CONSTRUÇÃO DE CAIXAS ENTOMOLÓGICAS COMO FERRAMENTA AO ENSINO-APRENDIZAGEM EM CURSOS TÉCNICOS DE AGRÁRIAS

Michelle de Oliveira Guimarães-Brasil, Francisco Alexandre de Lima Sales, Eduardo Alves de Souza, Carlos Eduardo Ferreira da Cruz, Daniel de Freitas Brasil

Resumo


É normal que educandos apresentem dificuldade na assimilação do conhecimento teórico da entomologia, já que exige alto grau de abstração. As atividades de campo são métodos utilizados para a redução deste impedimento, norteando uma aprendizagem significativa e amplificando o trabalho grupal. Sendo assim, este trabalho objetivou desenvolver a prática de coleta e catalogação de insetos para a confecção de coleções entomológicas nas Escolas Estaduais de Ensino Profissionalizante dos municípios de Guaiúba e Viçosa do Ceará. Para o desenvolvimento desse trabalho, os alunos coletaram insetos nas escolas e suas periferias, os exemplares capturados eram catalogados e inseridos em caixas entomológicas. Na execução das atividades pôde-se observar um grande comprometimento e interesse dos educandos, principalmente por se tratar de uma atividade diferenciada (fora da sala de aula); também, nas diversas fases da atividade, foi observado nitidamente o intercâmbio de conhecimentos, configurando-se assim, uma aprendizagem cooperativa, constatada por observações in loco. Ao final da disciplina foi constatado que nenhum educando necessitou de processo de intervenção educacional, uma vez que a análise das avaliações escritas e não escritas apresentou uma real assimilação do conhecimento. Nesse sentido, a confecção de coleção entomológica mostrou-se um recurso significativamente eficiente no ensino da disciplina de Entomologia Agrícola e Combate a Pragas e Doenças.

Palavras-chave


Coleção Entomológica; Estratégias de Aprendizagem; Métodos de Ensino; Ensino Médio

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, F. P., Milléo, J., Lima, J. M. M., Barbola, I. F. (2014). Entomologia no ensino médio técnico agrícola: uma proposta de trabalho. Revista Eletrônica de Educação, 8(3), 251-265.

Andrade, M. L. F., Massabni, V. G. (2011). O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de ciências. Ciência e Educação, 17(4), 835-854.

Azevedo, H. J. C. C., Figueiró, R., Alves, D. R., Vieira, V., Senna, A. R. (2012). O uso de coleções zoológicas como ferramenta didática no ensino superior: um relato de caso. Revista Práxis, 4(7), 43-48.

Barbosa, R. M. N., Jofili, Z. M. S. (2004). Aprendizagem cooperativa e ensino de química: parceria que dá certo. Ciência e Educação, 10(1), 55-61.

Brasil. (2003). Profissionalização de auxiliares de enfermagem: cadernos do aluno. (2a ed.). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Costa, C., Ide, S., Rosado-Neto, G. H., Galileo, M. H. M., Fonseca, C. R. V., Valente, R. M., Monné, M. A. (2000). Diagnóstico del conocimiento de las principales coleciones brasileñas de coleóptera. In Martín-Piera, F., Morrone, J. J., Melic, A. (Coords.), Proyecto para Iberoamérica de Entomología Sistemática (p. 115-136). Zaragoza: Sociedad Entomológica Aragonesa.

Costa, M. H. A. (2010). Linguagem como interlocução e aprendizagem como cognição situada. Linguagem em Foco, 2(2), 151-167.

Chiesa, A. F. S., Modena, G., Diel, M. (2013). Coleção entomológica. In Mostra Nacional De Iniciação Científica e Tecnológica Interdisciplinar (p. 01-05). Camboriú: Instituto Federal Catarinense.

Delizoicov, D., Angotti, J. A., Pernambuco, M. M. (2011). Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Editora Cortez.

Freire, P. (1985). Educação e mudança. (9a ed.) São Paulo: Paz e Terra.

Fujihara, R. T. (2008). Chave pictórica de identificação de famílias de insetos-praga agrícolas. (Dissertação. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Botucatu).

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Giordan, M. (1999). O papel da experimentação no ensino de ciências. Química Nova na Escola, 10(10), 43-49.

Goldbach, T., Papoula, N. R. P., Sardinha, R. C., Dysarz, F. P., Capilé, B. (2009). Atividades práticas em livros didáticos atuais de biologia: investigações e reflexões. Revista Perspectivas da Ciência e Tecnologia, 1(1), 64-74.

Jurberg, C. (2005). Bibliografia de Jocélia Grazia. Entomología y Vectores, 12(1), 01-18.

Lima, J. M. M., Ayub, C. L. S., Morales, A. G., Lorencini-Júnior, A. (2012). Aproximação entre a teoria histórico-crítica e a aprendizagem significativa: uma prática pedagógica para o ensino de biologia. Aprendizagem Significativa em Revista, 2(2), 54-64.

Matos, C. H. C., Oliveira, C. R. F., Santos, P. M. F., Ferraz, C. S. (2009). Utilização de modelos didáticos no ensino de entomologia. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 9(1), 19-23.

Santos, D. C. J., Souto, L. S. (2011). Coleção entomológica como ferramenta facilitadora para a aprendizagem de ciências no ensino fundamental. Scientia Plena, 7(5), 01-08.

Silva, M. A., Barbosa, J. S., Albuquerque, H. N. (2010). Levantamento das plantas espontâneas e suas potencialidades fitoterapêuticas: um estudo no complexo Aluízio Campos, Campina Grande, PB. Revista Brasileira de Informações Científicas, 1(1), 52-66.

Seniciato, T., Cavassan, O. (2004). Aulas de campo em ambientes naturais e aprendizagem em ciências: um estudo com alunos do ensino fundamental. Ciências e Educação, 10(1), 133-147.

Zompero, A. F., Laburu, C. E. (2010). As atividades de investigação no Ensino de Ciências na perspectiva da teoria da Aprendizagem Significativa. Revista Electrónica de Investigación en Educación en Ciencias, 5(2), 12-19.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.4393



 

HOLOS IN THE WORLD