EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL E COMUNIDADE TERAPÊUTICA PARA DEPENDENTES QUÍMICOS: ARTICULAÇÃO DE PROCESSOS EDUCATIVOS EM PRÁTICAS SOCIAIS

Autores

  • Maria Cecília Luiz Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
  • Ronaldo Martins Gomes Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.1645

Resumo

Este artigo reflete sobre a articulação de processos sócio educativos em ambientes como Comunidades Terapêuticas que trabalham na recuperação de adolescentes e jovens dependentes químicos, no período (mínimo) de seis meses a um ano, com liberdade restringida. O objetivo do tratamento é de integrar esses indivíduos na sociedade, e fazê-los rever valores interiores (crenças, objetivos etc.) e exteriores (grupos de convívio, ações no coletivo etc.), por meio da educação não-formal. Esse estudo se justifica, na medida em que existe um aumento do número de dependentes químicos, e também de educadores (monitores) sem maiores conhecimento sobre os enfrentamentos deste problema na perspectiva da educação não-formal. A expectativa é que o residente ao sair da Comunidade Terapêutica, por meio do programa de tratamento tenha condições de rever suas ações segundo parâmetros diferentes dos que o conduzia antes da internação. O tratamento segue alguns pressupostos básicos, com vistas a originar reflexão sobre a capacidade de entender, querer e superar o uso das substâncias psicoativas, isto é, tomar decisões e desenvolver seu projeto de vida. A Comunidade Terapêutica deve refletir constantemente sobre questões a serem evitadas, como: falta de formação continuada para os educadores (monitores); desrespeito à legislação trabalhista; uso criminoso de medicações controladas, e quadros de práticas de violências (simbólicas e/ou de fato), pois ela surgiu como alternativa às rígidas estruturas do sistema psiquiátrico. Se a Comunidade Terapêutica não tiver essa preocupação em repensar-se, a partir de suas práticas, dificilmente, poderá ser uma alternativa útil à sociedade. Palavras-chave: Educação não-formal; Comunidade terapêutica, processos educativos para dependente químico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Cecília Luiz, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

graduada em Licenciatura em Pedagogia pela UFSCar, em São Carlos/SP, cursou o Mestrado em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSCar, e o doutorado em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Unesp de Araraquara. Atualmente é professora efetiva da UFSCar, vinculada ao Departamento de Educação e ao Programa de Pós-Graduação em Educação, atuando na linha de pesquisa Educação Cultura e Subjetividade. Participa do Grupo de Estudos sobre Políticas e Gestão da Educação (GEPGE), com pesquisas na área.

Ronaldo Martins Gomes, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

graduado em Bacharelado, em Ciências Jurídicas pela Faculdade de Direito de São Carlos, e em Licenciatura em Filosofia pelas Faculdades Claretianas de Batatais. cursou Especialização, lato senso, em Educação de Jovens e Adultos pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Mestrado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) na mesma universidade, na área de Educação, cultura e subjetividade. Atualmente é doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) na mesma universidade, na área de Educação, cultura e subjetividade.

Referências

REFERÊNCIAS

BAUMAN, Z. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

BUCHER, R. Drogas e drogadição no Brasil. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

DE LEON, G. A Comunidade Terapêutica: teoria, modelo e método. São Paulo: Ed. Loyola, 2003.

FRACASSO, L. Características da Comunidade Terapêutica. In: GUERRA, A. et al. (Org.). Curso nacional de aprendizado à distância: aspectos básicos no tratamento da dependência química. Brasília: SENAD, 2002. v.2. p.88-99.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.50, p. 27-38, jan./mar. 2006.

MORRISH, I. Sociologia da educação. Tradução de Álvaro Cabral. 2. ed. Rio de Janeiro. Zahar, 1975.

Downloads

Publicado

2015-07-24

Como Citar

Luiz, M. C., & Gomes, R. M. (2015). EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL E COMUNIDADE TERAPÊUTICA PARA DEPENDENTES QUÍMICOS: ARTICULAÇÃO DE PROCESSOS EDUCATIVOS EM PRÁTICAS SOCIAIS. HOLOS, 3, 393–403. https://doi.org/10.15628/holos.2015.1645

Edição

Seção

ARTIGOS