A produção da viscosidade do território: uma análise sobre o sistema de transporte do estado do Rio Grande do Norte

Autores

  • Anderson Araújo Rocha Mestrando em Geografia pela UFRN

DOI:

https://doi.org/10.15628/geoconexoes.2019.3515

Palavras-chave:

Sistema de Transporte, Circulação, Rio Grande do Norte

Resumo

A densidade viária (fluidez efetiva) e infoviária (fluidez virtual) indicam a capacidade de circulação no território. Em países de grande extensão territorial, a concentração da infraestrutura do sistema viário e sua tecnificação geram diferenciação de áreas, dotando certos subespaços de maior fluidez de mercadorias, pessoas e capitais do que outros. Assim, se a fluidez territorial é produzida, então também a viscosidade territorial resulta de intencionalidades sobre o território. Assim, a proposta deste estudo é de analisar a densidade e tecnificação dos principais modais de transportes presentes no estado do Rio Grande do Norte. A base metodológica desse estudo segue a proposta da Confederação Nacional dos Transportes (CNT). Aponta-se um quadro de precariedade dos sistemas de transporte do estado e da escassez de integração entre eles, reforçando assim a viscosidade do território potiguar.

Biografia do Autor

Anderson Araújo Rocha, Mestrando em Geografia pela UFRN

Licenciado em Geografia pelo IFRN
Especialista em Educação AMbiental Urbana pela ESAB
Mestrando em Geografia pela UFRN

Downloads

Publicado

24-06-2019

Como Citar

ROCHA, A. A. A produção da viscosidade do território: uma análise sobre o sistema de transporte do estado do Rio Grande do Norte. Geoconexões, [S. l.], v. 1, p. 18–28, 2019. DOI: 10.15628/geoconexoes.2019.3515. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/geoconexoes/article/view/3515. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos