ACLIMATIZAÇÃO DE GENÓTIPOS DE PALMA FORRAGEIRA Opuntia stricta (Haw.) E Nopalea cochenillifera (L.) Salm-Dyck RESISTENTES A COCHONILHA-DO-CARMIM (Dactylopius opuntiae) /ACLIMATIZATION OF CACTUS PEAR GENOTYPES Opuntia ficus-indica (L.) Mill RESISTANT TO CARMINE COCHINEAL (Dactylopius opuntiae)

Maria de Fátima Batista Dutra, Magdi Hamed Ibrahim Aloufa, Natoniel Franklin de Melo, José Ivan Pereira Leite

Resumo


A irregularidade das chuvas limita a produção natural de alimentos para os animais no semiárido Nordestino, lança-se mão da palma forrageira como recurso alimentar estratégico, pois esta cactácea possui aspectos fisiológicos essenciais, viabilizando a economia e o cultivo por longos períodos de estiagem. O objetivo deste trabalho foi testar como diferentes tipos de substrato influenciam o crescimento das palmas orelha de elefante e miúda resistentes à cochonilha-do-carmim durante o processo de aclimatização. Fragmentos de cladódios das duas variedades de palma, miúda e orelha de elefante, foram cultivados em meio de cultura Murashige e Skoog (1962), contendo reguladores de crescimento, em seguida os frascos foram abertos, as mudas lavadas em água corrente e submetidas à aclimatização em estufa com sistema de nebulização programada e temperatura constante de 30°C no qual foram testados quatro tipos de substrato: areia barrada, substrato orgânico comercial, areia barrada acrescida de esterco bovino e areia barrada acrescida de cama de frango. Após 120 dias de acompanhamento, o teste de análise de variância (ANOVA), evidenciou diferença estatística com relação ao diâmetro longitudinal e transversal das plântulas, os dados foram coletados aos 30, 60, 90 e 120 dias, ao final do período observou-se que o tratamento com cama de frango seguida do esterco de gado estimularam os cladódios jovens propiciando maior diâmetro longitudinal e transversal tanto para a variedade de palma miúda quanto para a variedade orelha de elefante.


 


Palavras-chave


Aclimatização;Meio ambiente;Biotecnologia

Texto completo:

PDF

Referências


Aita, C., Balem, A., Pujol, S. B., Schirmann, J., Gonzatto, R., Giacomini, D. A., Vargas, P. V. & Giacomini, S. J. (2013). Redução na velocidade da nitrificação no solo após aplicação de cama de aviário com dicianodiamida. Ciência Rural, 43(8), 1387-1392. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0103-84782013005000102.

Almeida, A. A., Silva, R. A., Araújo, W. L., Oliveira, A. V. B. & Leite, D. T. (2011). Problemas fitossanitários causados pela Cochonilha-do-Carmim a palma forrageira no Cariri Ocidental Paraibano. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 6(3), 98-108. Recuperado de https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/view/743/671.

Araújo, J. S., Pereira, D. D., Lira, E. C., Félix, E. S., Souza, J. T. A. & Lima, W. B. (2019). Palma forrageira: plantio e manejo. Campina Grande/PB: INSA. Recuperado de https://portal.insa.gov.br/images/acervo-livros/Cultivo%20palma_final%20gr%C3%A1fica.pdf.

Bárbara, E. P.; Silva, A. A.; Souza, M. M.; Gurgel, Z. E.; Marchi, M. N. & Bellintani, M. C. (2015). Germinação e Criopreservação de Sementes de Cactos Nativos da Bahia. Gaia Scientia, 9(2), 91-96. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/index.php/gaia/article/view/24315/13336.

Becker, J. L (2015). Estatística Básica: transformando dados em informação. Porto Alegre: Editora Bookman.

Borba, M. A. P.; Silva, D. S. & Andrade, A. P (2008). A palma no Nordeste e seu uso na alimentação animal. Anais do Congresso Nordestino de Produção Animal, Simpósio Nordestino de Alimentação de Ruminantes, Simpósio Sergipano de Produção Animal, Aracaju, Brasil, 5, 11, 1. Recuperado de http://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/894675.

Cândido Filho, A., Pereira, F. C. & Lima, A. K. V. O. (2014). Base alimentar humana com o uso da palma forrageira: o estudo de arte. Anais do Simpósio de Reforma Agrária e Questões Rurais, Recife, Brasil, 6. Recuperado de https://www.uniara.com.br/legado/nupedor/nupedor_2014/Arquivos/03/6_Amy%20Lima.pdf.

Casella, G. & Berger, R. L. (2010). Inferência Estatística. São Paulo: Cengage Learning.

Charman, D. J. (2002). Peatlands and Environmental Change. New York: J. Wiley.

Coelho, Paulo J. A., Fuck Júnior, Sérgio C. F. & Nascimento, Evaldo (2015). Coleta e conservação ex situ de cactáceas nativas do estado do Ceará. Gaia Scientia, 9(2) 183-192. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/index.php/gaia/article/view/27227/14548.

Correa, J. C. & Miele, M. (2011). A cama de aves e os aspectos agronômicos, ambientais e econômicos. In Palhares, J. C. P. & Kunz, A. Manejo ambiental na avicultura. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves. (Embrapa Suínos e Aves. Documentos, 149). Recuperado de https://www.embrapa.br/suinos-e-aves/busca-de-publicacoes/-/publicacao/920818/a-cama-de-aves-e-os-aspectos-agronomicos-ambientais-e-economicos.

Díaz, M. S. S., Rosa, A. P. B., Héliès-Toussaint, C., Guéraud, F. & Nègre-Salvayre, A. (2017). Opuntia spp.: Characterization and Benefits in Chronic Diseases. Oxidative Medicine and Cellular Longevity. 1-17. Recuperado de doi:10.1155/2017/8634249.

Faria, R. T., Assis, A. M. & Carvalho, J. F. R. P. (2010). Cultivo de orquídeas. Londrina: Mecenas.

Gonçalves, A. C.R (1993). Aclimatização de plântulas. ABCTP Notícias, Brasília/DF, (20), 8.

Guerra, M. P., Torres, A. C. & Teixeira, J. B. (1999). Embriogenese somática e sementes sintéticas. In Torres, A. C., Caldas, L. S. & Buso, J. A. Cultura de tecidos e transformações genética de plantas (v.2). Brasília: Embrapa-CNPH.

Kämpf, A. N. (2000). Produção comercial de plantas ornamentais. Guaíba: Agropecuária.

Kämpf, A. N. (2001). Análise física de substratos para plantas (Boletim Informativo, v. 26). Viçosa: SBCS.

Malavolta, E. (1980). Elementos de nutrição mineral das plantas. São Paulo: Agronômica Ceres.

Murashige, T. & Skoog, F. (1962). A revised medium for rapid growth and bioassays with tobacco tissue culture. Physiologia Plantarum. 15, 473–497.

Neves, A. L. A., Pereira, L. G. R., Santos, R. D., Voltolini, T. V., Araújo, G. G. L. de, Moraes, S. A. de, Aragão, A. S. L. & Costa, C. T. F. (2010). Plantio e uso da palma forrageira na alimentação de bovinos no semiárido brasileiro (Embrapa Gado de Leite. Comunicado Técnico, 62). Juiz de Fora: Embrapa Gado de Leite. Recuperado de http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/42960/1/Salete-Meta-2011.pdf.

Rocha, H. S (2009). Biofábricas: estrutura física e organização. In Junghans, T. G. & Souza, A. da S. Aspectos práticos da micropropagação de plantas. Brasília/DF: Embrapa.

Silva, F. S. C. & Silva, S. P. C. (1997). O substrato na cultura das orquídeas, sua importância, seu envelhecimento. Revista Oficial do Orquidário, 11 (1), 3-10.

Silva, F. S. C. (2000). Haverá algum substrato que substitua o xaxim? Boletim CAOB, Rio de Janeiro, 1(44), 68-76.

Silva, M. M. A. & Ferreira, L. T. (2016). Cultivo in vitro de plantas e suas aplicações em cactáceas. Campina Grande: Instituto Nacional do Semi Árido.

Silva, M. M. A. (2017). Micropropagação da palma forrageira variedade Miúda em meio de cultura simplificado. Tecnologia & Ciência Agropecuária, 11 (2), 25-29. Recuperado de https://revistatca.pb.gov.br/edicoes/volume-11-2017/v-11-n-2-junho-2017/tca11205.pdf.

Silva, M. S., Costa, F. B., Formiga, A. S., Nóbrega, J. S., Brasil, Y. L., Lira, R. P., Silva, J. L., Silva, K. G., Sales, G. N. B., Pereira, U. S., Nascimento, A. M.(2018). Qualitative assessment of early palm cladodes of Opuntia tuna L. (Mill) grown with organic manures. Journal of Experimental Agriculture International, 26 (6), 1-14. Recuperado de https://www.journaljeai.com/index.php/JEAI/article/view/27419/51445.

Souza, A. S. & Junghans, T. G. (2006). Introdução à micropropagação de plantas. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical.

Souza, F. M., Pereira, W. E., Dantas, J. S., Nóbrega, J. S., Lima, E. C. S. & Sá, F. V. S. (2018). Initial growth of Moringa oleifera Lam. as a function of poultry litter doses and granulometry. Pesquisa Agropecuária Tropical, 48(4), 399-406. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1983-40632018v4852447.

Souza, L. M., Silva, M. M. A. & Araújo, J. S. (2015). Aclimatização de mudas de palma forrageira: como fazer?. Campina Grande: INSA. Recuperado de https://portal.insa.gov.br/acervo-cartilhas/202-aclimatizacao-de-mudas-de-palma-forrageira-como-fazer.

Souza, M. (2003). Muito além do xaxim. Natureza, São Paulo, 182(2), 32-37.

Spangemberg, G. (2001). Progress in biotechnology offorage species: transgenies and genomics in molecular breeding of forage plants. Anais do Encontro Latinoamericano de Biotecnologia Vegetal, Goiânia, Brasil, 4.

Vieira, A. H., Azevedo, M. S. F. R., Rodrigues, V. G. S. & Rossi, L. M. B. (1998). Efeito de diferentes substratos para producao de mudas de freijo-louro Cordia alliodora (Ruiz & Pav.) Oken (Boletim de Pesquisa, v. 25). Porto Velho: Embrapa Rondônia. Recuperado de https://www.embrapa.br/rondonia/busca-de-publicacoes/-/publicacao/700019/efeito-de-diferentes-substratos-para-producao-de-mudas-de-freijo-louro-cordia-alliodora-ruiz--pav-oken.

Villalobos, V. M. A. (2001). Aplicação do cultivo de tecidos para a micropropagação de Opuntia SP. In Agroecologia, cultivo e usos da palma forrageira (Estudos da FAO em Produção e Proteção Vegetal, 132). João Pessoa/PB: SEBRAE/PB.

Xavier, A., Wendling, I. & Silva, R. L. (2009). Silvicultura clonal: princípios e técnicas. Viçosa: Editora UFV.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2020.10689



 

HOLOS IN THE WORLD