MARVINSKETCH E KAHOOT COMO FERRAMENTAS NO ENSINO DE ISOMERIA

Carlos Helaidio Chaves da Costa, Francisco Ferreira Dantas Filho, Filomena Maria Gonçalves da Silva Cordeiro Moita

Resumo


O conteúdo de isomeria na Química orgânica ainda é pouco discutido em pesquisas na área de ensino, entretanto os alunos apresentam dificuldades na aprendizagem e visualização espacial dos compostos. O presente trabalho trata-se de uma proposta de ensino utilizando as ferramentas colaborativas MarvinSketch e Kahoot buscando minimizar as dificuldades de aprendizagem e motivar os estudantes no aprendizado dos conceitos de isomeria. Foi aplicada uma proposta didática para o estudo dos isômeros, complementada por uma atividade gamificada, no total de 4 h/aula onde o público alvo foi composto por 27 alunos do 2º ano do ensino médio do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) campus Caicó. A coleta de dados foi realizada através de um questionário aplicado aos alunos para avaliação da proposta didática. Os resultados obtidos foram positivos em relação a motivação dos alunos para o uso das ferramentas e a contribuição no processo de ensino. Após a análise dos dados obtidos, concluímos que o estudo apontou para a potencialidade destas ferramentas para promover uma melhoria na aprendizagem mediada pela construção e visualização de estruturas e o envolvimento dos estudantes ao participarem de uma atividade gamificada. 


Palavras-chave


Ensino; Química; Isomeria; MarvinSketch; Kahoot

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (1997). Análise de conteúdo (5a ed.). Lisboa: Edições.

Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais Para o Ensino Médio. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002. Recuperado em 15 de abril, 2016, de http://portal.mec.gov.br.

Brasil. (1999). Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio. Brasília: MEC/SESu.

Cassettari, F. T. (2015). Estudo de caso: uso de um quiz game para revisão de conhecimentos em gerenciamento de projetos. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Fadel, L. M. et al. (org.). (2014). Gamificação na educação. São Paulo: Pimenta Cultural. Recuperado em 3 de janeiro, 2016, de https://www.academia.edu/9139616/_eBook_-_PDF_Gamifica%C3%A7%C3%A3o_na_Educa%C3%A7%C3%A3o.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa (4. ed.). São Paulo: Atlas.

Giordan, M., Gois, J. (2009) Entornos virtuales de aprendizaje en química: una revisión de la literatura. Educación Química, v. 20, n. 3, pp, 301-303. Recuperado em 15 de março, 2016, de http://www.lapeq.fe.usp.br/textos/te/tepdf/giordan_gois-educacionquimica-2009.pdf.

Karnal, L. (2014). Conversas com um jovem professor (1 ed.). São Paulo: Contexto.

Keig, P. F., Rubra, P. A. (1993). Translation of representations of the structure of matter and its relationship to reasoning, Gender, Spatial Reasoning, And Specific Prior Knowledge. Hoboken (NJ), Journal of Research in Science Teaching, 30, 883-903.

Neto, J., Simões, E., Campos, Â. F., Júnior, M., Cardoso, C. A. (2016). Abordando a isomeria em compostos orgânicos e inorgânicos: uma atividade fundamentada no uso de situações-problema na formação inicial de professores de Química. Revista investigações em ensino de ciências, vol.18, p. 328. Recuperado em 15 de março, 2016, de www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID333/v18_n2_a2013.pdf.

Neto, J., Simões, E., Campos, Â. F., Júnior, M., Cardoso, C. A. (2010). Abordando o conceito de isomeria por meio de situações-problema no ensino superior de química. XV Encontro Nacional de Ensino de Química (XV ENEQ), Brasília, DF. Recuperado em 18 de abril, 2016, de http://www.xveneq2010.unb.br/resumos/R0699-2.pdf.

Pauletti, F., Catelli, F. Tecnologias digitais: possibilidades renovadas de representação da química abstrata, Acta Scientiae, 15, 2, pp 383-396, 2013.

Schmitz, B., Klemke, R., Specht, M. (2012). Effects of mobile gaming patterns on learning outcomes: a literature review. Journal Technology Enhanced Learning, p. 9. Recuperado em 18 de abril, 2016 de https://www.researchgate.net/publication/235265707_Effects_of_mobile_gaming_patterns_on_learning_outcomes_A_literature_review.

Silva Júnior, C. A. B., Bizerra, A. M. C. (2015). Estruturas e nomenclaturas dos hidrocarbonetos: é possível aprender jogando? Revista Holos, ano 31, vol. 6, p. 147. Recuperado em 15 de março, 2016 de http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/3616/1219.

Solomons, G., Fryhle, C. (2000). Química Orgânica (7. ed.). Rio de Janeiro: Editora Livros Técnicos e Científicos – LTC.

Tardif, M. (2011). Saberes docentes e formação profissional (12. ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Wu, H.K., Shah, P. (2004). Exploring visuospatial thinking in chemistry learning. Hoboken(NJ), Science Education, 88, 3, 465-492.

Xavier, A. C. (2012). Como fazer e apresentar trabalhos científicos em eventos acadêmicos. Recife: Rêspel.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.4733



 

HOLOS IN THE WORLD