POPULARIZAÇÃO GEOCIENTÍFICA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DE MÉTRICAS DO CANAL DO GEOS-UFPEL NO YOUTUBE

Autores

  • Johny Barrêto Alves Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Emanuélle Soares Cardozo Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Nadriel Diovane Essy Massaia Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Geysi Custódio da Silva Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Viter Magalhães Pinto Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

DOI:

https://doi.org/10.15628/geoconexes.2023.15728

Palavras-chave:

geociências, recurso educacional aberto, métodos lúdicos

Resumo

A pandemia de SARS-CoV-2 (COVID-19) ocasionou mudanças no processo de ensino. As instituições de ensino superior adaptaram-se e passaram a figurar como divulgadores científicos no YouTube. A temática de Ciências Exatas e da Terra foi a segunda mais abordada nos conteúdos produzidos. Através do projeto unificado Grupo de Estudos em Geociências (GEOS) e seu canal no YouTube, a Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) atuou na divulgação de temas geocientíficos, utilizando metodologias lúdicas. Porém, com o retorno às atividades presenciais, é possível que as métricas dos vídeos publicados na internet durante a pandemia reflitam preferências do público, de modo a orientar atividades de extensão futuras? Para responder à questão, este trabalho analisou as métricas de 10 vídeos publicados pelo GEOS-UFPEL, com dados obtidos no YouTube Studio do canal do projeto. Os resultados demonstram que as datas de publicação não influenciaram nos números de visualizações do canal e que os vídeos mais vistos estão associados aos tópicos mais básicos de geologia, como “As Camadas da Terra” e “Vulcões”. A maior parte do tráfego do canal é oriunda de vídeos sugeridos, o que pode indicar uma rede de divulgação geocientífica. Os dispositivos mais utilizados para acesso foram celulares e computadores. Conclui-se que as métricas do canal serão úteis para o planejamento de ações futuras e, em uma rede de divulgação científica, o conteúdo audiovisual do GEOS é um Recurso Educacional Aberto e cumpre o papel de auxiliar docentes na abordagem de temas científicos em sala de aula.

Biografia do Autor

Johny Barrêto Alves, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Bacharel em Engenharia Geológica pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Aluno do Programa de Pós-Graduação em Geografia, da Universidade Federal de Santa Maria. Tem interesse pelas áreas de Geoconservação, Geopatrimônio, Geoarqueologia e Estratigrafia do Quaternário, com ênfase no estudo de sistemas deposicionais e ambientes de sedimentação. Atuou como colaborador em projetos de pesquisa voltados a estudos sedimentológicos (GEOSED), em projetos unificados (GEOS) e de extensão (GEOLUD) orientados para a popularização e divulgação das geociências.

Emanuélle Soares Cardozo, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Graduada em Engenharia Geológica pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), mestranda em Ciências Ambientais pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Integrante do Grupo de Estudo em Geociências (GEOS) e do projeto de extensão A Utilização de Metodologias Lúdicas no Processo de Ensino em Geologia (GEOLud). Foi bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) na graduação.

Nadriel Diovane Essy Massaia, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Atualmente, estou cursando o bacharelado em Comunicação Social - Produção Editorial na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Sou bolsista do Programa de Educação Tutorial Ciências Sociais Aplicadas (PET CiSA) onde desenvolvo atividades de ensino, pesquisa e extensão, promovendo ações interdisciplinares e integradoras entre os cursos de História, Meteorologia e Produção Editorial. Além disso, participo do Grupo de Pesquisa POP Science - Comunicação e Divulgação da Ciência (CNPq), que investiga as formas e os desafios de comunicar a ciência para diferentes públicos. Meus principais interesses são nas áreas de produção audiovisual no estilo documental e educação, buscando aliar a criatividade e a tecnologia para gerar conteúdos educativos e culturais.

Geysi Custódio da Silva, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Graduada em Engenharia Geológica pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) em 2022/2. Integrante do Grupo de Estudo em Geociências (GEOS) e voluntária dos projetos de extensão "A Utilização de Metodologias Lúdicas no Processo de Ensino em Geologia (GEOLud)" e "Divulgação e popularização das geociências nas escolas de Pelotas-RS e região". Membro da Organização Engenheiros Sem Fronteiras-Núcleo Pelotas de 2020 até 2021. Atuou como monitora de metodologia de pesquisa, no periodo entre agosto a novembro de 2022. Estagiou na empresa MB Geologia e Meio Ambiente em 2021.

Viter Magalhães Pinto, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Possui pós-doutorado, doutorado em Ciências - Geociências (2010), mestrado (1997) e graduação (1994) em Geologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1994). Atualmente, é professor efetivo do curso de engenharia geológica da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Concluiu um ano de estudos na Universidade do Oeste da Austrália, Perth, AU (out/2007-set/2008), como bolsista do Cnpq, referente a Doutorado Sandwich. Atualmente coordena Projeto de Pesquisa contemplado com recursos do CNPq. Atuando principalmente nos seguintes temas: geoquímica, metalogênese-geologia econômica, geocronologia, geotectônica, mapeamento geológico e no uso de geotecnologias aplicadas ao mapeamento e prospecção mineral.

Referências

ALVES, J. B. et al. Geologia em métodos lúdicos: conteúdo audiovisual para um ensino simplificado do Planeta Terra. In: Resiane Paula da Silveira. (Org.). Traços e Reflexões: educação e ensino. 1 ed. Formiga: UNIESMERO, 2023, v. 6, p. 36-51.

AMENDOLA, D.; CARNEIRO, C. D. R. Análise crítica de conceitos de Geologia apresentados na Plataforma YouTube com foco em vídeo-aulas. Terrae Didática, Campinas, v. 15, p. 1-9, 2019.

BUENO, L. M.; FONSECA, A. A. Panorama da divulgação científica brasileira no YouTube e nos podcasts. In: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação 43º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – VIRTUAL. Salvador. Universidade Federal da Bahia, 2020.

CAMPOS, O. A. O ensino das ciências da Terra. In: SIMPÓSIO DA IMPORTÂNCIA DA CIÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL, 3., São Paulo. Documentos [...]. São Paulo: Academia Brasileira de Ciências, p. 39-46, 1997.

CARDOZO, E. S. et al. Grupo de Estudos em Geociências: a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. In: Resiane Paula da Silveira. (Org.). Traços e Reflexões: educação e ensino. 1 ed. Formiga: UNIESMERO, 2023a, v. 6, p. 62-75.

CARDOZO, E. S. et al. Vamos conhecer nosso Planeta? O planeta Terra em metodologias lúdicas. 1 ed. Formiga, Minas Gerais: Forma Educacional, 2023b, v. 1, p. 8-22.

CARNEIRO, C. D. R.; TOLEDO, M. C. M.; ALMEIDA, F. F. M. Dez motivos para a inclusão de temas de Geologia na Educação Básica. Revista Brasileira de Geociências, v. 34, n. 4, p. 553-560, 2004.

ERNESTO, M. et al. Perspectivas do ensino de Geociências. Estudos Avançados, São Paulo, v. 32, n. 94, p. 331-343, 2018.

MAZZAFERA, B. L. et al. Hábitos digitais do ensino superior no período da pandemia de COVID-19. Revista Científica em Educação a Distância, v. 11, n. 2, e 1381, 2021.

PINTO, V. M. et al. Utilização de metodologias lúdicas no ensino de geociências e alternativas em tempos de pandemia. In: MICHELON, Francisca Ferreira et al. (org.). Conexões para um tempo suspenso: extensão universitária na pandemia. Pelotas: UFPEL, 2021. p. 576-600.

PINTO, V. M. et al. O vídeo como recurso inovador na introdução das geociências no ensino fundamental. Expressa Extensão, Pelotas, v. 27, n. 1, p. 94-107, jan./abr., 2022.

PINTO, V. M. et al. “Você conhece o nosso Planeta?”: uma cartilha para o ensino de geociências na perspectiva da agenda 2030 da ONU. Expressa Extensão, Pelotas, v. 28, n. 1, p. 80-90, jan./abr., 2023.

PINTO, V. M.; CARDOZO, E. S.; ALVES, J. B. GEOS no Ensino Remoto Emergencial: ferramentas para uso e aprendizado do Geochemical Data Toolkit 6.0. In: AVILA, C. M. O. et al. (Org.). Relatos de práticas exitosas no Ensino Remoto. 1. Ed. Pelotas: UFPel, 2023, p. 272-280.

ROCHA, F. S. M. et al. O uso de tecnologias digitais no processo de ensino durante a pandemia da COVID-19. Revista Interacções, v. 16, n. 55, p. 58-82, 2020.

ROSA, C. W.; PEREZ, C. A. S.; DRUM, C. Ensino de física nas séries iniciais: concepções da prática docente. Investigações em Ensino de Ciências, v. 12, n. 3, p. 357-368, 2007.

SANTOS, A. I. Recursos educacionais abertos no Brasil: o estado da arte, desafios e perspectivas para o desenvolvimento e inovação. 2 ed. São Paulo: Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – UNESCO, 2013, p. 21-23.

SOUZA, P. A.; LACERDA, F. K. D. Experiência no ensino remoto emergencial em Geociências na educação superior durante a pandemia de Covid-19. Tarrae Didática, Campinas, v. 17, p. 1-14, 2021.

TEIXEIRA, D. M. et al. O lúdico e o ensino de Geociências no Brasil: principais tendências das publicações na área de Ciências da Natureza. Terræ Didática, Campinas, v. 13, n. 3, p. 286-294, 2017.

Downloads

Publicado

21-11-2023

Como Citar

ALVES, Johny Barrêto; CARDOZO, Emanuélle Soares; MASSAIA, Nadriel Diovane Essy; SILVA, Geysi Custódio da; PINTO, Viter Magalhães. POPULARIZAÇÃO GEOCIENTÍFICA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DE MÉTRICAS DO CANAL DO GEOS-UFPEL NO YOUTUBE. Geoconexões, [S. l.], v. 2, n. 16, p. 64–75, 2023. DOI: 10.15628/geoconexes.2023.15728. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/geoconexoes/article/view/15728. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

NÚMERO ESPECIAL: Educação Popular e suas interfaces com a ressignificação do ensino e da aprendizagem