A APLICABILIDADE DO MODELO DE GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: O CASO UNP

Breno Ricardo Rêgo Granjeiro, Lúcia de Fátima Lúcio Gomes da Costa

Resumo


Nos últimos anos, com as mudanças ocorridas nas estruturas organizacionais, pode-se perceber que a área de Tecnologia da Informação passou a ser um dos componentes importantes nas empresas, e o uso da Governança de Tecnologia da Informação tem ganhado destaque, pois ela possibilita maior competitividade e alinhamento das iniciativas de TI com a estratégia do negócio. A Governança de Tecnologia da Informação se trata de um conjunto de processos para avaliar e direcionar o uso da TI para dar suporte à organização e monitorar seu uso para realizar planos. Este trabalho apresenta um estudo de caso de caráter descritivo e exploratório que teve o objetivo de analisar como o modelo de governança de TI se aplica a instituição Universidade Potiguar (UnP), localizada no município de Natal, no Rio Grande do Norte, bem como entender e explicar os aspectos que o norteiam, desde a origem da governança corporativa, como também a visão geral do modelo, definindo as suas caraterísticas e também compreender o uso de tal mecanismo com relação em gerar vantagem competitiva para a instituição. Para isso, foram analisados esses aspectos através de uma entrevista semiestruturada, respondendo a pergunta problema. Pode-se concluir que a área de TI serve de apoio à estrutura educacional da instituição, pois ela está diretamente ligada com metas e estratégia da Instituição, e se subdivide em cinco setores principais: Operações de TI; Security Office, Escritório de Projetos, Desenvolvimento de Sistemas e de Controles Internos de TI. A implantação do modelo na instituição ocorreu alinhada com o uso dos modelos de melhores práticas para aplicação da governança sendo eles: Control Objectives for Information and related Technology (COBIT); Information Technology Infrastructure Library (ITIL); Project Management Body of Knowledge (PMBOK), ISO2700 e Scrum, e o uso desse modelo garante integridade, disponibilidade, confiabilidade e confidencialidade dos serviços, informações e sistemas. Outro fato que se pode concluir que em relação ao uso do modelo de governança para obter vantagem competitiva, observou-se que é preciso garantir que a GTI exista efetivamente na organização e que esteja nos requisitos de compliance, o que garante uma melhor colocação no mercado, além de garantir que os recursos estão sendo utilizados da maneira correta.

Palavras-chave


Governança corporativa, Tecnologia da informação, Governança de tecnologia da informação, Vantagem competitiva.

Texto completo:

PDF

Referências


ALYRIO, R.D. Metodologia Científica. PPGEN: UFRRJ, Rio de Janeiro, 2008.

ALBERTIN, Alberto Luiz. Comércio eletrônico: modelo, aspectos e contribuições de sua aplicação. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

ALBERTIN, Alberto Luiz. Valor estratégico dos projetos de tecnologia da informação. Revista de Administração de Empresa. São Paulo, v.41, n.3, 2001.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. 1. ed. São Paulo: Edições 70. 2011.

CACIATO, Luciano Eduardo. Métricas e metodologias do gerenciamento de TI. 2004. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2015.

FERNANDES, Aguinaldo Aragon; ABREU, Vladimir Ferraz de. Implantando a Governança de TI: Da Estratégia à Gestão dos Processos e Serviços. 1. ed. Rio de Janeiro: Braspot, 2006.

FERNANDES, Aguinaldo Aragon; ABREU, Vladimir Ferraz de. Implantando a Governança de TI: Da Estratégia à Gestão dos Processos e Serviços. 2. ed. Rio de Janeiro: Braspot, 2008.

FERNANDES, Aguinaldo Aragon; ABREU, Vladimir Ferraz de. Implantando a Governança de TI: Da Estratégia à Gestão dos Processos e Serviços. 4. ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2014.

GAMA, Fernanda de Assis. Governança de Tecnologia da Informação: Um estudo em empresas brasileiras. Vitória. 2006.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. 4ª edição, São Paulo: IBGC, 2009.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Origens da Governança Corporativa. 2009. Disponível em: . Acesso em: 16 Jan. 2015.

KAPLAN, R. S, NORTON, D. P., Alinhamento: Utilizando O Balanced Scorecard para criar estratégias corporativas. São Paulo: Elsevier Editora Ltda., 2006.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Maria de Andrade. Metodologia Científica. 4ͣ ed. São Paulo: Atlas, 2004.

MELO, D. R. A. A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura. In: V CONGRESSO VIRTUAL BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO, 2008. Disponível em: Acesso em: 11 mar. 2015.

NEWELL, F. Fidelidade.com. São Paulo: Makron Books, 2000.

OLIVEIRA, R. V. A Lei Sarbanes-Oxley como nova motivação para mapeamento de processos nas organizações. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 26, 2006, Fortaleza.

PORTER, Michael. Estratégia competitiva: técnicas para análise das indústrias e da concorrência. 7. ed. , Rio de Janeiro: Campus, 1991.

PORTER, Michael. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. 15. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

SILVA, S. M. K da; FLEURY, M.T.L. Aspectos culturais do uso de tecnologia de informação em pesquisa acadêmica. In: XXIII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO, 23, 1999, Foz do Iguaçu.

STEINBERG, Herbert. A dimensão humana da governança corporativa: pessoas criam as melhores e as piores práticas. São Paulo: Gente, 2003.

TEIXEIRA, F; PONTE, V. M. R., Alinhamento Estratégico: Estudo Comparativo das Percepções dos Executivos de Negócios e de TI, XXVIII – Encontro da ANPAD. Anais. Curitiba, 2004.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

WEILL, P. O Segredo da Boa Governança. 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2015.

Universidade Potiguar. Institucional. Disponível em: www.unp.br/institucional/. Acesso em: 15 jun. 2015.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.




DOI: https://doi.org/10.15628/empiricabr.2016.4413



Locations of visitors to this page