AULA DE CAMPO NA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DO REUSO DE ÁGUA NA IRRIGAÇÃO DA ACEROLA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/geoconexes.2023.15723

Palavras-chave:

Educação geográfica, pesquisa de campo, irrigação da acerola, reuso de água

Resumo

Atividade de campo no ensino de Geografia, representa um encaminhamento metodológico de relevo por possibilitar estabelecer uma relação entre os conhecimentos aprendidos em sala de aula e a realidade.  O presente trabalho objetivou analisar o desempenho da acerola, irrigada com rejeito de sistema de dessalinização de água. Desenvolveu-se com a participação de 40 alunos do Ensino Médio, da E. E.  Professor Raimundo Silvino da Costa - ESPRSC. Iniciou-se com discussões nas aulas de Geografia e elaboração do projeto, seguido de contato com a Associação responsável pelo dessalinizador. Para implantação do sistema de irrigação, parceria foi estabelecida com a Secretaria de Meio Ambiente - SMA. A escavação das covas e plantio, realizou-se com a participação dos alunos.  Foram plantadas 10 mudas, em outubro de 2018. Nos dois anos seguintes, semestralmente, foram avaliados a taxa de sobrevivência e o crescimento em altura. A sobrevivência foi de 100%. Dois anos após o plantio, começou a produção de frutos. O estudo foi replicado para acerolas adultas existentes na EEPRSC.  Compreende uma experiência relevante para a aprendizagem dos alunos por seguir os passos de uma pesquisa em base científica e apresentar uma solução para um problema local.

Biografia do Autor

Josimar Araújo de Medeiros, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Está no magistério há 37 anos. Na atualidade, leciona no Ensino Médio e atua como Professor Colaborador Voluntário na UFRN. Possui graduação em Geografia; Especialização em Bioecologia (UFRN, 1997) e em Geografia do Semiárido (IFRN, 2002); Mestrado em Engenharia Sanitária; Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente e Pós-Doutorado em Geografia. É autor de livros, artigos científicos e revisor de periódicos.

Referências

AZAMBUJA, L. D. Trabalho de campo e ensino de Geografia. Geosul, Florianópolis, v. 27, n. 54, p. 181-195, 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular (BNCC): Ensino Médio. 2017.

CARLOS, A. F. L.; CRUZ, R. C. A. A necessidade da Geografia. São Paulo: Contexto, 2019.

CORRÊA, R. S. Reabilitação ambiental: a vegetação além do paisagismo. Paranoá, Brasília, v. 14, n. 14, p. 43-50, 2015.

CORDEIRO, J. M. P.; OLIVEIRA, A. G. Geografia, Londrina, v. 20, n. 2, p. 99-114, 2011.

FARIAS, R, C. O trabalho de campo na perspectiva de ensino de geografia: uma revisão crítica a partir do cenário internacional. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v. 9, n. 17, p. 181-198, 2019.

FREIRE, P. Educação e mudança. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GADOTTI, M. Educar para a sustentabilidade: uma contribuição à década da educação para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Livraria Paulo Freire, 2009.

KARNAL, L. Conversas com um jovem professor. São Paulo: Contexto, 2020.

MAFRA, V. P.; FLORES, D. A. C. Trabalho de campo no ensino da geografia na educação básica: dificuldades e desafios para professores. Revista de Ensino de Geografia, Uberlândia-MG, v. 8, n. 15, p. 6-16, jul./dez. 2017.

MEDEIROS, J. A.; AZEVEDO, B. K. G. O ensino de Geografia numa perspectiva teórico-prática: um estudo das plantas nativas da caatinga. São José do Seridó/RN: Editora dos autores, 2020.

MORAIS, I. R. D; GARCIA, T. C. M.; SANTOS SOBRINHO, D. M. (Org.). Ensino de Geografia: ensino e práticas. Natal: EDUFRN, 2014.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2000.

MORIN, E. et al. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

REGO, N. et al. (Org.). Geografia e educação: geração de ambiências. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2000.

RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. V. Planejamento e gestão ambiental: subsídios da geoecologia das paisagens e da teoria Geossistêmica. Fortaleza/CE: Edições UFC, 2013.

ROSA, M. C.; ANTIQUEIRA, L. M. O. R. Sustentabilidade e educação: contribuições do pensamento freiriano. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v. 40, n. 1, p. 200-218, 2023.

SANTOS, A. Didática sob a ótica do pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2003.

SILVA, I. J.; MACÊDO, H. C. O ensino de geografia e a convivência com o semiárido:

estratégias didático-pedagógicas. In: I Congresso Internacional da Diversidade do Semiárido - CONIDIS. Campina Grande/PB. Anais, 2017.

SOARES, T. M. et al. Destinação de águas residuárias provenientes do processo de dessalinização por osmose reversa. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v. 10, n. 3, p. 730-737, 2006.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 7. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

UNESCO. Década da Educação das Nações Unidas para um Desenvolvimento Sustentável, 2005-2014: documento final do esquema internacional de implementação. – Brasília: UNESCO, 2005. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000139937_por. Acesso em: 19 de fevereiro de 2023.

Downloads

Publicado

21-11-2023

Como Citar

MEDEIROS, Josimar Araújo de. AULA DE CAMPO NA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DO REUSO DE ÁGUA NA IRRIGAÇÃO DA ACEROLA. Geoconexões, [S. l.], v. 2, n. 16, p. 47–63, 2023. DOI: 10.15628/geoconexes.2023.15723. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/geoconexoes/article/view/15723. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

NÚMERO ESPECIAL: Educação Popular e suas interfaces com a ressignificação do ensino e da aprendizagem