O Acesso à Educação Profissional e Tecnológica: da meritocracia à democratização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2019.7852

Palavras-chave:

Educação Profissional e Tecnológica, Acesso, Meritocracia, Democratização, Rede Federal de Educação Científica, Profissional e Tecnológica

Resumo

O objetivo desse estudo é fazer uma análise do acesso à Educação Profissional e Tecnológica (EPT), considerando a ampliação de vagas nesse segmento, a histórica seletividade dos processos de ingresso e a necessidade de democratizar o acesso ao ensino público. Pretende-se, a partir de uma pesquisa exploratória, caracterizada pela abordagem qualitativa, problematizar o critério da meritocracia, considerando a perspectiva da democratização do ensino e os condicionantes históricos que envolvem a EPT. Esta análise aponta para a necessidade de encarar o acesso além dos sistemas de ingresso, de modo que a democratização do ensino público não fique apenas na ampliação de vagas, mas se efetive na ocupação das mesmas, considerando também a permanência e a qualidade do ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tiago Felipe Ambrosini, Instituto Federal do Rio Grande do Sul

Especialista em Educação Profissional e Tecnológica integrada à Educação Básica na modalidade de Educação de Jovens e Adultos, Técnico em Assuntos Educacionais do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Mestrando do Programa de Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) no IFRS – campus Porto Alegre.

Clarice Monteiro Escott, Instituto Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação, Professora do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) e do Programa de Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) do IFRS – campus Porto Alegre. 

Referências

Aguiar, L. F. V. & Pacheco, E. M. (2017). Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia como Política Pública. In: Anjos, M. B. & Rôsas, G. (Orgs.) As políticas públicas e o papel social dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Natal: IFRN, 188p. Recuperado em 2 de agosto de 2018: https://memoria.ifrn.edu.br/bitstream/handle/1044/1510/SE%CC%81RIE%20REFLEXO%CC%83ES%20NA%20EDUCAC%CC%A7A%CC%83O.pdf?sequence=1&isAllowed=y

ANUÁRIO BRASILEIRO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (2016). São Paulo: Moderna, 151p. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/educacao/anuario_educacao_basica_brasil_2016.pdf

Araujo, R. M. L. & Rodrigues, D. S. (2010). Referências sobre práticas formativas em educação profissional: o velho travestido de novo frente ao efetivamente novo. Boletim Técnico do Senac. Rio de Janeiro, v. 36, n.2, 51-63. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://www.bts.senac.br/index.php/bts/article/view/218/201

Araújo, J. J. C. N. & Mourão, A. R. B. (2015). A Hibridização Institucional da Rede Federal de Educação Técnica e Tecnológica do Brasil. Revista Portuguesa de Investigação Educacional, vol. 15, 139-157. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://www.fep.porto.ucp.pt/sites/default/files/files/FEP/RPIE/RPIE1507_AHibridizacaoInstitucionalRedeFederal.pdf

Barros, A. S. X. (2014). Vestibular e Enem: um debate contemporâneo. Ensaio: avaliação políticas públicas educação. Rio de Janeiro, v.22, n. 85, 1057-1090. Recuperado em 2 de agosto de 2018: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v22n85/v22n85a09.pdf

BRASIL (1988). Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

BRASIL (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/L9394.htm

BRASIL (1998). Ministério da Educação e do Desporto. Portaria Ministerial N.º 438, de 28 de maio de 1998. Institui o Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM. Brasília, DF, 1º jun. 1998.

BRASIL (2008). Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, instituiu a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, criando os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFET). Recuperado em 10 de abril de 2018: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm

BRASIL (2012). Lei nº 12.711 de 29 de agosto 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm

BRASIL (2016). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Expansão da Rede Federal. Brasília-DF, 2016. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://institutofederal.mec.gov.br/expansao-da-rede-federal

Coutinho, E. H. L. & Melo, F. L. B. (2011). Inovações socioeducacionais e os processos seletivos dos cursos técnicos da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Educação & Tecnologia, 15(3), 22-35. Recuperado em 10 de abril de 2018: https://periodicos.cefetmg.br/index.php/revista-et/article/viewFile/278/279

Dubet, F. (2004). O que é uma escola justa? Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 123, 539-555,. Tradução: Édi Gonçalves de Oliveira e Sérgio Cataldi. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://www.scielo.br/pdf/cp/v34n123/a02v34123.pdf

Ferretti, C. J. (2017). Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia: desafios e perspectivas. In: Anjos, M. B. & Rôsas, G. (Orgs.) As políticas públicas e o papel social dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Natal: IFRN, 2017, 188p. Recuperado em 10 de abril de 2018: https://memoria.ifrn.edu.br/bitstream/handle/1044/1510/SE%CC%81RIE%20REFLEXO%CC%83ES%20NA%20EDUCAC%CC%A7A%CC%83O.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Frigotto, G. (2010). A relação da educação profissional e tecnológica (EPT) com a universalização da educação básica. In:

Moll, J. Educação Profissional e Tecnológica no Brasil Contemporâneo: desafios, tensões e possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2010, 312p.

Kuenzer, A. Z. (2011). Ensino Médio e Educação Profissional na produção flexível, a dualidade invertida. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 5, n. 8, 43-55. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/46/43

Kuenzer, A. Z. (2010). As políticas de Educação Profissional: uma reflexão necessária. In: Moll, J. Educação Profissional e Tecnológica no Brasil Contemporâneo: desafios, tensões e possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2010, 312p.

Moura, D. H. (2007). Educação Básica e Educação Profissional e Tecnológica: Dualidade Histórica e Perspectivas de Integração. Holos, Ano 23, Vol. 2, 04-30. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/viewFile/11/110

Santos, B. S. (1999). A construção multicultura da igualdade e da diferença. Oficina do CES, nº 135, janeiro de 1999, 61p. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://www.ces.uc.pt/publicacoes/oficina/135/135.pdf

Silva, M. G. M. & Veloso, T. C. M. A. (2013a). Democratização do ingresso na educação superior: liames com a teoria marxista. Linhas Críticas, Brasília, DF, v.19, n.39, 409-428. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/7595/7055

Silva, M. G. M. & Veloso, T. C. M. A. (2013b). Acesso nas políticas da educação superior: dimensões e indicadores em questão. Avaliação: Campinas; Sorocaba, SP, v. 18, n. 3, 727-747.Recuperado em 10 de abril de 2018: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-40772013000300011&lng=pt&nrm=iso

Sobrinho, J. D. (2010). Democratização, qualidade e crise da educação Superior: faces da exclusão e limites da inclusão. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, 1223-1245. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010173302010000400010

Souza, F. C. S. & Silva, S. H. S. C. (2016). INSTITUTOS FEDERAIS: expansão, perspectivas e desafios. RECEI Revista Ensino Interdisciplinar, v. 2, nº. 05, UERN, Mossoró, RN, 16-26. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://periodicos.uern.br/index.php/RECEI/article/view/1949

Veloso, T. C. M. A. & Luz, J. N.N. (2013). Os Mecanismos de Seleção e o Discurso da Democratização do Acesso na Perspectiva das Políticas Educacionais. Revista Temas em Educação, João Pessoa, v.22, n.1, 44-59. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://periodicos.ufpb.br/index.php/rteo/article/viewFile/17779/10144

Veloso, T. C. M. A. & Maciel, C. E. (2015). Acesso e permanência na educação supe¬rior – análise da legislação e indicadores educacionais. Revista Educação em Questão, Natal, v. 51, n. 37, 224-250. Recuperado em 10 de abril de 2018: https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/download/7178/5304

Wandroski, S. F. & Colen, F. R. C. (2014). As ações afirmativas para ingresso de estudantes no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia. O Social em Questão - Ano XVII - nº 32, 165-182. Recuperado em 10 de abril de 2018: http://osocialemquestao.ser.puc-rio.br/media/OSQ_32_8_Wandrosky_Colen_WEB.pdf

Downloads

Publicado

2019-03-03

Como Citar

AMBROSINI, T. F.; ESCOTT, C. M. O Acesso à Educação Profissional e Tecnológica: da meritocracia à democratização. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 16, p. e7852, 2019. DOI: 10.15628/rbept.2019.7852. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/7852. Acesso em: 21 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS