EDUCAÇÃO DO CAMPO E O PROGRAMA ESCOLA ATIVA: ELEMENTOS HISTÓRICOS, CONCEITUAIS E PEDAGÓGICOS

AMILKA DAYANE MELO, SAMIR CRISTINO SOUZA

Resumo


Nesse artigo nos propomos a realizar uma breve caracterização do que é a Educação do Campo a fim de analisar elementos que compõem os Cadernos de Ensino-Aprendizagem do Programa Escola Ativa, destinada para salas de aula multisseriadas em realidades campesinas. O estudo teve como objetivo identificar como os conteúdos de Língua Portuguesa e Matemática propostos para o 5º ano do Ensino Fundamental foram considerados. A investigação foi referenciada pela perspectiva da análise de conteúdo do material didático, identificando como as atividades e conteúdos são considerados e como se articulam com as situações e vivencias rurais. Percebemos que o material destinado a esses educandos não contemplam as questões da proposta política e pedagógica da Educação do Campo, apresentando contradições de natureza teórica metodológica.

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna (Org.). Por uma Educação do Campo. Petrópolis: Vozes, 2004.

BRASIL. LDB: Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei N° 9.394, de 1996 que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 2. ed. Brasília: Câmara dos deputados, coordenação de publicação, 1996.

_______, Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo (CNE. Resolução CNE/ CEB 1/2002. Diário Oficial da União. Brasília, 9 de abril de 2002. Seção 1. p. 32).

_______, Ministério da Educação. Referências para uma política Nacional da Educação do Campo. In: Caderno de Subsídios. Brasília: Ministério da Educação, 2003.

______. Escola Ativa: Projeto base. Brasília: SECAD/MEC, 2010a.

______. Escola Ativa: Orientações pedagógicas para a formação de educadores e educadores. Brasília, SECAD/ MEC, 2010b.

__________. Escola Ativa: Caderno de Aprendizagem: Língua Portuguesa 5º ano. Brasília: SECAD/MEC, 2010c.

__________. Escola Ativa: Caderno de Aprendizagem: Matemática. Brasília: SECAD/MEC, 2010d.

_______, Panorama da Educação do Campo. Brasília-DF: INEP-MEC, 2007.

Carta da Transdisciplinaridade. In: Primeiro Congresso Mundial da Transdisciplinaridade, Convento de Arrábida, Portugal, 2-6 de novembro de 1994. In: BARROS, Vitória M. de. MELLO, Maria F. de. SOMMERMAN. Américo (Org). Educação e transdisciplinaridade, II / coordenação executiva do CETRANS. – São Paulo : TRIOM, 2002.

CALDART, Roseli. Por uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. In. KOLING, Edgar J., CERIOLI, Paulo, CALDART, Roseli S. Educação do Campo: identidade e políticas públicas. Brasília, DF: Articulação Nacional Por Uma Educação do Campo, 2002 (Coleção Por Uma Educação do Campo. n.4).

_______Roseli Salete. Pedagogia do Movimento Sem Terra. Terra: escola é mais do que escola. São Paulo, Expressão Popular, 2009.

D'AMBRÓSIO, Ubiratan. Transdisciplinaridade. São Paulo: Palas Athena, 1997.

FERNANDES. Os campos da pesquisa em Educação do Campo: espaço e território como categorias essenciais. In: MOLINA, Mônica Castagna. (Org). Educação do Campo e pesquisa: questões para a reflexão. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006.

LEITE, Sergio. Escola rural: urbanização e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1999.

MOLINA, Mônica Castagna. Educação do Campo e Pesquisa: questões para reflexão. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006.

MOLINA, Mônica Castagna e FREITAS, Helana Célia de Abreu. Avanços e desafios na construção da Educação do Campo. In: Em Aberto, Brasília, v. 24, n. 85, p. 17-31, abr. 2011.

SOARES, Edla de Araújo Lira Soares (Org). A escola do campo e a cultura do trabalho no mundo da infância e da adolescência em Pernambuco. Recife, Ed. Universitária da UFPE, 2009.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2013.1375



 

HOLOS IN THE WORLD