Ensino Fundamental. 143f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2012.

MENDES, I. A. Matemática e investigação em sala de aula: tecendo redes cognitivas na aprendizagem. São Paulo: Livraria da Física, 2009.

MLODINOW, L. A janela de Euclides: a história da geometria, das linhas paralelas ao hiperespaço. São Paulo: Geração, 2010.

MOREIRA, M. A. Mapas conceituais e aprendizagem significativa. São Paulo: Centauro, 2010.

MOREIRA, M. A.; GRECA, I. M. Mudança conceitual: análise crítica e propostas à luz da teoria da aprendizagem significativa. Ciência e Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 301-315, 2003.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: A teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro, 2001.

NOVAK, J. D.; GOWIN, B. D. Aprender a Aprender. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 1996.

PERRENOUD, P. As Competências para Ensinar no Século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2002.

POZO, J. I. Teorias cognitivas da aprendizagem. 3ª. ed. São Paulo: Artes Medicas, 1998.

PUGLISI, M. L.; FRANCO, B. Análise de conteúdo. 2ª. ed. Brasília: Líber Livro, 2005.

STRUIK, D. J. História Concisa das Matemáticas. São Paulo: Gradiva, 1997.

VOGELMANN, E. P. A arte de ensinar e construir o conhecimento. São Paulo: Saraiva, 2011.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2007.

Downloads

Publicado

2014-02-03

Como Citar

Brum, W. P., & Schuhmacher, E. (2014). UMA ABORDAGEM DE CONCEITOS ELEMENTARES DE GEOMETRIA NÃO EUCLIDIANA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO ENSINO DE MATEMÁTICA A PARTIR DE UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA. HOLOS, 1, 258–281. https://doi.org/10.15628/holos.2014.1672

Edição

Seção

ARTIGOS