TEORIA CRÍTICA E PESQUISA EMPÍRICA EM EDUCAÇÃO: A SALA DE AULA DE FÍSICA

Autores

  • Wilher de Freitas Guimaraes PUC Minas
  • Edna Gomes Roriz PUC Minas
  • Rita Amélia Teixeira Vilela PUC Minas

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.1571

Resumo

O objetivo da pesquisa foi investigar o currículo materializado na sala de aula de Física, interpretando o que os dados nos revelaram, no processo de didatização do conhecimento, sobre a efetivação das diretrizes curriculares do ensino de Física. O pressuposto para a pesquisa é que o currículo materializado traduziria o sentido do ensino da Física no projeto pedagógico da modernidade, ou seja, como o ensino de Física favoreceria a realização das aspirações da Bildung. – educar, ensinar e formar. A metodologia utilizada foi a Hermenêutica Objetiva, um procedimento de pesquisa empírica qualitativa e interpretativa, desenvolvido pelo sociólogo Ulrich Oevermann, que permitiu compreender a escola a partir da reconstituição da aula. A investigação apontou que a disciplina analisada na sala de aula não confirma a realização das diretrizes curriculares de um ensino de Física que promova a autonomia para o aprender a partir dos elementos próximos, práticos e vivenciais dos alunos. Em vários momentos, a aula sustentada no senso comum, em informações equivocadas e mesmo reducionistas resulta na semiformação e na falta de um ensino da Física abordado enquanto construção histórica, como atividade social humana na qual as teorias científicas mantêm uma relação complexa com o contexto social, político, econômico e cultural em que ocorreram. Fato que reforça um processo educacional de mitificação do conhecimento científico, por parte dos alunos e limita a atuação dos mesmos, como cidadãos ativos e críticos, capazes de emitirem juízos de valor em relação a situações sociais que envolvam aspectos físicos e/ou tecnológicos relevantes. Palavras-chave: Teoria Crítica, Currículo, Sala de aula, Formação (Bildung), Indústria Cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Edna Gomes Roriz, PUC Minas

Mestre em Educação e Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação da PUC Minas.

Rita Amélia Teixeira Vilela, PUC Minas

PhD em Educação pela Universidade de Frankfurt e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da PUC Minas.

Referências

ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. Tradução Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ADORNO, T. W. Dialética negativa. Tradução Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

ALMEIDA, Jorge de; LASTÓRIA, Luiz A. Calmon Nabuco. Experiência formativa e emancipação. São Paulo: Nanquin Editorial, 2009.

ANDERY, Maria Amália et al. Para compreender a ciência. São Paulo: EDUC, 1988.

BRASIL. PCN + Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC, SEMTEC, 2002. Disponível em: <http://www.sbfisica.org.br/arquivos/PCN_FIS.pdf>. Acesso em: 22/03/2013.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, Parte III. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. SEMTEC/MEC. Disponível em: portal.mec.gov.br/ seb/arquivos/pdf/ciencian.pdf. 1998. Acesso em: 25/07/2013.

CARUSO, Francisco; FREITAS, Nilton de. Física moderna no ensino médio: o espaço de Einstein em tirinha. In: Caderno Brasileiro de Ensino de Física. Florianópolis, v. 19, n. 1, 2009.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

MAAR, Wolfgang Leo. A guisa de introdução: Adorno e a experiência formativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

PRESTES, Nadja Hermann. A razão, a teoria crítica e a educação. Petrópolis: Vozes, 1994.

PUCCI, Bruno. Teoria crítica e educação: a questão da formação cultural na Escola de Frankfurt. São Carlos: EDUFISCAR, 1994.

RAMOS, Newton de Oliveira. A escola, esse mundo estranho: teoria crítica e educação. São Carlos: Vozes, 1994.

SANTOS, Boaventura de Souza. Introdução a uma ciência pós-moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

VIANNA, Deise Miranda; PINTO, Kátia Nunes. Caderno Catarinense de Ensino de Física. Florianópolis, vol. 11, n.2, 1994.

VILELA, Rita Amélia Teixeira; NOACK, Juliane. A pesquisa sociológica hermenêutica objetiva”: novas perspectivas para a análise da realidade educacional e de práticas pedagógicas. Caxambu, 2008. Disponível em: < seer.bce.unb.br/index.php/linhascriticas/article/download/.../2625> Acesso em 30 nov. 2011.

VILELA, Rita Amélia Teixeira. A presença da Teoria Critica no debate e na pesquisa educacional no Brasil e na Alemanha no período de 1995 à atualidade. Belo Horizonte: PUC Minas. Programa de Pós Graduação em Educação, Relatório de Pesquisa, 2009. Disponível em < http://www.pucminas.br/imagedb/mestrado_doutorado/publicacoes/PUA_ARQ_ARQUI20120828095538.pdfr>. Acesso em: 30 nov. 2009.

VILELA, Rita Amélia Teixeira. Teoria crítica e pesquisa empírica na educação: a metodologia hermenêutica objetiva para análise da escola contemporânea. In: PUCCI, B. ZUIN, A. LASTORIA, L.A. Teoria crítica e inconformismo: novas perspectivas de pesquisa. Campinas: Autores Associados. 2010.

VILELA, Rita Amélia Teixeira. Estudo da sala de aula com aporte teórico-metodológico da hermenêutica objetiva. Disponível em: <http://www.pucminas.br/imagedb/mestrado_doutorado/publicacoes/PUA_ARQ_ARQUI20120828100151.pdf> Joao Pessoa, novembro de 2011.

ZUIN, Antônio Álvaro Soares. Indústria cultural e educação: o novo canto da sereia. Campinas, SP: Autores Associados, 1999.

Downloads

Publicado

18/04/2015

Como Citar

Guimaraes, W. de F., Roriz, E. G., & Vilela, R. A. T. (2015). TEORIA CRÍTICA E PESQUISA EMPÍRICA EM EDUCAÇÃO: A SALA DE AULA DE FÍSICA. HOLOS, 2, 212–223. https://doi.org/10.15628/holos.2015.1571

Edição

Seção

ARTIGOS