ESTUDO DA RELAÇÃO HOMEM-NATUREZA NA OBRA DE LUIZ GONZAGA: UMA CONTRIBUIÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Rute Carolina da Cunha Benigno, Leão Xavier da Costa Neto, Magnus Kelly Moura da Cunha

Resumo


A educação ambiental tradicional não tem sido eficaz quanto à transformação das relações do homem com a natureza na direção do equilíbrio ecológico. O objetivo deste trabalho foi conhecer os significados de elementos de natureza presentes na música de Luiz Gonzaga, a fim de compreender a relação homem-natureza vivenciada pelo sertanejo do Nordeste. Para tal, foram selecionadas 10 músicas da obra de Luiz Gonzaga, as quais foram analisadas através da teoria/análise dialógica do discurso segundo Bakhtin, considerando a situação extraverbal de cada enunciação. Assim, foi revelado que a obra de Luiz Gonzaga possui elementos da natureza com relevantes significados que contribuem para a construção de uma relação mais estreita do homem nordestino com a natureza. Por isso, nos propomos a apresentar, como alternativa ao ensino tradicional, o uso da música como recurso metodológico, por ser essa expressão artística um grande veículo de significados, isto é, uma linguagem capaz de mobilizar as subjetividades dos alunos, facilitando, assim, a interiorização dos significados pertinentes.


Palavras-chave


Educação Ambiental; Luiz Gonzaga; Etnomusicologia; Bakhtin

Texto completo:

PDF

Referências


Bakhtin, M. (2006). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec.

Berger, P. L., Luckmann, T. (2007). A construção social da realidade. Petrópolis: Editora Vozes.

Brait, B. (2014). Bakhtin: Conceitos-chave. 5a ed. São Paulo: Contexto.

______. (2006). Bakhtin: Outros conceitos-chave. 2a ed. São Paulo: Contexto.

Dreyfus, D. (2012). Vida do Viajante: a saga de Luiz Gonzaga. 3a ed. São Paulo: Editora 34.

Freire, P. (2005). Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 31a ed. São Paulo: Paz e Terra S/A.

Galvão, I. (2007). Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. 16a ed. Petrópolis: Editora Vozes.

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade. 11a ed. Rio de Janeiro: Dp&a.

Lane, S. T. M. (org.). (1994). Psicologia Social: o homem em movimento. 13a ed. São Paulo: Brasiliense.

Lima, G. F. C. (2004). Educação, emancipação e sustentabilidade: em defesa de uma pedagogia libertadora para a educação ambiental. Brasília: MMA.

Machado, G. B. (2013). História da Educação Ambiental no Brasil e no Mundo: Breve história da Educação Ambiental global. Disponível em: . Acesso em: 09 jun. 2017.

Morin, E. (2011). Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2a ed. São Paulo: Unesco/Cortez Editora.

Moscovici, S. (2005). Representações sociais: investigações em psicologia social. 3a Ed. Petrópolis: Vozes.

Pereira Neto, A. (2012). Gonzaga e "a triste partida" de Patativa do Assaré. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2017.

Sato, M. (2001, maio). Debatendo os desafios da educação ambiental. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient., Rio Grande, p.14-33.

Spink, M. J. (org.). (2004). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: Aproximações teóricas e metodológicas. 3a ed. São Paulo: Cortez.

Vanderley, P. (2017) Letras. Disponível em: . Acesso em: 09 jun. 2017.

Vigotski, L. S. (2007). A formação social da mente. 7a ed. São Paulo: Martins Fontes.

Vigotski, L. S., Luria, A. R., Leontiev, A. N. (2006). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 10a ed. São Paulo: Ícone.

Wallon, H. (2007). A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.6487



 

HOLOS IN THE WORLD