UTILIZAÇÃO DAS CATEGORIAS LITERÁRIAS DE LUKÁCS NA PRÁXIS DO PROFESSOR DE LITERATURA

Autores

  • KARLA RAPHAELLA COSTA PEREIRA UECE
  • FREDERICO JORGE FERREIRA COSTA UECE

DOI:

https://doi.org/10.15628/dialektike.2016.5553

Resumo

Este artigo apresenta resultados de pesquisa de mestrado em Educação na área de formação de professores. Objetiva relacionar algumas categorias elencadas por György Lukács em artigos de crítica e teoria literária com a práxis do professor de literatura na escola pública brasileira. As categorias estudadas foram figuração, narração [centralidade da ação], fisionomia intelectual, autonomia, perspectiva, tipicidade e genericidade. A metodologia desenvolvida se compôs de duas partes fundamentais: pesquisa bibliográfica da obra de Lukács para elencar as características e categorias que esboçassem uma compreensão revolucionária da arte; em seguida, realizou-se um estudo documental das Orientações Curriculares Nacionais da área de Linguagens, códigos e suas tecnologias do capítulo sobre a literatura, centrando-se na captação dos fundamentos filosóficos e estéticos para a prática do professor de literatura. O estudo permitiu compreender que as diretrizes para o ensino de literatura tomam uma concepção de arte e de trabalho que se alinham aos interesses da sociedade capitalista. A pesquisa bibliográfica indicou que é possível construir elementos didáticos úteis ao ensino de arte e literatura para auxiliar na autoconsciência de si que a arte procura estabelecer no mundo dos homens.

Biografia do Autor

KARLA RAPHAELLA COSTA PEREIRA, UECE

Mestra em Educação pela UECE

FREDERICO JORGE FERREIRA COSTA, UECE

Professor e Doutor em Educação pela UECE

Referências

ABENDROTH, Wolfgang; HOLZ, Hans Heinz; KOFLER, Leo. Conversando com Lukács. Rio de Janeiro, Ed. Paz e Terra, 1ª ed., 1969.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC, 2006. 239 p. (Orientações curriculares para o ensino médio; volume 1).

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Brasília: MEC, 2000.

BRASIL. República Federativa do Brasil. Lei nº 9.394: Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. República Federativa do Brasil. Parecer CNE/CEB nº 15/1998. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. 1998.

LUKÁCS, Georg. Estetica 1 - La peculiaridad de lo estetico. Traducción de Manuel Sacristán. V. 2 Barcelona: Ediciones Grijaldo, 1982.

______. Marxismo e teoria da literatura. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

______. Materialiales sobre el realismo. Traducción de Manuel Sacristán. Barcelona: Ediciones Grijalbo, 1977.

LUKÁCS, György. Arte e sociedade: escritos estéticos 1932-1967. Organização e tradução de Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2011.

______. Ensaios sôbre literatura. Tradução de Leandro Konder. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira S.A., 1965. 235 p.

______. Escritos de Moscú: estudios sobre política y literatura. Buenos Aires: Gorla, 2011. Tradução de Miguel Vedda y Martín Koval.

______. Introdução a uma Estética Marxista: Sôbre a Particularidade como Categoria da Estética. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

______. Problemas del realismo. Traducción de Carlos Gerhard. México D.F: Fondo de Cultura Economica, 1966.

SAVIANI, Demerval. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: FERRETI, Celso João (Org.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Petrópolis: Vozes, 1994.

TONET, Ivo. Educação, cidadania e emancipação humana. 2. ed. Maceió: EDUFAL, 2013.

Downloads

Publicado

2016-06-13

Edição

Seção

Artigos