O ENSINO DA TRANSITIVIDADE VERBAL NO NÍVEL MÉDIO: UMA PROPOSTA CENTRADA NO USO

Sheyla Patricia Trindade da Silva Costa, Maria Angélica Furtado da Cunha

Resumo


Este artigo apresenta uma proposta de trabalho voltada para o nível médio, com o objetivo geral de promover o ensino-aprendizagem da transitividade verbal sob uma perspectiva da Linguística Centrada no Uso. Para desenvolver esta proposta, faz-se necessário o suporte teórico da Linguística Funcional Centrada no Uso – LFCU, um novo modelo teórico-metodológico, que absorve princípios, processos e categorias integrantes da linguística funcional norte-americana e da linguística cognitiva. Para a LFCU, a transitividade não implica uma dicotomia (transitivo x intransitivo), pois é um fenômeno gradiente, que diz respeito à gramática da oração como um todo e não apenas ao verbo. Quanto à metodologia, o tema será apresentado aos alunos pelo professor, em aula expositiva dialogada que utilizará exemplos extraídos de textos reais, escritos e/ou falados. Em seguida, os alunos realizarão, com a assistência do professor, a partir de texto(s) por este proposto(s), atividade individual em sala, com o intuito de identificar e analisar as orações transitivas presentes nesse(s) texto(s). Depois os alunos realizarão, a título de avaliação, uma segunda atividade, semelhante à primeira, desta vez em duplas, sem o auxílio do professor e sem consulta a qualquer material. Para fechar o estudo do tema, professor e alunos sistematizarão as descobertas feitas a partir das atividades, atentando para cada um dos objetivos específicos apresentados inicialmente.

Palavras-chave


Ensino; Transitividade Verbal; Linguística Funcional Centrada no Uso

Texto completo:

PDF

Referências


BYBEE, J. Language as a complex adaptative system: the interaction of cognition, culture and use. In: ______. Language, usage and cognition. Cambridge: CUP, 2010. p. 194-221.

CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T. C. Gramática reflexiva: texto, semântica e interação. São Paulo: Atual, 1999.

CIPRO NETO, P.; INFANTE, U. Gramática da língua portuguesa. São Paulo: Scipione, 1999.

FERRARI, L. Introdução à linguística cognitiva. São Paulo: Contexto, 2011.

FORD, C. E. et al. Social interaction and grammar. In: TOMASELLO, M. (Ed.). The new psychology of language: cognitive and functional approaches to language structure. v. 2. Mahwah, NJ/London: LEA, 2003, p. 119-143.

FURTADO DA CUNHA, M. A.; BISPO, E. B.; SILVA, J. R. Linguística funcional centrada no uso: conceitos básicos e categorias analíticas. In: CEZARIO, M. M.; FURTADO DA CUNHA, M. A. (org.) Linguística centrada no uso: uma homenagem a Mário Martelotta. Rio de Janeiro: Mauad /FAPERJ, 2013.

FURTADO DA CUNHA, M. A.; SOUZA, M. M. de. Transitividade e seus contextos de uso. São Paulo: Cortez, 2011. (Coleção Leituras introdutórias em linguagem, v. 2).

GIVÓN, T. Syntax: an introduction. v. 1 e 2. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2001.

HOPPER, P. J. Emergent grammar. In: TOMASELLO, M. (Ed.). The new psychology of language. New Jersey: Lawrence Erlbaum, 1998, p. 155-175.

HOPPER, P. J.; THOMPSON, S. A. Transitivity in grammar and discourse. Language, v. 56, p. 251-299, 1980.

HOPPER, P. J.; TRAUGOTT, E. C. Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

MARTELOTTA, M. E. Conceitos de gramática. In: ______. (Org.). Manual de linguística. São Paulo: Contexto, 2010. p. 43-70.

______. Mudança linguística: uma abordagem baseada no uso. São Paulo: Cortez, 2011.

TERRA, E. Minigramática. 3. ed. São Paulo: Scipione, 1996.

VOTRE, S. J. Um paradigma para a linguística funcional. In: MARTELOTTA, M. E.; VOTRE, S. J.; CEZARIO, M. M. (org.). Gramaticalização no português do Brasil: uma abordagem funcional. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: UFRJ, 1996.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2016.2676



 

HOLOS IN THE WORLD