A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO NO CAMPO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO REGIME DE ACUMULAÇÃO FLEXÍVEL

Gabriel Grabowski, Acácia Zeneida Kuenzer

Resumo


Esse texto parte do seguinte questionamento: existe um campo epistemológico próprio da educação profissional? Entendendo campo epistemológico como o estudo crítico dos princípios, das hipóteses e dos resultados das diversas ciências, destinado a determinar sua origem lógica, há que compreender a educação profissional, não como um campo em si, mas como parte do campo da ciência da educação, que se constitui por categorias de método e por categorias   de conteúdo. Para tanto, sSerão analisadas algumas das categorias de conteúdo  constituintes do campo epistemológico da educação, que assumem especificidades ao se tratar de educação profissional. A análise evidenciaou que  a flexibilização do trabalho, categoria central a definir o campo epistemológico da educação em geral e da educação profissional no regime de acumulação flexível, representa o seu esgotamento, destruindo os poucos direitos que a classe trabalhadora conquistou ao longo de suas lutas.


Palavras-chave


Produção do conhecimento, Educação profissional, Acumulação flexível.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, R. Trabalho e superfluidade. In: SAVIANI, D.; SANFELICE, J.L.; LOMBARDI,J .C. (Org.).Capitalismo, trabalho e educação. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2005. p. 35 a 44.

FRIGOTTO, G. Estruturas e sujeitos: os fundamentos da relação entre trabalho e educação. In: Saviani, D.; Sanfelice, J.L.; Lombardi, J.C. (Org.). Capitalismo, trabalho e educação. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2005. p. 61-74.

GRAMSCI, A . Maquiavel, a política e o Estado moderno. Rio de Janeiro, Civilização, 1978.

HARVEY, D. A condição pós-moderna. 7. ed. São Paulo: Loyola, 1998. 349p

JONES e WOOD. Qualificações tácitas, divisão do trabalho e novas tecnologias. Sociologia dutravail. N. 4, 1984. (tradução livre)

KUENZER, A.Z. Desafios teórico metodológicos da relação trabalho-educação e o papel social da escola. In: Gaudêncio Frigotto. (Org.). Educação e Crise do trabalho: perspectivas de final de século. 1ed.Rio de Janeiro: Vozes, 1998, v. 1, p. 55-92.

KUENZER, A. Z. A educação profissional nos anos 2000: a dimensão subordinada das políticas de inclusão. Educação e Sociedade, v. 27, p. 877-910, 2006.

KUENZER, A. Z. Da dualidade assumida à dualidade negada; o discurso da flexibilização justifica a inclusão excludente.. Educação e Sociedade, v. 28, p. 1153-1178, 2007.

KUENZER, A. Z. O Ensino Médio no Plano Nacional de Educação 2011-2020. Educação & Sociedade (Impresso), v. 112, p. 851-874, 2010.

LLORI, M. Acidentes industriais: o custo do silêncio. Rio de Janeiro: Multiação, 2001.

RIBEIRO, R., NEDER, H. Juventude(s): desocupação, pobreza e escolaridade. Nova Economia. Belo Horizonte, 19(31), p. 475-506, set/dez, 2009.

SUHR, I. R. F. Ensino médio de Educação geral: possibilidade de ampliação laboral da classe que vive do trabalho?. 2010. Tese de Doutorado em Educação - Universidade Federal do Paraná.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2016.4983



 

HOLOS IN THE WORLD