ANÁLISE DE PAISAGENS TURÍSTICAS DA PRAIA DE PONTA NEGRA (NATAL/RN) COM A UTILIZAÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE VISUAL: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O TURISMO SUSTENTÁVEL

Ilton Araújo Soares, Carla Stefanea Cabral Medeiros, Antônio Sales Filho

Resumo


As paisagens estão entre os principais responsáveis pela atratividade dos destinos turísticos, ao mesmo tempo em que, muitas vezes, são degradadas devido a práticas ambientalmente insustentáveis da atividade turística. Diante desse contexto, esse trabalho tem como objetivo investigar a qualidade visual das paisagens turísticas da Praia de Ponta Negra (Natal/RN) e contribuir para seu uso de forma sustentável. Para isso, utilizou-se como suporte teórico o método sistêmico e como metodologia um conjunto de indicadores de qualidade visual de paisagem. Constatou-se que além da duna do Morro do Careca, outros aspectos físicos contribuem para qualidade visual da paisagem de Ponta Negra, como a forma da orla em enseada. A legislação urbanística e ambiental de Natal é outro elemento que contribui para a proteção da paisagem de Ponta Negra. Foram detectados como detratores a artificialização provocada pela inserção de estruturas físicas que diminuem a naturalidade da praia, a poluição hídrica provocada pelos esgotos despejados na galeria de águas pluviais e a poluição sonora que ocorre devido ao barulho gerado pelos vendedores de CDs e DVDs. Os indicadores de naturalidade e diversidade apontaram que essas características ocorrem fundamentalmente no entorno no Morro do Careca. Por fim, ressalta-se a importância da perspectiva do turismo sustentável como estratégia que garanta a proteção das paisagens naturais e a própria manutenção da atividade turística.

Texto completo:

PDF

Referências


BELLEN, Hans Michael van. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2006.

BOULLÓN, Roberto C. Planejamento do espaço turístico. Trad. Josely Vianna Batista. Bauru: EDUSC, 2002.

CARLOS, Ana Fani A. O turismo e a produção do não-lugar. In. YÁZIGI, Eduardo; CARLOS, Ana Fani A.; CRUZ, Rita de C. A. da (Orgs.). Turismo: espaço, paisagem e cultura. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

CHRISTOFOLETTI, Antônio. Modelagem de sistemas ambientais. São Paulo: Edgar Blucher, 1999.

CORIOLANO, Luzia Neide M. Teixeira. Turismo e meio ambiente: interfaces e perspectivas. In: CORIOLANO, Luzia Neide Menezes Teixeira; VASCONCELOS, Fábio Perdigão. O Turismo e a relação sociedade na natureza: realidades, conflitos e resistências. Fortaleza: EdUECE, 2007.

COSTA, Jean Henrique. Os espaços obscuros da cidade turística: um estudo preliminar na Praia de Ponta Negra em Natal/RN. Caderno Virtual de Turismo. Rio de Janeiro, n. 3, v. 6, 2006.

CRUZ, Rita de Cássia Ariza. As paisagens artificiais criadas pelo turismo. In: YÁZIGI, Eduardo (org.). Turismo e Paisagem. São Paulo: Contexto, 2002.

CRUZ, Rita de Cássia Ariza. Introdução à Geografia do Turismo. São Paulo: Roca, 2001.

DIAS, Reinaldo. Turismo sustentável e meio ambiente. São Paulo: Atlas, 2003.

FURTADO, Edna Maria. O Turismo na Capital Potiguar: visões sobre o espaço urbano de Natal/RN. Mercator - Revista de Geografia da UFC, n. 11, 2007.

GUERRA, Antônio Teixeira; GUERRA, Antônio José Teixeira. Novo Dicionário Geológico- Geomorfológico. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

GUERRA, Antônio José Teixeira; MARÇAL, Mônica dos Santos. Geomorfologia Ambiental. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

LAKATOS, Eva M., MARCONI, Marina de A. Fundamentos da metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra. A paisagem como fator cultural. In: YÁZIGI, Eduardo et al (org.). Turismo e Paisagem. São Paulo: Contexto, 2002.

NATAL (Município, RN). Lei Complementar Nº 082, de 21 de Junho de 2007. Dispõe sobre o Plano Diretor de Natal e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2012.

NATAL (Município, RN). Lei Nº 3.607 de 18 de Novembro De 1987. Dispõe sobre o uso do solo e prescrições urbanísticas da Zona Especial - ZET-1, criada pela Lei 3.175184 de 26 de janeiro de 1984, e da outras providencias. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2012.

NATAL (Município, RN). Decreto Nº 2.236, de 19 de junho de 1979. Declara “non edificandi” os Imóveis que especifica, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2012.

PIRES, Paulo dos Santos. Paisagem litorânea de Santa Catarina como recurso turístico. In. YÁZIGI, Eduardo; CARLOS, Ana Fani A.; CRUZ, Rita de C. A. da (Orgs.). Turismo: espaço, paisagem e cultura. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

______. A análise de indicadores da qualidade visual como etapa da caracterização de paisagens turísticas: uma aplicação no distrito-sede de Porto Belo-SC. Turismo: visão e ação. Balneário Camburiú, n. 3, v. 7, 2005.

RODRIGUEZ, José Manuel Mateo; SILVA, Edson Vicente da; CAVALCANTI, Agostinho Paula Brito. Geoecologia das Paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. 2. ed. Fortaleza: Edições UFC, 2007.

SANTOS, Milton. A natureza do Espaço: Técnica e tempo. Razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2009.

SOARES, Ilton Araújo. Análise da degradação ambiental das áreas de preservação permanente localizadas no estuário do Rio Ceará-Mirim/RN. Natal, RN: 2010. 95 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente.

YÁZIGI, Eduardo. Vandalismo, paisagem e turismo no Brasil. In. YÁZIGI, Eduardo; CARLOS, Ana Fani Alessandri; CRUZ, Rita de Cássia Ariza da. Turismo: espaço, paisagem e cultura. São Paulo: Hucitec, 1999.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2014.1451



 

HOLOS IN THE WORLD