FUNDAMENTOS CULTURAIS E METAFÍSICOS DO HUMANISMO

Autores

  • Luiz Roberto Santos IFRN

DOI:

https://doi.org/10.15628/dialektike.2015.3720

Palavras-chave:

Humanismo, antropotécnica, mito, mídias convergentes.

Resumo

O trabalho aqui apresentado pretende mostrar a importância dos fatores basilares para a gênese do humanismo. Nesse sentido, fez-se necessário observar todo o influxo acerca do humanismo histórico, desde as suas fundamentações na paideia grega. O objetivo proposto foi inicialmente mostrar aquilo que foi considerado um erro por Heidegger, quando da definição do homem enquanto zõon lógon ékhon, acusando diretamente Aristóteles por tal consideração. Desta feita, o labor foi dividido em três partes principais, de forma que em um primeiro momento o escopo foi mostrar a pertinência da pergunta pelos fundamentos culturais e metafísicos do humanismo, dando o devido apreço às forças humanizadoras pré-aristotélicas. Assim sendo, tentando empreender uma análise antropológico-histórica da paideia, sem a qual incorrer-se-ia em uma perda de sentido dos conteúdos. Diante disso, em um segundo momento foi objetivado expor os arrazoados acerca dos fundamentos mitológicos da paideia homérica, onde se tentou fazer uma exposição dos motivos pré-filosóficos e, sobretudo, miméticos que fundamentaram a formação do homem grego. Destarte, na última parte do trabalho foram apontadas as diferenças e convergências possíveis entre a linguagem oral e a escrita, haja vista que aquela primeira foi a base dos mitos responsáveis pela paideia. Os apontamentos de Havelock (1996) e Vernant (1999), junto às perspectivas de Sloterdijk, relativas à compreensão da relevância das antropotécnicas (2000) e das mídias convergentes (2010) na consubstanciação do que se entende por humanismo foram fundamentais no desenvolvimento do texto aqui exposto.

Biografia do Autor

Luiz Roberto Santos, IFRN

PROFESSOR DE FILOSOFIA DO CAMPUS NATAL - ZONA NORTE - IFRN

Referências

ARISTÓTELES. Metafísica: edición trilingüe por Valentin García Yebra. 2. ed. Madrid: Editorial Gredos, 1998

CHOZA, J. Historia cultural del humanismo. Sevilla/Madrid: Thémata, 2009.

COLLI, G. O nascimento da filosofia. Tradução de Federico Caroti. 3. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1996.

HAVELOCK, E. Prefácio a Platão. Tradução de Enid Abreu Dobránzsky. Campinas: Papirus, 1996.

HEIDEGGER, M. Sobre o humanismo. Introdução, tradução e notas Emmanuel Carneiro Leão. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

JAEGER, W. Paidéia: a formação do homem grego. Tradução de Artur M. Parreira. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

PLATÃO. A República. Introdução, tradução e notas Maria Helena da Rocha Pereira. 8. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996.

______. Diálogos II: Gorgias, Menéxeno, Eutidemo, Menón y Crátilo. Introducciones, traducciones y notas J. Calonge Ruiz, E. Acosta Méndes, F.J. Oliveri y J.L. Calvo. Madrid: Editorial Gredos, 2000.

REALE, G. História da filosofia antiga. vol. V. Tradução de Henrique C. de Lima Vaz e Marcelo Perine. São Paulo: Loyola, 1995.

SLOTERDIJK, P. Actio in distans: sobre las formas de producción telerracional del mundo. In: ARANZUEQUE, G. (ed.). Ontología de la distancia. Madrid: Abada Editores, 2010, p. 141-167.

______. Regras para o parque humano: uma resposta à carta de Heidegger sobre o humanismo. Tradução de José Oscar de Almeida Marques. São Paulo: Estação Liberdade, 2000.

______. La domesticación del ser. In: ______.Sin salvación: tras las hollas de Heidegger. Tradução Joaquín Chamorro Mielke. Madrid: Akal, 2011, p.93-152.

______. Esferas I: burbujas, microesferología. Madrid: Siruela, 2009.

______. Sin salvación: tras las huellas de Heidegger. Traducción de Joaquín Chamorro Mielke. Madrid: Akal, 2011a.

VERNANT, J-P. Mito e sociedade na Grécia antiga. Tradução de Myriam Campello. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.

Publicado

2016-01-13

Edição

Seção

Artigos