EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E CURRÍCULO INTEGRADO PARA O ENSINO MÉDIO: ELEMENTOS NECESSÁRIOS AO PROTAGONISMO JUVENIL

Marcio Adriano de Azevedo, Cybelle Dutra da Silva, Dayvyd Lavaniery Marques Medeiros

Resumo


Este trabalho compreende uma pesquisa que está sendo desenvolvida junto ao Programa de Mestrado Acadêmico do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN – Campus Natal-central que tem como objeto o Currículo Integrado e a Educação Profissional. Propomo-nos então, a realizar um estudo bibliográfico sobre Educação Profissional na perspectiva do currículo integrado, como espaço privilegiado do exercício da cidadania, e no desenvolvimento do protagonismo juvenil, um traço importante como estratégia educativa. Analisaremos o referencial bibliográfico que norteia o pensamento clássico e atual sobre os seguintes objetos de estudo: Educação Profissional, Currículo Integrado, eixos estruturantes para o Ensino Médio (Trabalho, Ciência, Tecnologia e Cultura). A pesquisa compreende numa abordagem qualitativa, pesquisa tipo bibliográfica e método descritivo. Adotaremos como procedimento metodológico: 1) estudo bibliográfico; 2) Análise documental; 3) análise de conteúdo do aporte documental estudado; 4) pesquisa on-line. O estudo aponta para a importância da educação profissional baseada na concepção de formação humana omnilateral emancipadora e do trabalho como princípio educativo. O ensino médio ancorado nesses sentidos possibilita a formação cidadã para a juventude capaz de compreender a realidade social, econômica, política, cultural, visando contribuir para o alcance dos interesses sociais e coletivos.


Palavras-chave


Eixos estruturantes do Ensino Médio; Educação Profissiona; Currículo Integrado Políticas Educacionais

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL/CNE/CEB. Resolução CNE/CEB Nº 04/99, Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico. http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/RCNE_CEB04_99.pdf Acessado em 15 de setembro de 2013.

BRASIL. Leis, Decretos. Lei n. 5.692, 11 de agosto de 1971. Documenta, Rio de Janeiro, n. 129, p. 400-416, ago. 1971. Fixa as diretrizes e bases para o ensino de 1º e 2ºgraus.

BRASIL. Projeto de Lei 1.603/96. Dispõe sobre a Educação Profissional e organização da Rede Federal de Educação Profissional.

BRASIL/CNE/CEB. Resolução CEB nº 03 de 26/06/98. Institui as DCN para o Ensino Médio.

BRASIL. Lei Federal n° 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Educação Profissional: legislação básica. 5.ed. Brasília: MEC, 2001.

______. Decreto nº 2.208/97 de 17 de abril de 1997. Regulamenta o parágrafo 2º do art. 36 e os artigos 39 a 42 da Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 de abr. 1997.

_____. Decreto n. 5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o §2º. do art.36 e os arts. 36 a 42 da lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional e dá outras providências.

_____.Lei n. 11.741, de 16 de julho de 2008. Altera dispositivos da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 26 setembro 2013

CARVALHO, Rosângela Tenório. Discursos pela interculturalidade no campo Curricular da Educação de Jovens e Adultos no Brasil nos anos 1990. Recife: UPEP/UFPE:Edições Bagaço, 2004.

CIAVATTA, M.; TREIN, E. A Transformação do Trabalho e a Formação Profissional na Sociedade da Incerteza. In: 29ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação – Anped. Caxambu, MG, 2006.

COSTA, A. C. G da; VIEIRA, M. A. Protagonismo Juvenil: adolescência, educação e participação democrática. São Paulo: FTD, 2006.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATA, Maria. Educação Básica no Brasil na Década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Educação & Sociedade, Campinas, vol.24, n.82, p.93-130, abril 2003. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br Avaliado em 09 de março de 2013

FRIGOTTO, G. CIAVATTA, M. RAMOS, M. (org). Ensino Médio Integrado: concepções e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

GIROUX, H.Pedagogia Radical: subsídios. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1983.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

GUIMARÃES, E. R. POLÍTICA PARA O ENSINO MÉDIO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL GT – 05: Estado e Política Educacional.2001. Disponível www.anped.org.br/reunioes/28/textos/gt05/GT05-1331--Int.rtf 10 de outubro de 2013

GOODSON,Ivor F. currículo:teoria e história.7ª Ed.Petropolis,RJ:Vozes,2005.

GOMES DA COSTA, Antonio Carlos. Tempo de servir: o protagonismo juvenil passo a passo; um guia para o educador. Belo Horizonte: Editora Universidade, 2001.

GIMENO SACRISTÁN J.: Aproximação ao conceito de currículo. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: ArtMed, 1998. Cap. 1, p. 13-87.

Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. PARECER CNE/CEB Nº: 5/2011. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, DF: 04 de maio de 2011.

Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. RESOLUÇÃO Nº 2, DE 30 DE JANEIRO 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, DF: 30 de janeiro de 2012.

Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB Nº 04/99, Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico. Brasília, DF: abril 1999.

MULLER, Pierre & SUREL, Yves. A Análise das Políticas Públicas. Tradução: Agemir Bavaresco, Alceu R. Ferraro. Pelotas: Educat, 2002.

PARASKEVA, João M. Currículo: necessidade ou não de uma definição. Seminário Teoria Curricular. Pelotas: FaE-UFPEL, 2005.

PINCH, T. F.; BIJKER, W. E. The social construction of facts e artifacts: or how the Sociology of Science and the Sociology of Technology might benefit each other. In: PUCCI, B. (org). Teoria crítica e educação: a questão da formação cultural na Escola de Frankfurt. Petrópolis, RJ: Vozes; São Carlos, SP: EDUFISCAR, 1997. 2ª Edição

SACRISTAN, J. Gimeno. Poderes instáveis em educação. Tradução de Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artmed, 1999

SANTOS, E. H. Metodologia para a construção de uma política de formação inicial e continuada de profissionais da educação profissional e tecnológica. Brasília: MEC, 2004.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: autêntica, 1999.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2015.3190



 

HOLOS IN THE WORLD