RECUPERAÇÃO DE COBRE A PARTIR DE RESÍDUOS GERADOS NAS AULAS PRÁTICAS DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO

Jackson de Sousa Queiroga, Bruno Castro Barbalho

Resumo


A atualização sobre métodos alternativos de ensino é importante para desenvolver aulas com responsabilidade ambiental e aprendizagens mais concretas da ciência, visando não apenas alcançar uma pontuação mínima exigida pela escola, mas que os conteúdos possam ser compreendidos pelos alunos de maneira concreta e construtiva. Com isso, o presente trabalho buscou contextualizar, o tratamento de resíduos contendo cobre, produzidos em laboratório, com o ensino do conteúdo de reações químicas e soluções. Inicialmente, foi obtido o resíduo proveniente das aulas práticas de preparo e diluição de soluções e, em seguida, o resíduo foi submetido a um método para recuperação de cobre durante a abordagem sobre reações químicas, promovendo uma conjuntura de renovação. As aulas foram realizadas no laboratório de físico-química do IFRN – Campus Pau dos Ferros, com alunos do 2º ano do ensino médio, da Escola Estadual José Fernandes de Melo de Pau dos Ferros-RN. No experimento de recuperação do cobre, o resíduo possuía uma concentração inicial de cobre de 24.969 mg/L que reduziu para 107 mg/L após o tratamento, alcançando uma recuperação de 99,5% do cobre existente no resíduo líquido. As aulas práticas foram analisadas de forma qualitativa, e os resultados mostraram que o uso da metodologia experimental pode ser uma ferramenta importante para o processo de produção do conhecimento e para o aprendizado com mais significado para os alunos.


Palavras-chave


Ensino Experimental; Educação Ambiental; Ensino de Química; Recuperação de cobre

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu D. G., Costa, C. R., Assis, M. D. & Iamamoto, Y. (2006). Uma Proposta para o Ensino da Química Analítica Qualitativa. Quimica Nova, Ribeirão Preto - SP, volume 29, número 6, pp. 1381-1386.

Azevedo, M.C.P.S. (2004). Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In: Carvalho, A. M. P., Azevedo, M. C. P. S., Nascimento, V. B., Cappechi, M. C. M., Vannutcchi, A. I., Castro, R. S., Pietrocola, M., Vianna, D. M. & Araújo, R. S.. Ensino de Ciências: unindo pesquisa e prática: (19-33). São Paulo: Thompson.

Bento, W. A. S. e Paim, A. P. S. (2015). Tratamento dos resíduos de cobre, prata, chumbo, cromo e permanganato de potássio gerados em laboratório de ensino de Química da UFPE. Ambiência, Guarapuava (PR), volume 11, número 1, pp. 237 – 246.

Brasil (1999). Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Mé¬dio. Brasília: MEC; SEMTEC.

Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA (2011). Resolução nº 430, de 13 de Maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução no 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Ministério do Meio Ambiente, Brasília, número 92, pp. 89.

Druzzian, E. T. V. & Santos, R. C. (2006). Sistema de Gerenciamento Ambiental (SGA): Buscando uma Resposta para os Resíduos de Laboratórios das Instituições de Ensino Médio e Profissionalizante. Revista Liberato, Rio Grande do Sul, v. 7, n. 7.

Feltre, R. (2008). Química geral. São Paulo: Moderna.

Franco, C. C., Castro, M. M. & Walter, M. E. (2015). Estudo das cascas de banana das variedades prata, caturra e maçã na biossorção de metais pesados gerados pelos efluentes dos laboratórios do Centro Universitário de Belo Horizonte. E-xacta. Belo Horizonte, volume 8, número 1, pp. 99-115.

Giani, K. (2010). A experimentação no Ensino de Ciências: possibilidades e limites na busca de uma Aprendizagem Significativa. (190 f. Dissertação de Mestrado em Ciências). Universidade de Brasília, Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação, Instituto de Ciências Biológicas, Instituto de Física, Instituto de Química, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Brasília, DF.

Jardim, W. F. (1998). Gerenciamento de resíduos químicos em laboratório de ensino e pesquisa. Química Nova, São Paulo – SP, volume 21, número 5, pp. 671-673.

Lima, O. G. J. (2012). Perspectivas de novas metodologias no Ensino de Química. Revista espaço acadêmico, número 136.

Lima, V. F. & Merçon, F. (2011). Metais Pesados no Ensino de Química. Química nova na escola, São Paulo – SP, volume 33, número 4.

Machado, A. H. & Mortimer, E. F. (2007). Química para o Ensino Médio: Fundamentos, pressupostos e o fazer cotidiano. In: Zanon, L. B. & Maldaner, O. A. (Org.). Fundamentos e Pressupostos de Ensino de Química para a Educação Básica no Brasil (pp. 21-41). Ijuí: Unijuí.

Mortimer, E.F. (1996). Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos?. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre - RS, volume 1, número 1, pp. 20-39.

Peruzzo, F. M. (2006). Química na abordagem do cotidiano. São Paulo: Moderna.

Reis, M. (2013). Química 2: Ensino Médio. São Paulo: Ática.

Rua, E. R. & Souza, P. S. A. (2010). Educação Ambiental em uma Abordagem Interdisciplinar e Contextualizada por meio das Disciplinas Química e Estudos Regionais. Química nova na escola, São Paulo – SP, volume 32, número 2, pp. 95-100.

Sari, R., Sotiles, A. R., Silva, L. D., Loss, E. M. S. & Ferri, A. V. (2015). Determinação da pureza de sulfato de cobre recuperado das aulas práticas de química, Synergismus Scyentfica UTFPR, Pato Branco, volume 10, número 1, pp. 37-43.

Silveira, D.T. & Córdova, F.P. (2009). A pesquisa científica. In: Gerdhardt, T. E. & Silveira, D. T. (Orgs..). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre, RS: UFGRS.

Suart, R. C. (2008). Habilidades cognitivas manifestadas por alunos do ensino médio de química em atividades experimentais investigativas. (218f. Dissertação Mestrado em ensino de Ciências) – Universidade de São Paulo. Instituto de Física, Instituto de Química, Faculdade de Educação e Instituto de Biociências, São Paulo.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.5739



 

HOLOS IN THE WORLD