NOTAS SOBRE O PROGRAMA ESCREVA SEU FUTURO

Autores

  • Fabiola Santos de Luna Chagas Costa Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ)
  • Vinícius de Luna Chagas Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) https://orcid.org/0000-0002-8573-231X

DOI:

https://doi.org/10.15628/geoconexes.2023.15718

Palavras-chave:

educação de jovens e adultos, feminismo negro, currículo

Resumo

Sob inspiração dos artigos discutidos durante o curso Questões Históricas e Filosóficas da Educação, este texto tem o objetivo de analisar o processo de construção de currículos/práticas e seus efeitos na vida das mulheres na educação de jovens e adultos. Em articulação com os conceitos de interseccionalidade, feminismo negro e desigualdades raciais, buscamos ouvir as vozes dos sujeitos da EJA para compreender uma proposta curricular outra, construída na periferia da cidade do Rio de Janeiro.  Abarcar a participação social e as memórias dessas mulheres tornou-se também mais um de nossos desafios.

Biografia do Autor

Fabiola Santos de Luna Chagas Costa, Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ)

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2008). Participa desde 2020 do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas, Movimentos Sociais e Culturas (GPMC) como estudante relacionada a linha de pesquisa racismo e antirracismo: infância, juventude, gênero e classe; e do Grupo de Estudos em Alfabetização na EJA (UERJ). Pós-graduanda em Educação de Jovens e Adultos pelo Instituto Federal do Rio de Janeiro (2021).

Vinícius de Luna Chagas Costa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Professor Assistente do Colégio de Aplicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (CAp-UERJ). Professor de Geografia na rede privada da cidade do Rio de Janeiro. Doutorando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense - Linha de Pesquisa: Linguagem, Cultura e Processos Formativos (2020). Mestre em Educação pelo PPGEduc - Programa de Pós- Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares da UFRRJ, da linha III Educação e Diversidades Étnico- Raciais (2020). Especialista em Filosofia pela Universidade Gama Filho (2010). Pedagogo pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2006). Geógrafo pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2017). Participa do Grupo de Pesquisa e Estudos em Geografia da Infância - GRUPEGI (CNPq/UFF-UFJF) e Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas, Movimentos Sociais e Culturas - GPMC (UFRRJ, UERJ, IFRJ). Coordenador do Projeto de Extensão Cartografias nas infâncias e registro do espaço geográfico nos Anos Iniciais pela UERJ.

Referências

ALMEIDA, S. L. Racismo estrutural. São Paulo: Editora Jandaíra, 2021.

BARRETO, L. Triste fim de Policarpo Quaresma. 5. ed. São Paulo: FTD, 1998.

BRASIL. IBGE. Censo demográfico 2010: características da população e dos domicílios - resultados do universo, 2011.

CASTRO-GOMES, S. Ciencias sociales, violência epistêmica y el problema de la invencion del otro. In: LANDER, Edgardo. (org.) La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias Sociales - perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

COLLINS, P. H. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 99-127, 2016.

CRENSHAW, K. W. A intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. In: UNIFEM. Cruzamento: raça e gênero. Brasília: Unifem, 2004. p. 7-16.

FREIRE, P. Política e educação: ensaios. São Paulo: Cortez, 2001.

GONZALES, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, São Paulo, p. 223-244, 1984.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. Conceptualizing gender: the eurocentric foundations of feminist concepts and the challenge of african epistemologies. In: ARNFRED, S. et al. (org.). African gender scholarship: concepts, methodologies and paradigms. Dakar: CODESRIA, 2004, p. 1-8.

PAULA, A. S. N.; PEREIRA, A. M. S.; COSTA, F. J. F. A priorização do currículo nas políticas educacionais: a totalidade como expressão do campo em disputa do currículo. Revista Ideação, Feira de Santana/BA, v. 1, n. 42, p. 612-628, 2020.

QUIJANO. A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias Sociales - perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 118-142.

RIBEIRO, D. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 1985.

Downloads

Publicado

21-11-2023

Como Citar

COSTA, Fabiola Santos de Luna Chagas; COSTA, Vinícius de Luna Chagas. NOTAS SOBRE O PROGRAMA ESCREVA SEU FUTURO. Geoconexões, [S. l.], v. 2, n. 16, p. 31–46, 2023. DOI: 10.15628/geoconexes.2023.15718. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/geoconexoes/article/view/15718. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

NÚMERO ESPECIAL: Educação Popular e suas interfaces com a ressignificação do ensino e da aprendizagem