EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO: UMA ABORDAGEM EDUCACIONAL

Cristiana Barcelos da Silva, Carlos Henrique Medeiro de Souza, Gerson Tavares do Carmo

Resumo


A instituição escolar tem sido apontada como o lócus de estudos e análises de fenômenos educacionais. As implicações aqui discutidas fizeram parte de uma pesquisa cujo objetivo foi compreender como os professores da Educação de Jovens e Adultos (EJA) se posicionavam frente ao desafio da utilização das novas tecnologias da informação e da comunicação na prática educacional, após a proposta de programa denominada “Nova EJA”, implementada pela Secretaria de Estado de Educação do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC). Os sete questionários foram analisados com base nos estudos do novo papel do professor de Lévy (1993, 2005) e das competências e habilidades necessárias à prática docente de Tardif (1991, 2000, 2014). Os resultados assinalaram que para além da infraestrutura necessária ao uso das tecnologias na escola, os docentes apontaram para a necessidade de construção de conhecimentos nos cursos de formação profissional inicial, sendo entendido como uma das formas de viabilizar uma atuação pedagógica que relacione positivamente educação e novas tecnologias.


Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos; Tecnologia da Informação e Comunicação; Prática Docente

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ARROYO, M. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens-adultos populares? In:Plenária do Fórum Mineiro de Educação de Jovens e Adultos, 67, 29 de junho de 2007.

BÉLANGER, P. Tendências en la política de educación de adultos. In: Educación de Adultos y desarollo – Instituto de la cooperación Internacional de la Asociación Alemana para Educación de Adultos. N.47, 1996, p.21-32

BRASIL. LEI N 9394/96. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Setembro de 1996. Editora do Brasil.

_______. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio/ Secretaria de Ensino Médio. Brasília, MEC/SEM, 1999.

BRASILEIRO, S. Juventude e novas tecnologias: implicações para a educação de jovens e adultos. REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓSGRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO–ANPEd, 25ª, Caxambú/MG. Anais..., Caxambu, p. 112-127, 2002.

BLIKSTEIN, P.; ZUFFO, M. K. As sereias do ensino eletrônico. In: SILVA, M. (Org.) Educação online. São Paulo: Edições Loyola, 2003. p. 23-38.

CARNEIRO, R.Informática na educação: representações sociais do cotidiano. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

CASTELL, M. A Sociedade em rede: do Conhecimento à Àção Política.Debates, 2005.

CAVANAGH, C. El aprendizaje de los adultos, los medios de comunicación, la cultura y las nuevas tecnologias de la información y comunicación. In: V Confintea. Tema 7,1997,p.161-178.

FREIRE, P. Desafios da educação de Adultos frente à nova reestruturação tecnológica. In: Seminário Internacional Educação e Escolarização de Jovens e Adultos (1996, São Paulo:IBEAC) v.1. Brasília: MEC, 1997 p.264-274.

GADOTTI, Moacir. As muitas lições de Paulo Freire. IN: Paulo Freire: poder, desejo e memórias de libertação. Trad. Márcia Moraes, ArtMed, Porto Alegre, 1998, p.25-34.

GOMEZ, M. V. Paulo Freire: Re-leitura para uma teoria da informática na educação. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 1999.

IRELAND, T. D. Revisitando a CONFINTEA: sessenta anos de defesa e promoção da educação de adultos. Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos, v. 1, n. 1, p. 14-28, 2013.

KENSKI, V. M. Tecnologias e ensino presencial e a distância.Campinas, SP: Papirus, 2003.

KNOBEL, M. Paulo Freire e a juventude digital em espaços marginais. In: Paulo Freire: poder, desejo e memórias de libertação. Trad. Márcia Moraes, ArtMed, Porto Alegre, 1998, p.175-189.

LÉVY,P. Cibercultura.São Paulo: Editora 34, 2005.

_______. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, 1993.

MANUAL DE ORIENTAÇOES NOVA EJA. Disponível em: http://projetoseeduc.cecierj.edu.br/principal/download/Manual_projeto_nova_EJA_final_2014.pdf

MASETTO, M. T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M., T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica.8. ed. Campinas, SP: Papirus, 2004. p. 133-173.

NISKIER, A. Tecnologia educacional: uma visão política. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

OGIBOSKI, V. Reflexões sobre a tecnociência: uma análise crítica da sociedade tecnologicamente potencializada. 2012. Dissertação mestrado em Ciência, Tecnologia e Sociedade - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012.

PONTE, J. P. da. Tecnologias de informação e comunicação na formação de professores: Que desafios? Revista Ibero-Americana de Educación. OEI. N. 24, septiembre/diciembre, 2000. Disponível em http://www.oei.es/revista.htm. Acesso em 07/08/14.

RAMAL, A. C. Educação na cibercultura: hipertextualidade, leitura, escrita e aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2002.

TAJRA, S. F. Informática na educação:professor na atualidade. São Paulo: Érica, 1998.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Editora Vozes Limitada, 2014.

_______. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 5, 2000.

_______.Os professores face ao saber docente: esboço de uma problemática do saber docente. Revista Teoria e Educação, Porto Alegre, n. 4, 1991. p. 215-233.

UNESCO. Declaração de Hamburgo sobre a Educação de Adultos e Plano de Ação para o Futuro. In: Conferência Internacional sobre Educação de Adultos. Hamburgo, Alemanha:jul./1997.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2016.2666



 

HOLOS IN THE WORLD