ATRIBUTOS FÍSICOS E PH DE UM FRAGMENTO DO RIO TAQUARI SOB A MINERAÇÃO DE BAUXITA NO PLANALTO DE POÇOS DE CALDAS – MG

Autores

  • Dalmo Arantes de Barros Universidade Federal de Lavras, doutorando
  • Bruno Montoani Silva Universidade Federal de Lavras, doutorando
  • Rossi Allan Silva Universidade Federal de Lavras
  • José Aldo Alves Pereira Universidade Federal de Lavras, professor
  • Luís Antônio Coimbra Borges Universidade Federal de Lavras, professor
  • Erlon Lopes Pereira Universidade Federal de Lavras, mestrando
  • Gleisson de Oliveira Nascimento Universidade Federal de Lavras, mestrando

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2014.1378

Resumo

O presente trabalho objetivou avaliar a qualidade física de um curso d’água localizado no Planalto de Poços de Caldas (MG) antes, durante e após a mineração de bauxita. Para tanto, foram analisados alguns parâmetros físicos que refletem a qualidade d’água do Rio Taquari, em diferentes períodos do processo de mineração, as coletas duraram três meses em cada época: antes; durante; após, e dois anos depois da mineração; a primeira coleta foi em janeiro 2006 e a última em fevereiro de 2009. A coleta das amostras seguiu a normatização ABNT-NBR 9898 e as metodologias analíticas, procedimentos descritos pela APHA. Concluíram-se, através das análises efetuadas, que não foram verificadas diferenças significativas entre os valores dos parâmetros físicos de qualidade da água analisados para os pontos a montante e a jusante da área de interferência dos projetos minerários. Para os parâmetros pH, cor, turbidez e sólidos sedimentáveis, não houve diferença significativa entre os períodos estudados, já para sólidos suspensos e sólidos totais ocorreu diferença significativa entre os períodos antes e depois da área lavrada e aqueles encontrados dois anos após o término da lavra. Também os resultados obtidos caracterizam a eficiência dos sistemas de controle ambiental utilizadas pela empresa. Nenhum dos valores encontrados para os parâmetros analisados superou os limites máximos permitidos pela legislação ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Dalmo Arantes de Barros, Universidade Federal de Lavras, doutorando

Em 1992 iniciou sua carreira acadêmica no Departamento de Ciências Florestais da Universidade Federal de Lavras e, tão logo concluiu a graduação, ingressou no curso de Mestrado, desenvolvendo sua dissertação na área de Manejo Florestal, sob a orientação do Professor Dr. Sebastião do Amaral Machado. Profissionalmente, trabalhou em diversos seguimentos do setor florestal. Na produção, inicialmente, atuou em uma empresa siderúrgica na região centro-oeste do estado de Minas Gerais, desenvolvendo atividades voltadas à produção de carvão vegetal oriundo de florestas plantadas. No setor público atuou durante um curto período, controlando e fiscalizando o uso dos recursos florestais e a conservação da biodiversidade no estado da Bahia. Na docência, em período noturno, por mais de 5 anos, ministrou disciplinas ligadas a temas ambientais em diferentes escolas profissionalizantes. No segmento ambiental, trabalhou durante mais de 8 anos no Departamento de Meio Ambiente de uma grande empresa mineradora da região do Planalto de Poços de Caldas, desenvolvendo diversos programas ambientais relacionados à conservação dos recursos naturais, gerenciamento de unidade de conservação, comunicação e educação ambiental, gerenciamento de resíduos, produção de mudas arbóreas nativas, recuperação ambiental de áreas mineradas, entre outros. Também executou inúmeras atividades geradas por ocasião dos processos de licenciamento ambiental nas áreas de influência da empresa, bem como as atividades relacionadas ao Sistema de Gestão Ambiental ISO 14.001:04. Atualmente é aluno do curso de Doutorado em Engenharia Florestal na Universidade Federal de Lavras, pretendendo trabalhar com recuperação ambiental de campos altimontanos na região do Planalto de Poços de Caldas.

Bruno Montoani Silva, Universidade Federal de Lavras, doutorando

Professor Substituto da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Mestre em Ciência do Solo, e Bacharel em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), foi bolsista Iniciação Científica pela FAPEMIG, e bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET), e atualmente é doutorando em Ciência do Solo, com ênfase em Recursos Naturais e Uso da terra pela UFLA, com bolsa do CNPq. Foi voluntário como professor de Física da PROEC/UFLA, e como monitor na disciplina de Adequabilidade do uso da terra. Tem experiência nas áreas de Agronomia e Engenharia Agrícola, com ênfase em Manejo e Conservação dos Recursos Naturais. Também possui experiência nas áreas de Educação, área pela qual demonstra ávido interesse, bem como pela pesquisa. Realizou estágios em empresas privadas, e nos departamentos de Exatas, Química, Engenharia, Biologia e Solos da UFLA. Atuando nos seguintes temas: Física do solo, Manejo e Conservação do solo, Engenharia de Água e Solo, Hidrologia, Manejo de Irrigação, Agrometeorologia e Cafeicultura.

Rossi Allan Silva, Universidade Federal de Lavras

Técnico em Eletrotécnica pela Escola Dom Inácio (2000). Graduação (2009) e Mestrado (2012) em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Lavras. Atuando com consultoria técnica, como: averbação de Reserva Legal (RL), recuperação de Área de Preservação Permanente (APP), Plano de Utilização Pretendida (PUP), Projeto Técnico de Reconstituição da Flora (PTRF) e elaboração de Laudos Técnicos necessários para regularização ambiental. Também Doutorando em Engenharia Florestal (obtenção do título em 2016) no Departamento de Ciências Florestais (DCF) na UFLA

José Aldo Alves Pereira, Universidade Federal de Lavras, professor

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Viçosa (1977), mestrado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Lavras (1996) e doutorado em Ecologia (Conservação e Manejo da Vida Silvestre) pela Universidade Federal de Minas Gerais (2002). Atualmente é Professor Associado I da Universidade Federal de Lavras. Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Incêndios Florestais, atuando principalmente nos seguintes temas: unidade de conservação, conservação da natureza, fitossociologia, incêndios florestais e recuperação de áreas degradadas

Luís Antônio Coimbra Borges, Universidade Federal de Lavras, professor

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Lavras (2003) mestrado (2005) e doutorado (2008) em Engenharia Florestal também pela Universidade Federal de Lavras. Atua nas seguintes áreas: Política e Legislação Florestal; Avaliação de Impactos Ambientais; Planejamento e Gestão de Recursos Naturais.

Erlon Lopes Pereira, Universidade Federal de Lavras, mestrando

Bacharel em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Lavras. Bolsista de iniciação científica (CNPq) durante a graduação na área de tratamento e disposição de efluentes agroindustriais. Estagiei no Laboratório de Análises de Água e Efluentes do Departamento de Engenharia da UFLA auxiliando os químicos técnicos responsáveis na realização de análises físico- químicas e microbiológicas de diversos tipos de águas residurárias e superficiais. Atualmente faço mestrado na Escola de Engenharia da USP, pesquisando nas áreas de tratamento de efluentes industriais, Ecotoxicologia Aquática, Reatores Bioquímicos no tratamento de efluentes de TNT e Nitrocelulose.

Gleisson de Oliveira Nascimento, Universidade Federal de Lavras, mestrando

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Acre - Campus Floresta (2010). Mestre em Ciências Florestais pela Universidade Federal de Lavras - UFLA - MG. Experiências em Avaliação de Impacto Ambiental ocasionados pela Mineração e utilização de óleos essenciais no controle fitopatogênico.

Referências

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Fórum Nacional de Normatização NBR-9898 - Preservação e técnicas de amostragem de efluentes líquidos e corpos receptores. 1987.

APHA. American Public Health Association. Standard methods for the examination of water and wastewater. Washington, 2005.

BÁRBARA, V. F.; CUNHA, A. C.; RODRIGUES, A. S. L.; SIQUEIRA, E. Q. Monitoramento sazonal da qualidade da água do rio Araguari/AP. Revista Biociências, Taubaté, v. 16, n. 1, p. 57-72, 2010.

BARROS, D. A.; GUIMARÃES, J. C. C.; PEREIRA, J. A. A.; BORGES, L. A. C.; SILVA, R. A.; PEREIRA, A. A. S. Characterization of the bauxite mining of the Poços de Caldas alkaline massif and its socio-environmental impacts. Revista Escola de Minas, Ouro Preto, v. 65, n. 1, p. 127-133, jan./mar., 2012.

BLUME, K. K.; MACEDO, J.C.; MENEGUZZI, A.; SILVA, L. B.; QUEVEDO, D. M.; RODRIGUES, M. A. S. Water quality assessment of the Sinos River, Southern Brazil. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v. 70, n. 4, p. 1185-1193, 2010.

BRASIL. Lei Federal n. 9.433, de 08 de janeiro de 1997. Dispõe sobre a PNRH e Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Brasília, DF. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.htm>. Acesso em: 15 jun. 2010.

BUENO, L. F.; GALBIATTI, J. A.; BORGES, M. J. Monitoramento de variáveis de qualidade da água do Horto Ouro Verde - Conchal - SP. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v. 25, n. 3, p. 742-748, 2005.

CASTRO, L. M.; BARROS, D. A.; PEREIRA, A. A. S. Monitoramento de Águas Superficiais em Área de Explotação de Bauxita, no Planalto de Poços de Caldas, Minas Gerais. Revista Científica Aprender, 3ª edição, 2009.

CHAVES, H M. L.; SANTOS, L. B. Ocupação do solo, fragmentação da paisagem e qualidade da água em uma pequena bacia hidrográfica. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 13, Suplemento, p. 922–930, 2009.

CONAMA. Resolução CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos d’água e define diretrizes ambientais para seu enquadramento, bem como estabelece condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providencias. Publicada no Diário Oficial da União de 18/03/05. Seção 1. Páginas 58 a 63. Disponível em <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res357/res35705.html>. Acesso em 21/07/2010.

COPAM/CERH. Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG nº 1 de 05 de maio de 2008. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água de acordo com o uso ao qual a água se destina, e dá outras providencias. Publicada no Diário do Executivo do estado de Minas Gerais de 13/05/2008. Disponível em: <http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=8151>. Acesso em 18/04/2010.

FRAVET, A.M.M.F.; CRUZ, R.L. Qualidade da água utilizada para irrigação de hortaliças na região de Botucatu-SP. Irriga, v.12, n.2, p. 144-155, 2007.

GATTO, L. C. S.; RAMOS, V. L. S.; NUNES, B. T. A.; MAMED, L.; GÓES, M. H. B.; MAURO, C. A.; ALVARENGA, S. M.; FRANCO, E. M. S.; QUIRICO, A. F.; NEVES, L. B. Capítulo II - Geomorfologia: Geologia, Geomorfologia, Pedologia, Vegetação e Uso Potencial da Terra. In: Projeto Radambrasil, SF23 – Rio de Janeiro e SF24 – Vitória. Rio de Janeiro, 1983. 351 p.

GOULART, M.; CALLISTO, M. Bioindicadores de qualidade de água como ferramenta em estudos de impacto ambiental. Revista da FAPAM, v. 2, n. 1, 2003.

GUIMARÃES, J. C. C.; VAN DEN BERG, E.; CASTRO, G. C.; MACHADO, E. L. M.; OLIVEIRA-FILHO, A. T. Dinâmica do componente arbustivo-arbóreo de uma floresta de galeria aluvial no planalto de Poços de Caldas, MG, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 31, n. 4, p. 621-632, out./dez., 2008.

LUCAS, A. A. T.; FOLEGATTI, M. V.; DUARTE, S. N. Qualidade da água em uma microbacia hidrográfica do Rio Piracicaba, SP. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 14, n. 9, p. 937-943, 2010.

MACE, G. M.; NORRIS, K.; FITTER, A. H. Biodiversity and ecosystem services: a multilayered relationship. Trends in Ecology and Evolution, v. 27, n. 1, pp. 19-26, jan, 2012.

MAGALHÃES JR, A. P. A. Situação do monitoramento de águas do Brasil – instituições e iniciativas. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, Porto Alegre, v. 5, n. 3, p. 113-135, 2000.

MECHI, A.; SANCHES, D. L. Impactos ambientais da mineração no Estado de São Paulo. Estudos Avançados, São Paulo, v. 24, n. 68, p. 209-220, 2010.

MORAES, F. T.; JIMÉNEZ-RUEDA, J. R. Fisiografia da região do planalto de Poços de Caldas, MG/SP. Revista Brasileira de Geociências, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 196-208, 2008.

OLIVEIRA, C. N.; CAMPOS, V. P.; MEDEIROS, Y. D. P. Avaliação e identificação de parâmetros importantes para a qualidade de corpos d’água no semiárido baiano. Estudo de caso: bacia hidrográfica do Rio Salitre. Química Nova, v. 33, n. 5, p. 1059-1066, 2010.

OLIVEIRA, F. A. Produção e qualidade da água em bacias hidrográficas contendo diferentes coberturas vegetais na região de agudos, São Paulo. 1989. 96 p. Dissertação (Mestrado em Hidrologia Florestal) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1989.

OLIVEIRA-FILHO, A. T. Catálogo das Árvores Nativas de Minas Gerais – Mapeamento e Inventário da Flora Nativa e dos Reflorestamentos de Minas Gerais. Lavras: UFLA, 2006. 423 p.

OLIVEIRA-FILHO, A. T., JARENKOW, J. A., RODAL, M. J. N. Floristic relationships of seasonally dry forests of eastern South America based on tree species distribution patterns. In: PENNINGTON, R. T., RATTER, J. A., LEWIS, G. P. (eds.) Neotropical savannas and dry forests: Plant diversity, biogeography and conservation. Boca Raton, EUA: CRC Press, p. 151-184, 2006.

PEREIRA, A.A, MENDONÇA, A.S.F. Aspectos Qualitativos de Águas de Lagoas Costeiras e seus Fatores Influentes – Estudo de Caso: Lagoa MÃE-BÁ, Espírito Santo. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 11, n. 1, p. 63-77, 2005.

POÇOS DE CALDAS. PREFEITURA MUNICIPAL DE POÇOS DE CALDAS - PMPC. Plano Diretor Municipal. Poços de Caldas, MG: Prefeitura Municipal de Poços de Caldas, 1992. Disponível em: <http://www.pocosdecaldas.mg.gov.br>. Acesso em: 01 fev. 2012.

POWER, G.; GRÄFE, M.; KLAUBER, C.; Bauxite residue issues: I. Current management, disposal and storage practices. Hydrometallurgy, v. 108, n. 1-2, pp. 33–45, 2011.

RODGHER, S.; ESPÍNDOLA, E. L. G.; ROCHA, O.; FRACÁCIO, R.; PEREIRA, R. H. G.; RODRIGUES, M. H. S. Limnological and ecotoxicological studies in the cascade of reservoirs in the Tietê River (São Paulo, Brazil). Brazilian Journal Biology, v. 65, n. 4, p. 697-710, 2005.

ROMANO, E.; ROMANO, P. A.; FEITOSA. V. M. N. Gestão descentralizada e participativa dos recursos hídricos e a mineração: riscos e oportunidades. In: DOMINGUES, A. F.; BÓSON, P. H. G.; ALÍPAZ, S. A. Gestão dos recursos hídricos e a mineração. Brasília: ANA, 2006. p. 53-67.

SILVA, R. T. & PORTO, M. F. A. Gestão urbana e gestão das águas: caminhos da integração Estudos Avançados. v. 17, n. 47, pp. 129-145. 2003.

TOLEDO, L. G.; NICOLELLA, G. Índice de qualidade de água em microbacia sob uso agrícola e urbano. Scientia Agrícola, Piracicaba, v. 59, n. 1, p. 181-186, 2002.

VANZELA, L. S.; HERNANDEZ, F. B. T.; FRANCO, R. A. M. Influência do uso e ocupação do solo nos recursos hídricos do Córrego Três Barras, Marinópolis. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, v. 14, n. 1, p. 55-64, 2010.

VELOSO, H. P.; RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 88 p.

Downloads

Publicado

02/08/2014

Como Citar

Barros, D. A. de, Silva, B. M., Silva, R. A., Pereira, J. A. A., Borges, L. A. C., Pereira, E. L., & Nascimento, G. de O. (2014). ATRIBUTOS FÍSICOS E PH DE UM FRAGMENTO DO RIO TAQUARI SOB A MINERAÇÃO DE BAUXITA NO PLANALTO DE POÇOS DE CALDAS – MG. HOLOS, 4, 78–88. https://doi.org/10.15628/holos.2014.1378

Edição

Seção

ARTIGOS