ORGANIZAÇÕES DE APRENDIZAGEM: disciplinas para a gestão com pessoas no serviço público

Rosineide Silva dos Santos, Ahiram Brunni Cartaxo de Castro, Maria da Salete Barboza de Farias, Lydia Maria Pinto Brito

Resumo


O objetivo da pesquisa é analisar as atividades gerenciais desenvolvidas em uma instituição pública de educação, ciência e tecnologia à luz do modelo da Quinta Disciplina de aprendizagem organizacional proposto por Senge (2012). Trata-se de um estudo de caso de natureza descritiva, com abordagem qualitativa. Utilizou-se como aporte teórico o modelo da Quinta Disciplina. Os resultados sinalizaram que: as práticas dos gestores da instituição não estão plenamente de acordo com o modelo proposto, pois foram identificados desequilíbrios entre as cinco disciplinas, sobretudo, a quinta disciplina que apresentou o menor grau de concordância, e pode significar que, ao invés de uma visão persuasiva a organização tem uma visão tímida sobre as possibilidades de criação, aquisição, compartilhamento e transferência do conhecimento em seu interior, pois de forma consciente não consideram as partes como componentes de um todo, não encorajam que as pessoas tenham autoconfiança, que vão além das suas crenças e dos seus impulsos, não possibilitam que seus integrantes compartilhem seus objetivos e trabalhem em equipe em torno de projetos inovadores voltados para a sociedade.

Palavras-chave


Organização que Aprende; Organização pública; Gestão; A quinta disciplina; Educação, Ciência e Tecnologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Angeloni, M. T. et al. (2008). Gestão do conhecimento no Brasil: casos, experiências e práticas de empresas privadas. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Antonello, C. S., & Godoy, A. S. (2009). Uma agenda brasileira para os estudos em aprendizagem organizacional. Administração de Empresas, São Paulo, 49(3), 266-281, jul/set.

Argyris, C. (1991). Teaching smart people how to learn. Harvard Business Review, 69(3), 99-109, may-jun.

Batista, F. F. (2012). Modelo de Gestão do Conhecimento para a Administração Pública Brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Brasília: Ipea.

Bolson, S. B. (2012). Gestão do conhecimento: estudo em uma instituição de ensino superior tecnológico. Dissertação de Mestrado Profissional em Administração, Universidade Potiguar, Natal, RN, Brasil.

Boog, Gustavo G. O. (2004). Desafio da competência: Como enfrentar as dificuldades do presente e prepara-se para o futuro. [S.l]: Best Seller.

Boyatizis, R. (1982). The competent manager: A model of effective performance. New York: Wiley.

Boxenbaum, E., & Rouleau, L. (2011). New knowledge products as bricolage: metaphors and scripts in organizational theory. Academy of Managament Review, 36(2), 272-296.

Bukowitz, W. R., & Williams, R. L. (2002). Manual de Gestão do Conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. São Paulo: Bookman.

Buys Gonçalves, F. (2007). Organização de aprendizagem com ênfase na conectividade das pessoas: estudo de caso. Dissertação de Mestrado Profissional em Sistemas de Gestão, Universidade Federal Fluminense / LATEC, Niterói, RJ, Brasil.

Brito, L. M. P. (2005). Gestão de competências, gestão do conhecimento e organizações de aprendizagem: instrumentos de apropriação pelo capital do saber do trabalhador. Fortaleza: Imprensa Universitária.

Brito, L. M. P. et al. (2008). Práticas de pesquisa em gestão de pessoas 2: a tênue separação entre o público e o privado no Brasil. Fortaleza: Edições UFC.

Brito, L. M. P., Oliveira, P. W. S. de, & Castro, A. B. C. de (2012). Gestão do Conhecimento numa Instituição Pública de Assistência Técnica e Extensão Rural do Nordeste do Brasil. Revista de Administração Pública, 46 (5), 1341-1366, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Castro, A. B. C. de, Brito, L. M. P., & Varela, J. H. de S. (2014). Quem dissemina saber aprende com o conhecimento que constrói? um estudo de múltiplos casos em organizações públicas do Nordeste do Brasil. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 4(2), 126-146, jul./dez., João Pessoa, PB, Brasil.

Castro, A. B. C. de, Brito, L. M. P., Santos, R.. S. dos, & Varela, J. H. de S. (2015). O Planejamento Estratégico como ferramenta para a Gestão Escolar: um estudo de caso em uma instituição de ensino filantrópica da Bahia/BA. Holos, 31(2), 195-2011.

Castro, A. B. C. de, & Brito, L. M. P. (2016). Gestão do conhecimento: como as organizações públicas do Brasil percebem esse modelo? Gestão Industrial, 12(2), 59-72.

Corley, K. G., & Gioia, D. A. (2011). Building Theory About Theory Building: what Constitutes a Theoretical Contribution? Academy of Managament Review, 36(1), 12-32.

Costa, I., Vasconcelos, A. C. F. de, & Candido, G. A. (2009). Diagnóstico de gestão do conhecimento como mecanismo para criação de valor: um estudo exploratório no SEBRAE-PB. Revista Gestão Industrial, 5(2), 80-98.

Choo, C. W. (2003). A Organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac.

Dantas, A. C. da C., & Costa, N. M. de L. (Org.) (2012). Projeto Político-Pedagógico do IFRN: uma construção coletiva: documento-base. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Natal: IFRN Ed.

Davenport, T., & Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier.

Dihl, W., Holanda, L. M. C. de, & Francisco, A. C. de (2010). A utilização do método de diagnóstico para a gestão do conhecimento: estudo de caso numa empresa incubada (ALFA). Revista eletrônica FAFIT/FACIC, 1(1), 30-43.

Dutra, J. de S. (Org.) (2002). Gestão por competências. São Paulo: Gente.

Dutra, J. de S. (2004). Competências. São Paulo: Atlas.

Drucker, P. (1990). Aprendizagem Organizacional. São Paulo: Campus.

Felício Junior, J. (2002). Learning Organization numa instituição de ensino superior: uma proposta empreendedora. Dissertação de Mestrado Profissional em Administração, Fundação Educacional de Caratinga, MG, Brasil.

Figueiredo, S. P. (2005). Gestão do conhecimento: estratégias competitivas para a criação e mobilização do conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Fleury, A. C. M., & Fleury, M. T. L. (2012). Aprendizagem e Inovação Organizacional: As Experiências de Japão, Coréia e Brasil (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Frigotto, G. (1999). Educação e Crise do Capitalismo Real. São Paulo: Cortez.

Galvão, A. P. (2012). Gestão do Conhecimento em empresa internacional de energia. Dissertação de Mestrado Profissional em Administração, Universidade Potiguar, Natal, RN, Brasil.

Garvin, D. A., Edmondson, A. C.; & Gino, F. (2008). Is Yours a Learning Organization? Harvard Business Review, março 2008, 109-116.

Godoy, A.S. (1995). Pesquisa qualitativa – Tipos Fundamentais, Revista de Administração de Empresas, São Paulo, 35(3), mai./jun.

Gonzaga, A. (2014). Gestão do Conhecimento em Multinacional Brasileira de Energia. Dissertação de Mestrado Profissional em Administração, Universidade Potiguar, Natal, RN.

Hamel, G., & Prahalad, C. K. Competindo pelo Futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar mercados de amanhã. São Paulo: Campus.

Kauark, F, Manhaes, F. C., & Souza, C. H. M. (2010). Metodologia da Pesquisa: guia prático– Itabuna: Via Litterarum.

King, W. R. (2009). Knowledge Management and Organizational Learning. Annals of Information Systems 4. University of Pittsburgh. Recuperado em 15 outubro, 2015, de http://www.uky.edu/~gmswan3/575/KM_and_OL.pdf.

Le Boterf, G. (2003). Desenvolvendo a competência dos profissionais. Porto Alegre: Artmed Editora.

Lück, H. (2000). Gestão Escolar e a Formação de Gestores. Brasília: Ed. Azeredo.

Marques, F. (2015). Gestão de Pessoas: fundamentos e tendências. Brasília: ENAP.

Meister, J. (1999). Educação corporativa: a gestão do capital intelectual através das universidades corporativas. São Paulo: Makron Books.

Nogueira, R. A., & Odelius, C. C. (2015). Aprendizagem: evolução no contexto das teorias organizacionais. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 5(1), 3-18, jan./jun., João Pessoa, PB.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus.

McClelland, D. (1973). Testing for Competence Rather Than for Intelligence. American Psychologist, January.

Oliveira, D. de P. R. de (2004). Planejamento estratégico. São Paulo: Atlas.

Oliveira, J. A. de (2011). Gestão do Conhecimento: um estudo de caso em um hospital universitário e de ensino. Dissertação de Mestrado Profissional em Administração, Universidade Potiguar, Natal, RN, Brasil.

Perrenoud, P. et al. (2002). As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed.

Quinn, R. E. (2003). Competências gerenciais. Rio de Janeiro: Elsevier.

Rakhshr, P., & Ahmadi, E. (2011). Creativity, organizational learning, and operation. International Conference on Education and Management Technology, 2, Singapore. Procedings... Singapore: IACSIT Press.

Ramos, M. N. (2001). A Pedagogia das Competências: Autonomia ou Adaptação? São Paulo: Cortez.

Roggero, R. (2003). Qualificação e competência: um diálogo necessário entre sociologia, gestão e educação para alimentar práticas pedagógicas na formação profissional. SENAC.

Ruas, R., Antonello, C. S., & Boff, L. H. (2005). Aprendizagem Organizacional e Competências. Porto Alegre: Bookman.

Santos, I. C. (2014). Gestão do Conhecimento: um estudo comparativo entre organizações do Nordeste brasileiro. Dissertação de Mestrado Profissional em Administração. Universidade Potiguar, Natal, RN, Brasil.

Senge, P. R. (1995). A Quinta Disciplina: caderno de campo. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Senge, P. R. (2012). A quinta Disciplina: arte e prática da organização que Aprende. São Paulo: Best Seller.

Silva, R. J. A., Sicsú, A. B., & Crisóstomo, A. P. (2009). Identificação de processos de conhecimento: estudo multicaso em APL de calçados de campina grande. Gestão Industrial, 5(1), 189-215, Campus Ponta Grossa – Paraná, PR, Brasil.

Schlesinger, C. C. B., Reis, D. R. dos, Silva, H. de F. N., Carvalho, H. G. de, Sus, J. A. L. de, Ferrari, J. V., Skrobot, L. C., & Xavier, S. A. de P. (2008). Gestão do Conhecimento na Administração Pública. Instituto Municipal de Administração Pública – IMAP.

Scoot, B. B. (2011). Organizational Learning: A Literature Review. Discussion Paper #2011-02. Queens University, jan. Recuperado em 18 novembro, 2015, de http://irc.queensu.ca/sites/default/files/articles/organizational-learning-a-literature review.pdf.

Shehzad, R., & Khan, M. N. A. (2013). Integrating Knowledge Management with Business Intelligence Processes for Enhanced Organizational Learning. International Journal of Software Engineering and Its Applications, 7(2), March. Recuperado em 25 novembro, 2015, de http://www.sersc.org/journals/IJSEIA/vol7_no2_2013/7.pdf.

Skerlavaj, M., Song, J. H., & Lee, Y. (2010). Organizational learning culture, innovative culture and innovations in South Korean firms. Journal Expert Systems with Applications, 37, 6390-6403. Recurepado em 20 novembro, 2015, de http://igup.urfu.ru/docs/Bank%20English_Transleted%20Articles/English/Innovation%20Management/Organizational%20learning%20culture,%20innovative%20culture%20and%20innovations%20in%20South%20Korean%20firms.pdf.

Spiegel, M. (1985). Estatística (2a ed.). São Paulo: Mc Graw-Hill do Brasil.

Stewart, T. A. (1998). Capital Intelectual (4a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Strauhs, F. do R., Pietrovski, E. F., Santos, G. D., Carvalho, H. G. de, Pimenta, R. B., & Penteado, R. S. (2012). Gestão do Conhecimento nas Organizações. Curitiba: Aymará Educação.

Sveiby, K. E. (1998). A nova riqueza das organizações, gerenciando e avaliando patrimônios de Conhecimento. Rio de Janeiro: Campus.

Takahashi, A. R. W., & Fischer, A. L. (2009). Debates passados, presentes e futuros da aprendizagem organizacional – um estudo comparativo entre a produção acadêmica nacional e internacional. Administração Mackenzie, 10(5), São Paulo, SP, Brasil.

Tavares, W. R. (2010). Gestão do conhecimento: Educação e Sociedade do Conhecimento. São Paulo: Ícone.

Terra, J. C. C. (2000). Gestão do Conhecimento: o grande desafio empresarial uma abordagem baseada na aprendizagem e na criatividade. São Paulo: Negócio Editora.

Terra, J. C. C. (2005). Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. Rio de Janeiro: Elsevier.

Tsang, E. W. K. (1997). Organizational learning and the learning organization: a dichotomy between descriptive and prescriptive reasearch. Human Relations, 50(1), 73-89, New York.

Vasconcelos, S. R. V. (2014). Gestão do conhecimento em cooperativa médica do norte/nordeste brasileiro. Dissertação de Mestrado Profissional em Administração. Universidade Potiguar, Natal, RN, Brasil.

Vasconcelos, M. C. R. L. (2000). Cooperação Universidade/Empresa na Pós-Graduação: contribuição para a aprendizagem, a Gestão do Conhecimento e a Inovação na Indústria Mineira. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Vergara, S. C. (2007). Projetos e relatórios de pesquisa em administração (11a ed.). São Paulo: Atlas.

Wahyuningsih, A., Astuti, E. S., & Musadieq, M. A. (2013). The Effect of Organizational Learning on Knowledge Management, Capability and Performance of Organization. Journal of Basic and Applied Scientific Research. 3(5), 159-169.

Yin, R. K. (2005). Estudo de Caso: Planejamento e métodos (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Zarifian, P. (2001). Objetivo Competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.5171



 

HOLOS IN THE WORLD