INJEÇÃO ALTERNADA ÁGUA-GÁS CO2: INFLUÊNCIA DE CARACTERÍSTICAS DE RESERVATÓRIO E DE PARÂMETROS OPERACIONAIS

Helena Nandi Formentin, Denis José Schiozer, Rosangela Barros Zanoni Lopes Moreno

Resumo


Injeção alternada de água e gás (WAG) é proposta para melhorar a eficiência de varredura do óleo em relação à injeção contínua de gás ou água. Recentemente, a injeção WAG-CO2 ganhou notoriedade por diversas razões, entre elas a possibilidade de (1) melhorar a recuperação do óleo por proporcionar uma condição próxima a de miscibilidade ou de miscibilidade no reservatório, (2) utilizar o gás CO2 associado à produção de óleo para reinjeção, e (3) armazenar um gás de efeito estufa. O principal objetivo desde estudo é examinar a influência de características de reservatório e parâmetros operacionais no processo WAG-CO2 a fim de introduzir a dinâmica desse processo no contexto dos desafios atuais. Doze tópicos principais foram analisados: seis características do reservatório, que possuem grau de incerteza relacionado com a maturidade do reservatório; e seis parâmetros operacionais, que são controlados pelos operadores. As pesquisas recentes mostram um melhor entendimento da distribuição e do comportamento dos fluidos em reservatório como o caso do fenômeno de histerese, entretanto, dados experimentais ainda são críticos para a modelagem direta do comportamento trifásico. Dentre os parâmetros operacionais, o controle sobre a pressão e sobre a formação de escala é fator crítico para a melhora da recuperação e para a manutenção da injetividade e da produtividade dos poços. Faixas usuais de aplicação para alguns parâmetros foram levantadas. Conclui-se com uma lista das principais referências recentes estudadas sobre o tema, que podem fundar estudos mais aprofundados sobre os temas específicos.


Palavras-chave


Injeção Alternada Água – Gás CO2; Condições de Reservatório; Parâmetros Operacionais

Texto completo:

PDF

Referências


Agada, S., Geiger, S., & Doster, F. (2016). Wettability, hysteresis and fracture-matrix interaction during CO2 EOR and storage in fractured carbonate reservoirs. International Journal of Greenhouse Gas Control, vol. 46, pp. 57–75, 2016.

Awan, A. R. A., Teigland, R., & Kleppe, J. (2006). EOR Survey in the North Sea. Symposium on Improved Oil Recovery (SPE 99546).

Beygi, M. R., Delshad M., Pudugramam, V. S., Pope G. A., & Wheeler, M. F. (2013). A new approach to model hysteresis and its impact on CO2-EOR processes with mobility control strategies. SPE Western Regional & AAPG Pacific Section Meeting (SPE 165324).

Christensen, J. R., Stenby, E. H., & Skauge, A. (2001). Review of WAG field experience. SPE Reservoir Evaluation & Engineering (SPE 39883).

Conforto, E. C., Amaral, D. C., & Silva, S. L. da. (2011). Roteiro para revisão bibliográfica sistemática: aplicação no desenvolvimento de produtos e gerenciamento de projetos. 8° Congresso Brasileiro de Gestão de Desenvolvimento de Produto, vol. 1998, pp. 1–12.

Han, J., Park, H., & Sung, W. (2016). Relationship between oil recovery and CO2 storage efficiency under the influence of gravity segregation in a CO2 EOR system. Environmental Earth Sciences, vol. 75, n. 1, pp. 16.

Mello, S. F. de (2015). Caracterização de fluido e simulação composicional de injeção alternada de água e CO2 para reservatórios carbonáticos. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, Brasil.

Mobeen Fatemi, S., & Sohrabi, M. (2013). Experimental and numerical investigation of the impact of design parameters on the performance of WAG and SWAG injection in water-wet and mixed-wet systems. SPE Enhanced Oil Recovery Conference (SPE 161827).

Moradi, B., Pourafshary, P., Jalali, F., Mohammadi, M., & Emadi, M. A. (2015). Experimental study of water-based nanofluid alternating gas injection as a novel enhanced oil-recovery method in oil-wet carbonate reservoirs. Journal of Natural Gas Science and Engineering, vol. 27, pp. 64–73.

Pizarro, J. O. D. S. A., & Branco, C. C. M. (2012). Challenges in implementing an EOR project in the Pre-Salt province in deep offshore Brazil. SPE EOR Conference at Oil and Gas West Asia (SPE 155665).

Ribeiro, A. S., Mackay, E. J., & Guimarães, L. (2016). Predicting calcite scaling risk due to dissolution and re-precipitation in carbonate reservoirs during CO2 injection. SPE International Oilfield Scale Conference and Exhibition (SPE 179884).

Rogers, J., & Grigg, R. (2001). A literature analysis of the WAG injectivity abnormalities in the CO2 process. SPE Reservoir Evaluation & Engineering (SPE 59329).

Rosa, A. J., Carvalho, R. S., & Xavier, J. A. D. (2006). Engenharia de reservatórios de petróleo. Rio de Janeiro: Editora interciência: Petrobras.

Shahverdi, H., & Sohrabi, M. (2012). Three-phase relative permeability and hysteresis model for simulation of water alternating gas injection. 8th SPE Improved Oil Recovery Symposium (SPE 152218).

Silva, D., Sorbie, K. S., & Mackay, E. J. (2016). Modelling CaCO3 Scale in CO2 water alternating gas CO2-WAG processes. SPE International Oilfield Scale Conference and Exhibition (SPE 179893).

Skauge, A., & Sorbie, K. Status of fluid flow mechanisms for miscible and immiscible WAG. SPE EOR Conference at Oil and Gas West Asia (SPE 169747).

Teklu, T. W., Alameri, W., Graves, R. M., Kazemi, H., & Al-Sumaiti, A. M. (2016). Low-salinity water-alternating-CO2. Journal of Petroleum Science and Engineering, vol. 142, pp. 101–118, june 2016.

Wu, X., Ogbe, D. O., Zhu, T., & Khataniar, S. (2004). Critical design factors and evaluation of recovery performance of miscible displacement and WAG process. Canadian International Petroleum Conference (PETSOC-2004-192).




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.5131



 

HOLOS IN THE WORLD