MOVIMENTO E METAMORFOSE ERÓTICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A KATÁBASIS EM ALCESTE E A ASCESE NO BANQUETE

Rummenigge Santos da Silva

Resumo


O artigo se propõe a uma análise do movimento erótico de katábasis e ascensão na Alceste de Eurípides e no Banquete platônico, tomando por referência a personagem homônima do drama euripidiano e a sacerdotisa do encômio platônico. Primeiramente, na introdução, deverão ser expostos alguns conceitos pertinentes ao tema abordado. Estes conceitos são os de katábasis, metamórphosis, mýesis e teleté (para os sentidos de iniciação nos mistérios e cerimônias), e theoría. O objetivo deste primeiro momento consiste em melhor conduzir o leitor, através dos conceitos, para uma compreensão mais aprofundada da problemática erótica nas duas obras supracitadas. Doravante, deverá ser apresentado o mito que antecede ao drama de Eurípides, qual seja, o do castigo de Zeus a Asclépio, filho de Apolo. Com base nesta narrativa prévia da tragédia em si, deveremos estabelecer as necessárias correlações com o drama de Alceste. No último tópico será feita uma análise do banquete enquanto uma cerimônia cívica e religiosa, abordando alguns comentadores antigos e contemporâneos, para só então analisarmos o movimento erótico no Banquete de Platão, a partir, primeiramente, da heroína euripidiana e depois da sacerdotisa de Mantineia, relacionando essa ascese com o conceito de mýesis amorosa.

Palavras-chave


Alceste; Ascese; Banquete; Katábasis; Metamorfose.

Texto completo:

PDF

Referências


PEREIRA, Isidro. “Dicionário grego-português e português-grego”. Rio Grande do Sul: Livraria Apostolado da Imprensa.

FARIA, Ernesto. “Dicionário escolar latino-português”. Rio de Janeiro: Campanha Nacional de Material de Ensino, 1967.

EURÍPIDES. “Alceste, Andrómaca, Íon, As bacantes”. Lisboa; São Paulo: Verbo, 1973.

__________. “Bacas”. São Paulo: Editora HUCITEC, 1995.

PLATÃO. “O banquete”. Belém: Ed. UFPA, 2011.

SERRA, Ordep. “Hinos órficos: perfumes”. São Paulo: Odysseus, 2015.

BERNABÉ, Alberto. “Platão e o orfismo: diálogos entre religião e filosofia”. São Paulo: Annablume Clássica, 2011.

SOUSA, Eudoro. “Mitologia 1: mistério e surgimento do mundo”. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1988.

MACEDO, Dion Davi. “Do elogio à verdade: um estudo sobre a noção de Eros como intermediário no Banquete de Platão”. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

HOMERO. “Ilíada” vol. I. São Paulo: Arx, 2003.

COLLI, Giorgio. “A sabedoria Grega I”. São Paulo: Paulus, 2012.

HERÓDOTO. “Historias” libros I-IV. Madrid: Ediciones Akal, 2012.

SISSA, Giulia; DETIENNE, Marcel. “Os deuses gregos”. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

FLANDRIN, Jean-Louis; MONTANARI, Massimo. “História da alimentação”. São Paulo: Estação Liberdade, 1998.

APOLODORO. “Biblioteca”. Madrid: Editorial Gredos, 1985.

CALÍMACO. “Himnos, Epigramas y Fragmentos”. Madrid: Editorial Gredo, 1980.

HIGINIO. “Fábulas”. Madrid: Editorial Gredos, 2009.

NIGHTINGALE, Andrea Wilson. “Spectacles of truth in classical greek philosophy: theoria in its cultural context”. Cambridge University Press, 2009.

SOUSA, Jovelina Maria Ramos. “Alcibíades e a rima entre amor e dor” in: Argumentos. Fortaleza, 2014.

CRISTÓBAL, Jiménez San. “Rituales órficos”. 2002. 740 f. Tese (doutorado em Filología) – Departamento de Filología Griega y Lingüística Indoeuropea, Universidad Complutense de Madrid, Madrid, 2002.




DOI: https://doi.org/10.15628/dialektike.2017.5728

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo