ANÁLISE DE MÉTODOS NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Bruno da Silva Santos, Marco Aurélio de Lima, Maria Cristina Cavalcanti Araújo, Reginaldo Lopes Santana

Resumo


O presente estudo traz uma análise de como o livro didático usa os métodos
científicos hipotéticos- dedutivo dialético e hermenêutico-fenomenológico para
trabalhar o seu conteúdo em sala de aula voltado para o ensino de jovens e adultos. Este artigo reflete sobre a importância da escolha do método a ser utilizado para se abordar os assuntos propostos no livro didático, levando em consideração o seu público alvo, adequando sua metodologia de ensino aos alunos para garantir uma melhor comunicação e desta maneira uma melhor aprendizagem. Neste material iremos apresentar considerações e sugestões de atividades para serem realizadas nas três abordagens científicas- metodológicas utilizadas pelo livro didático analisado, no ensino da geografia escolar para educação de jovens e adultos.


Palavras-chave


Livro Didático; Método Científico; EJA;

Texto completo:

PDF

Referências


BOCHENSKI, M. J. A fenomenologia de Edmund Husserl. Tradução: Antônio Pinto de Carvalho, in A filosofia contemporânea ocidental, Herder, 1968.

BRASIL. Decreto N° 7.084, de 27 de janeiro 2010. Dispõe sobre o programa de material didático e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, 27 de janeiro de 2010, Edição extra; Página 3.

VIANA, J., CHAVES, J. M, BERNARDI, F. N. Livro didático como instrumento de apoio para construção de propostas de ensino de ciências naturais. 2009. Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis, 8 de novembro de 2009.

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI. Metodologia de Pesquisa Cientifica. Disponível em: http://www2.anhembi.br/html/ead01/metodologia_pesq_cientifica_80/lu04/lo4/index.htm>. Acesso em: 29/10/2016.

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN – HISTÓRIA E GEOGRAFIA. 1997. Brasília: 1997.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Proposta curricular – Educação para jovens e adultos. 2001. Disponível em:

primeirosegmento/propostacurri cular.pdf>. Acesso em: 29/10/2016.

SAUER, Carl Ortwin. (1983): The morphology of landscape. In: LEIGHLY, J. (org.), Land and Life - A Selection from the Writings of Carl Ortwin Sauer. Berkeley: University of California Press, p. 343.

GADOTTI, Moacir; ROMÃO José E. Diretrizes Nacionais. In: GADOTTI, Moacir; ROMÃO José E. (org). Educação de jovens e adultos: teoria, prática e proposta. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2001, p. 119.

HUSSERL, Edmund. A ideia da fenomenologia. Lisboa; Rio de Janeiro: Edições 70, 1989.

JAPIASSU, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de Filosofia. 3ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

SILVA, Márcio Tadeu da. Uma análise crítica do método fenomenológico e a sua relação com as “geografias” humanistas; Geografia em questão, ISSN 2178-0234, V.06, N.

, 2013 págs. 64.

CORTI, A.P.; SANTOS, A.L.P.; MENDES, S.; CARROCHANO, M.C.; FERNANDES, M.L.B.;

CASTELLI, R.JR.; GIANSANTINI, R. Tempo, espaço e cultura: Ciências Humanas: Ensino Médio: Educação Para Jovens e Adultos. 1° Edição. São Paulo: Global, 2013. 467 p.

(Coleção Viver, Aprender).




DOI: https://doi.org/10.15628/geoconexoes.2017.6321

Apontamentos

  • Não há apontamentos.