UTILIZAÇÃO DAS CATEGORIAS LITERÁRIAS DE LUKÁCS NA PRÁXIS DO PROFESSOR DE LITERATURA

KARLA RAPHAELLA COSTA PEREIRA, FREDERICO JORGE FERREIRA COSTA

Resumo


Este artigo apresenta resultados de pesquisa de mestrado em Educação na área de formação de professores. Objetiva relacionar algumas categorias elencadas por György Lukács em artigos de crítica e teoria literária com a práxis do professor de literatura na escola pública brasileira. As categorias estudadas foram figuração, narração [centralidade da ação], fisionomia intelectual, autonomia, perspectiva, tipicidade e genericidade. A metodologia desenvolvida se compôs de duas partes fundamentais: pesquisa bibliográfica da obra de Lukács para elencar as características e categorias que esboçassem uma compreensão revolucionária da arte; em seguida, realizou-se um estudo documental das Orientações Curriculares Nacionais da área de Linguagens, códigos e suas tecnologias do capítulo sobre a literatura, centrando-se na captação dos fundamentos filosóficos e estéticos para a prática do professor de literatura. O estudo permitiu compreender que as diretrizes para o ensino de literatura tomam uma concepção de arte e de trabalho que se alinham aos interesses da sociedade capitalista. A pesquisa bibliográfica indicou que é possível construir elementos didáticos úteis ao ensino de arte e literatura para auxiliar na autoconsciência de si que a arte procura estabelecer no mundo dos homens.


Texto completo:

PDF

Referências


ABENDROTH, Wolfgang; HOLZ, Hans Heinz; KOFLER, Leo. Conversando com Lukács. Rio de Janeiro, Ed. Paz e Terra, 1ª ed., 1969.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC, 2006. 239 p. (Orientações curriculares para o ensino médio; volume 1).

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Brasília: MEC, 2000.

BRASIL. República Federativa do Brasil. Lei nº 9.394: Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. República Federativa do Brasil. Parecer CNE/CEB nº 15/1998. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. 1998.

LUKÁCS, Georg. Estetica 1 - La peculiaridad de lo estetico. Traducción de Manuel Sacristán. V. 2 Barcelona: Ediciones Grijaldo, 1982.

______. Marxismo e teoria da literatura. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

______. Materialiales sobre el realismo. Traducción de Manuel Sacristán. Barcelona: Ediciones Grijalbo, 1977.

LUKÁCS, György. Arte e sociedade: escritos estéticos 1932-1967. Organização e tradução de Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2011.

______. Ensaios sôbre literatura. Tradução de Leandro Konder. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira S.A., 1965. 235 p.

______. Escritos de Moscú: estudios sobre política y literatura. Buenos Aires: Gorla, 2011. Tradução de Miguel Vedda y Martín Koval.

______. Introdução a uma Estética Marxista: Sôbre a Particularidade como Categoria da Estética. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

______. Problemas del realismo. Traducción de Carlos Gerhard. México D.F: Fondo de Cultura Economica, 1966.

SAVIANI, Demerval. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: FERRETI, Celso João (Org.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Petrópolis: Vozes, 1994.

TONET, Ivo. Educação, cidadania e emancipação humana. 2. ed. Maceió: EDUFAL, 2013.




DOI: https://doi.org/10.15628/dialektike.2016.5553

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';



Direitos autorais 2017 Dialektiké