CIENTIFICAMENTE COMPROVADO (?): REFLEXÕES SOBRE CONHECIMENTO CIENTÍFICO

Ivan Fortunato

Resumo


Neste artigo, a partir de importante coluna jornalística, buscou-se refletir sobre o significado subjacente ao termo “científica comprovado”, demonstrando que a construção deste tipo de conhecimento tende à subjetividade e à visão parcial. Para embasar os argumentos aqui apresentados, contou-se com o apoio das ideias de Morin, Capra, Maturana e outros. Ao final, é esperado que esta comunicação colabore com as discussões

Palavras-chave


ciência; verdades científicas; complexidade

Texto completo:

PDF

Referências


Capra, F. (2006). A teia da vida: uma nova compreensão cientifica dos sistemas vivos. Trad. Newton Roberval Eichemberg. 10ª ed. São Paulo: Editora Cultrix.

Doxiadis, A. (2001). Tio Petros e a Conjectura de Goldbach. Trad. Cristiane Gomes de Riba. São Paulo: Editora 34.

Helfgott, H. A. (2013). Major arcs for Goldbach’s problem. Disponível em http://arxiv.org/pdf/1305.2897v1.pdf, acesso nov. 2015.

Maturana, H. (2001). Cognição, ciência e vida cotidiana. Trad. Cristina Magro e Victor Paredes. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Morin, E.; Ciurana, E. & Motta, R. (2003). Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem no erro e na incerteza humana. Trad. Sandra Trabucco Valenzuela. São Paulo: Cortez.

PIRSIG, R. M. (1984). O Zen e a arte da manutenção de motocicletas: uma investigação sobre valores. Trad. Celina Cardim Cavalcanti. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Pouzadoux, C. (2001). Contos e lendas da mitologia grega. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras.

VARELLA, D. (2015, 31 de outubro). Os suplícios da carne. Folha de São Paulo, Ilustrada, c10.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.4354



 

HOLOS IN THE WORLD