A GESTÃO DO CONHECIMENTO E A INOVAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UM RESTAURANTE DA CIDADE DE NATAL/RN

Célia Regina Lima Buarque de Souza, Miler Franco Danjour, Bruno Campelo Medeiros, Miguel Eduardo Moreno Añez

Resumo


O presente estudo tem como objetivo geral identificar os elos de relação da gestão do conhecimento para a inovação em um restaurante de pequeno porte na cidade de Natal/RN. O estudo caracteriza-se como do tipo descritivo conduzido por meio de um estudo de caso único de natureza qualitativa. Os dados foram coletados por meio de uma entrevista semiestruturada em profundidade, desenvolvida com base no modelo de Oliveira et al (2013), e tratados através da técnica se análise de conteúdo. Os resultados apontam que a criação, o desenvolvimento e o compartilhamento de conhecimentos entre os colaboradores são incentivados informalmente, o que tem proporcionado resultados no quesito inovação, e um diferencial em relação aos demais restaurantes do segmento. No entanto, a organização tem desenvolvido seu processo de inovação sem uma sistematização dos conhecimentos adquiridos, os quais não são armazenados, demonstrando assim que não há uma cultura na empresa voltada para a gestão do conhecimento. Por fim, é importante que a organização atente para a necessidade de gerar vantagem competitiva por meio do uso de mecanismos formais de gerenciamento do conhecimento, e assim, ser capaz de transformar o seu capital intelectual em ativo intangível.

Palavras-chave


Gestão do conhecimento. Inovação. Estudo de caso.

Texto completo:

PDF

Referências


BACHMANN, D. L.; DESTEFANI, J. H. Metodologia para estimar o grau de inovação nas MPE. Curitiba, 2008. Disponível em: Acesso em: 30 jun. 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.

BARNEY, Jay. Firm Resources and Sustained Competitive Advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, 99-120, 1991.

BARROSO, Antonio Carlos de Oliveira; GOMES, Elisabeth Braz Pereira. Tentando entender a gestão do conhecimento. Revista de Administração Pública, v. 33, n. 2, p. 147-170, 2013.

BITENCOURT, Claudia; OLIVEIRA, Talita. Path dependence and path creation in volunteer partners, a non-governmental organization. Administração Contemporânea, v. 18, n. 3, jun. 2014

DAVENPORT, Thomas H. Conhecimento empresarial. São Paulo: Campus, 1998.

DINIZ, P. A. Metodologia científica. Belo Horizonte: FEAD, 2006.

FLICK, Uwe. Pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2009.

FNQ. Modelo de Excelência de Gestão. Disponível. em: . Acessado em out. 2014.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HESSEN, Johannes. Teoria do Conhecimento. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

IBGE. Principais Estatísticas do Mercado Doméstico: Setor de Serviços. Disponível em: http://www.desenvolvimento.gov.br/sitio/interna/interna.php?area=4&menu=4460. Acessado em out 2014.

INNOSCIENCE. Pesquisa Evolução da Gestão da Inovação nas Empresas Brasileiras. Disponível em: http://www.innoscience.com.br/?pg=PublicacoesPesquisas. Acessado em out 2014.

ISSUU. Anuário Brasileiro da Alimentação Fora do Lar 2013. Disponível em: http://issuu.com/aforadolar/docs/anu__rio_da_alimenta____o_fora_do_l. Acessado em 29 out 2014.

JOHANNESSEN, Jon-Arild; OLSEN Bjorn; OLAISEN, Johan. Aspects of innovation theory based on knowledge-management. International Journal of Information Management, n.19, p.124, 1999.

LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Mariana Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5 ed. São Paulo: Atlas 2003.

LASTRES, Helena M. M. Sarita Albagli. Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

MORGAN, Gareth. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas 1996.

OLIVEIRA, Paulo Henrique de. et al. Um estudo sobre gestão do conhecimento e inovação em uma empresa multinacional do setor de fast-food: o caso da Subway. Perspectivas em Ciência da Informação, v.18, n.1, p. 86-105, jan/mar. 2013.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO ECONÔMICA E DESENVOLVIMENTO (OCDE). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Brasília: FINEP, 2006.

PEREZ, Gilberto et al. Adoção de inovações tecnológicas na área de saúde: um estudo sobre sistemas de informação sob a ótica da teoria de difusão. Journal of Information Systems and Technology Management, v. 7, n. 1, p. 71-94, 2010.

ROSSETTI, A. G. et al. A organização baseada no conhecimento: novas estruturas, estratégias e redes de relacionamento. Ciência da Informação, v. 37, n. 1, p. 61-72, 2008.

SCHUMPETER, Joseph Alois. Teoria do desenvolvimento econômico. Fundo de Cultura, 1961.

SEBRAE. Inovação aberta: Conceitos e casos. Disponível em http://www.uc.sebrae.com.br/video/inovacao-aberta-conceitos-e-casos. Acessado em out 2014.

SENGE, Peter. The fifth discipline. New York, Doubleday, 1990.

SEBRAE. Programa ALI ajuda a implantar práticas inovadoras gratuitamente no seu negócio. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/Programas/

Agentes-Locais-de-Inova%C3%A7%C3%A3o:-receba-o-Sebrae-na-sua-empresa. Acessado em out 2014.

SEBRAE. Guia para a inovação: Instrumento de orientação de ações para melhoria das dimensões da Inovação. Disponível em . Acessado em out 2014.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Trad. Daniel Grassi. - 3. ed. -Porto Alegre: Bookman, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.15628/empiricabr.2015.3443



Locations of visitors to this page