A reflexão enquanto atividade lúdica no Ensino de Filosofia: um relato de experiência a partir de A Náusea de Sartre

Maurilio Gadelha Aires

Resumo


Entender a reflexão enquanto um exercício lúdico é compreender que o pensamento pode voltar-se para ele mesmo com o intuito de jogar com as suas próprias possibilidades. A reflexão filosófica pode ser vista sob a perspectiva do lúdico uma vez que o pensamento está cheio de um jogo de ideias que suscita uma superação constante, um ir além, um querer ver até aonde pode levar. O homem vai fazendo experiências com o próprio modo de pensar. O esforço em experienciar outras formas de pensar vai abrindo novas perspectivas naquele que se exercita ludicamente através do imenso campo do imaginário. Sendo a literatura um campo fértil ao exercício da imaginação, pois, este é um aspecto do literário em si mesmo, pode-se dizer que o exercício da imaginação dá uma dimensão especial ao texto lido, principalmente quando o aluno é instigado nesse processo a manifestar espontaneamente o produto da sua atividade imaginativa. Trata-se, então, de um relato de experiência a partir de uma intervenção feita no IFRN, com a Filosofia para alunos do Ensino Médio, utilizando a mediação da literatura sartriana. A literatura existencialista, enquanto gênero literário, na qual Sartre obteve grande destaque, teve o mérito de fazer com que o seu leitor pudesse pensar acerca dos problemas e angústias do cotidiano, bem como, tacitamente, o colocava diante de decisões éticas sobre as quais somente um indivíduo livre poderia se posicionar. Dentro dessa perspectiva, pensa-se que a leitura e o diálogo travado em torno do romance de Sartre, A Náusea, conseguiu estimular o imaginário dos alunos com um discurso compatível com a ideia de se veicularem conhecimentos filosóficos sem, contudo, banalizá-los.


Palavras-chave


Ensino de Filosofia, educação lúdica, literatura e Filosofia.

Texto completo:

PDF

Referências


BETTO, Frei. Indeterminação e complementaridade. 4. ed. In: CASTRO, Gustavo de. Ensaios de complexidade. Porto alegre: Sulina, 2006.

BOFF, Leonardo. Identidade e complexidade. 4. ed. In: CASTRO, Gustavo de. Ensaios de complexidade. Porto alegre: Sulina, 2006.

HORN, Geraldo Balduino. Ensinar filosofia: pressupostos teóricos e metodológicos. Ijuí: Editora Unijuí, 2009. (Coleção filosofia e ensino).

HUIZINGA, Johan. Homo ludens. Tradução de João Paulo Monteiro. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1999.

JAUSS, Hans Robert; et. al. A leitura e o leitor: textos de estética da recepção. Coordenação e tradução de Luiz Costa Lima. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. São Paulo: Ática, 1986.

NUNES, Benedito. O dorso do tigre. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

RUSS, Jacqueline. Pensamento ético contemporâneo. 2. ed. Constança Marcondes Cesar. São Paulo: Paulus, 1999. (coleção filosofia em questão).

SARTRE, Jean-Paul. A náusea. Tradução de Rita Braga. 1. ed. especial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006. (40 anos, 40 livros).

SMITH, Frank. Compreendendo a leitura: uma análise psicolinguística da leitura e do aprender a ler. 3. ed. Tradução de Daise Batista. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

STIERLE, Karlheinz. Que significa a recepção dos textos ficcionais? In: JAUSS, Hans Robert; et. al. A leitura e o leitor: textos de estética da recepção. Coordenação e tradução de Luiz Costa Lima. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.




DOI: https://doi.org/10.15628/dialektike.2017.6437

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';



Direitos autorais 2018 Dialektiké