Orientações para a docência na Educação Infantil e a constituição do conceito de espaço

Carmen Isabel Pieper, Gomercindo Ghiggi, Priscila Monteiro Chaves

Resumo


A pesquisa objetivou responder quais são as estratégias de orientação aos professores e quais são as ações propostas pelos responsáveis para qualificar o ensino de geografia na Educação Infantil, no âmbito da 5ª CRE, que acarretam ganhos para a constituição do conceito de espaço pelas crianças. Por meio de análise documental e entrevista semiestruturada, foram analisados os referenciais curriculares, identificadas estratégias de incentivo das Secretarias; observada a fundamentação do RCNEI e identificada a atuação dos professores. Amparando-se mormente em Barbosa e Horn, Almeida e Piaget, concluiu-se que, quando o conceito de espaço é trabalhado, isso ocorre em caráter espontaneísta, desprovido de claros objetivos e sem entendê-lo enquanto saber estratégico.

Palavras-chave


Educação Infantil; Conceito de espaço; Ciência geográfica; Atuação docente; Espontaneísmo

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, P. N. (1995) Educação Lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo: Loyola.

ALMEIDA, R. D.; JULIASZ P. C. S. (2014) Espaço e tempo na Educação Infantil. São Paulo: Contexto.

BARBOSA, M. C. S.; HORN, M. G. S. (2008) Projetos Pedagógicos na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed.

BARBOSA, M. C. S.; RICHTER, S. R. S. (2015) Campo de Experiência: uma possibilidade para interrogar o currículo. In: FINCO, D; BARBOSA, M. C. S.; FARIA, A. L. G. (Orgs.). Campos de experiências na escola da infância: contribuições italianas para inventar um currículo de educação infantil brasileiro. Campinas-SP: Edições Leitura Crítica. pp. 185-198.

FLORES, M. L.; PERONI, V. M. V. (2018) Políticas públicas para a educação infantil no Brasil: desafios à consolidação do direito no contexto emergente da nova filantropia. In: Roteiro. V.03, nº1, p. p. 133-154, jan./abr.

BARDIN, L. (2000) Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BRASIL. (1998) Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a educação infantil – Brasília: MEC/SEF.

_____. (2008) Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros nacionais de qualidade para a Educação Infantil. Brasília.

_____. (2010) Diretrizes curriculares nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC.

CASTELLAR, S. M. V. (2000) Alfabetização em Geografia. Espaços da escola. Ijuí, v.10, nº37, p.29-46, julho/setembro.

FREIRE, P. (2009) Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 1ed. São Paulo: Olho d'Água.

FREIRE, P. (2005) Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

GHIGGI, G. et al (2017) A obsolescência do aspecto político da profissão docente e o tema gerador. In: Educação Unisinos. V. 21, n. 3, setembro/dezembro.

HORN, M. G. S. (2004) Sabores, cores, sons, aromas: a organização dos espaços na educação infantil. Porto Alegre: Artmed.

KRAMER, S. (2006) As crianças de 0 a 6 anos nas políticas educacionais no Brasil: educação infantil e/é fundamental. Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 96 - Especial, p. 797-818, out.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. (1986) Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

MINAYO, M. C. S. (2000). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 15. ed. Petrópolis: Editora Vozes.

PIAGET, J.; INHELDER, B. (1993). A representação do espaço na criança. Porto Alegre: Artes Médicas.

PIAGET, J. (1973) A noção de tempo na criança. Rio de Janeiro: Record.

PIAGET, J. (1971) A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. Rio de Janeiro: Zahar.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. H.; LUCIO, P. B. (2006) Metodologia de pesquisa. 3ªedição. São Paulo: McGraw-Hill.

SEVERINO, A. J. (2006) Formação, perfil e identidade dos profissionais da educação: a propósito das Diretrizes Curriculares do Curso de Pedagogia. In: BARBOSA, R. L. L. (Org.). Formação de professores. Artes e técnicas. Ciências e Políticas. São Paulo, Editora da UNESP.






 

HOLOS IN THE WORLD