AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL PARA TRABALHADORES DO CONHECIMENTO: um estudo de caso em uma instituição pública de educação, ciência e tecnologia do Nordeste do Brasil

Ahiram Brunni Cartaxo de Castro, Rinaldo Medeiros Alves de Oliveira, Ezequiel da Costa Soares Neto, Marcos Antônio de Oliveira, Arthur William Pereira da Silva, Pablo Marlon Medeiros da Silva

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi avaliar o suporte organizacional para aprendizagem e o impacto do Curso de Aperfeiçoamento em Gestão Pública na percepção dos gestores Técnico-Administrativos em Educação de uma instituição pública de educação, ciência e tecnologia do Nordeste do Brasil. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, com modo de investigação no estudo de caso e de objetivo descritiva. Para o levantamento dos dados utilizou-se de entrevista estruturada por meio do MAIS (Modelo de Avaliação Integrado e Somativo), proposto por Jairo Borges-Andrade, Gardênia Abbad e Luciana Mourão. Os dados coletados foram tratados em planilhas eletrônicas e os resultados demonstram que: quanto ao suporte organizacional, existiram condições organizacionais favoráveis e havia compromisso da organização com a aprendizagem das novas competências dos trabalhadores, bem como, houve a absorção pelos indivíduos/ grupos de trabalho sobre o quanto a organização valoriza suas contribuições de novos conhecimentos. Quanto ao impacto do treinamento, tem-se que ficou constatado que houve melhorias no desempenho individual dos servidores treinados através de uma nova forma de desempenhar antigas tarefas a partir das novas competências adquiridas.

Palavras-chave


Suporte, Impacto, Trabalhadores do conhecimento, Ciência, Tecnologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Abbad, G., Pilati, R., & Pantoja, M. J. (2003). Avaliação de treinamento: análise da literatura e agenda de pesquisa. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 38(3), 205-218.

Abranches, S. (2017). A era do imprevisto. A grande transição do século XXI. São Paulo: Companhia das Letras.

Alves, A. R., & Tamayo, Á. (1993). Sistema de avaliação do treinamento da Telebrás SAT. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 28(4), 73-80.

Bastos, A. (1994). Comprometimento no trabalho: a estrutura dos vínculos do trabalhador com a organização, a carreira e o sindicato. Universidade de Brasília. Brasília (Doctoral dissertation, Tese).

Borges-Andrade, J. E., Abbad, G. da S., & Mourão, L. (2009). Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho. Artmed Editora.

Brasil. (2006). Decreto nº 5.707/2006. Recuperado em 01 julho, 2015, de http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5707.htm.

Brito, L. M. P., Oliveira, P. W. S. de, & Castro, A. B. C. de. (2012). Gestão do conhecimento numa instituição pública de assistência técnica e extensão rural do Nordeste do Brasil. Revista de Administração Pública-RAP, 46(5). DOI: 10.1590/S0034-76122012000500008.

Brito, L. M. P. (2008). Prática de pesquisas em gestão de pessoas 2: a tênue separação entre o público e o privado no Brasil. Fortaleza: Edições UFC.

Brito, L M. P. (2005). Gestão de competências, gestão do conhecimento e organizações de aprendizagem: instrumentos de apropriação pelo capital do saber do trabalhador. Fortaleza: Imprensa Universitária.

Bukowitz, W. R., & Williams, R. L. (2002). Manual de gestão do conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. Bookman.

Castro, A. B. C. de, Brito, L. M. P., & Varela, J. D. S. (2017). A ressignificação da área de gestão de pessoas e os novos papéis das pessoas e das organizações. HOLOS, 33(4), 408-423. DOI: 10.15628/holos.2017.5168.

Cogpe. (2011). Projeto de estruturação da gestão de pessoas. Relatório de Gestão de Pessoas, Apodi, Brasil.

Drucker, P. F., & Howard, R. (2000). Aprendizado organizacional: gestão de pessoas para a inovação contínua. Rio de Janeiro: Campus.

França, A. C. L. (2008). Práticas de recursos humanos: conceitos, ferramentas e procedimentos. Revista de Administração Contemporânea, 12(2), 583-583.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas, 35(2), 57-63.

Política de capacitação. (2013). Resolução nº 20/2005-CD. Recuperado em 01 julho, 2015, de http://portal.ifrn.edu.br/servidores/politica-de-capacitacao.

Prusak, L., & Davenport, T. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier.

Lingham, T., Richley, B., & Rezania, D. (2006). An evaluation system for training programs: a case study using a four-phase approach. Career development international, 11(4), 334-351. DOI: 10.1108/13620430610672540.

Medeiros, P. C., & Levy, E. (2010). Construindo uma nova gestão pública. Natal: SEARH/RN.

Meister, J. C., & Willyerd, K. (2013). O ambiente de trabalho de 2020. Como as empresas inovadoras atraem, desenvolvem e mantém os funcionários do futuro nos dias de hoje. Rio de Janeiro: Alta Books.

Meister, J. (1999). Educação corporativa: a gestão do capital intelectual através das universidades corporativas. São Paulo: Makron Books.

Merriam, S. B. (1998). Case study research in education: A qualitative approach. Jossey-Bass.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (2004). Criação de conhecimento na empresa. Elsevier Brasil.

Roggero, R. (2018). Qualificação e competência: um diálogo necessário entre sociologia, gestão e educação para alimentar as práticas pedagógicas na formação profissional. Boletim Técnico do SENAC, 29(3), 16-29.

Senge, P. R. (2012). A quinta Disciplina: arte e prática da organização que Aprende. São Paulo: Best Seller.

Senge, P. (1999). A dança das mudanças: os desafios de manter o crescimento eo sucesso em organizações que aprendem. Campus. Rio de Janeiro: Campus.

Stewart, T. A. (1998). Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas (Vol. 2). Rio de Janeiro: Campus.

Sveiby, K. E. (2003). A nova riqueza das organizações: gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus.

Tasca, J. E., Ensslin, L., & Ensslin, S. R. (2012). A avaliação de programas de capacitação: um estudo de caso na administração pública. Revista de Administração Pública-RAP, 46(3).

Tavares, W. R. (2010). Gestão do conhecimento: Educação e Sociedade do Conhecimento. São Paulo: Ícone.

Von Krogh, G., Ichijo, K., & Nonaka, I. (2001). Facilitando a criação de conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Rio de Janeiro: Campus.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman editora.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.5170



 

HOLOS IN THE WORLD