UMA ABORDAGEM DE CONCEITOS ELEMENTARES DE GEOMETRIA NÃO EUCLIDIANA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO ENSINO DE MATEMÁTICA A PARTIR DE UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA

Wanderley Pivatto Brum, Elcio Schuhmacher

Resumo


Neste artigo apresentamos um relato de uma experiência, de caráter qualitativo, a qual teve como objetivo analisar se a utilização de diferentes atividades, por meio de uma sequência didática para o ensino de Geometria não Euclidiana, em particular, Esférica e Hiperbólica. Para isso, realizamos uma pesquisa participante com 14 estudantes da 2ª série do Ensino Médio de uma escola da rede pública de Tijucas, Santa Catarina. A pesquisa esteve sentada na Teoria da Aprendizagem Significativa de Ausubel. A pesquisa foi dividida em três momentos: no primeiro foi aplicado um pré-teste, no segundo momento ocorreu a aplicação da sequência didática, e por fim, foi aplicado um pós-teste. Os resultados evidenciam que, após a sequência grande parte dos estudantes conseguiram assimilar, diferenciar e reconciliar conceitos de Geometria Euclidiana, Esférica e Hiperbólica, por ser um tema ainda novo nos bancos escolares, houve estudantes que permaneceram com um posicionamento euclidiano frente ao problema não euclidiano.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEKSANDROV, A. D. La matemática: su contenido, métodos y significado. Madri: Alianza Universidad, 1985.

AUSUBEL, D. P; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

ALVES, S. Geometria Não Euclidiana. São Paulo: IME-USP: material para oficina; Semana da Licenciatura, 2008.

BARDIN, L. A análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2002.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BONGIOVANI, V. De Euclides às geometrias não euclidianas. Revista Iberoamericana de Educación Matemática. São Paulo, v.1, n. 22, p. 37-51, 2010.

BOYER, C. B. História da Matemática. 2ª. ed. São Paulo: Blücher, 2009

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CABARITI, E. A geometria hiperbólica na formação docente: possibilidades de uma proposta com o auxílio do cabri-géomètre. III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, São Paulo, 2006.

CARVALHO, M. A. S.; CARVALHO, A. M. F. T. C. O ensino de geometria não euclidiana na educação básica. XIII Conferência Interamericana de Educação Matemática, Recife, 2011.

CEDREZ, A. J. P. Construcción, necessidad e intuición de essência em geometria. Scientia & Studia. São Paulo, v. 7, n. 4, p. 595-617, 2012.

CHARNAY, R. Aprender por meio de la resolucion de problemas. Didáctica de matemáticas. Aportes y reflexiones. Argentina: Paidós Educador, 1994.

COLL, C., et al. O Construtivismo na Sala de Aula. São Paulo: Ática, 2012.

COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J. Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia da educação escolar. 2ª. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

COURANT, R.; ROBBINS, H. O que é matemática? Uma abordagem elementar de métodos e conceitos. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2000.

COUTINHO, L. Convite às Geometrias Não Euclidianas. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2001.

ESTEBAN, M. P. S. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: Artmed, 2010.

EVES, H. Introdução à história da Matemática. São Paulo: Unicamp, 2008.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2010.

KALEFF, A. M. Desenvolvimento de Atividades Introdutórias ao Estudo das Geometrias não Euclidianas: Atividades Interdisciplinares para Sala de Aula e Museus Interativos. Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, n. 2, Belo Horizonte, 2004.

LEIVAS, J. C. P. Educação geométrica: reflexões sobre ensino e aprendizagem em geometria. Revista SBEM-RS, Porto Alegre, n. 13, v.1, p. 9-16, 2012.

MARTOS, Z. G. Geometrias não euclidianas: uma proposta metodológica para o ensino de Geometria no Ensino Fundamental. 143f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2012.

MENDES, I. A. Matemática e investigação em sala de aula: tecendo redes cognitivas na aprendizagem. São Paulo: Livraria da Física, 2009.

MLODINOW, L. A janela de Euclides: a história da geometria, das linhas paralelas ao hiperespaço. São Paulo: Geração, 2010.

MOREIRA, M. A. Mapas conceituais e aprendizagem significativa. São Paulo: Centauro, 2010.

MOREIRA, M. A.; GRECA, I. M. Mudança conceitual: análise crítica e propostas à luz da teoria da aprendizagem significativa. Ciência e Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 301-315, 2003.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: A teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro, 2001.

NOVAK, J. D.; GOWIN, B. D. Aprender a Aprender. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 1996.

PERRENOUD, P. As Competências para Ensinar no Século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2002.

POZO, J. I. Teorias cognitivas da aprendizagem. 3ª. ed. São Paulo: Artes Medicas, 1998.

PUGLISI, M. L.; FRANCO, B. Análise de conteúdo. 2ª. ed. Brasília: Líber Livro, 2005.

STRUIK, D. J. História Concisa das Matemáticas. São Paulo: Gradiva, 1997.

VOGELMANN, E. P. A arte de ensinar e construir o conhecimento. São Paulo: Saraiva, 2011.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2007.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2014.1672



 

HOLOS IN THE WORLD