INDICADORES PARA A QUALIDADE SOCIAL EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO CONTEXTO DA DIVERSIDADE: HORIZONTES E ADVERSIDADES

Márcio Adriano Azevedo, Andrezza Maria B. do Nascimento Tavares, Sônia Cristina Ferreira Maia, Maria Aparecida de Queiroz

Resumo


O presente artigo é resultado de pesquisa desenvolvida com fomento do edital universal 2011 do CNPq, visando à construção de indicadores da qualidade educativa para a educação de jovens e adultos no contexto da diversidade, tendo como parâmetro os índices e os indicadores oficiais, bem como aqueles decorrentes das ofertas dos sistemas oficiais de educação – estado e municípios –, além dos programas e projetos desenvolvidos em espaços escolares e não escolares, em municípios da Região do Mato Grande norte-rio-grandense. Para a realização dos estudos, adotamos alguns procedimentos teórico-metodológicos, como a revisão bibliográfica, consulta em banco de dados oficiais, como o IBGE, análise documental, produção de fotografias, notas de campo e aplicação de questionário aberto junto às Secretarias Municipais de Educação de alguns municípios da região do Mato Grande que trabalham com a EJA. Em que pese reconhecer os avanços, como a ampliação das ofertas e a implementação de programas e projetos, como o Brasil Alfabetizado, os índices e os indicadores da investigação mostram que as iniciativas governamentais e não governamentais voltadas para a EJA no Brasil e na região do Mato Grande ainda não promovem os resultados esperados, sendo muitas vezes descontínuas e tendo o caráter compensatório. A realização da pesquisa permitiu, assim, a produção do conhecimento acerca da construção de indicadores sociais para a educação de jovens e adultos em espaços escolares e não escolares diversos, além de ter instigado a reflexividade em torno dos desafios e das possibilidades para vislumbrarmos a qualidade social da educação como um princípio de direito que deve ser garantido pelo Estado brasileiro, tema que vem permeando intensa e tensamente os debates na atual agenda da política educacional.

 


Palavras-chave


Indicadores sociais, educação e diversidade, educação de jovens e adultos, qualidade social.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, Almerindo Janela. Os Lugares da Educação. In: SIMSON, O. R. de M. von; PARK, M. B.; FERNANDES, R. S. (Org.). Educação não formal: cenários da criação. Campinas: Unicamp, 2001. p. 29-38.

ANTUNES, Ricardo. O continente do labor. São Paulo: Boitempo, 2011.

ARROYO, Miguel. A educação de jovens e adultos em tempo de exclusão: alfabetização e cidadania. Revista de Educação de Jovens e Adultos, São Paulo, n.11, p. 9-20, abr. 2001.

______. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

______. Introdução: os coletivos diversos repolitizam a formação. In: DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio; LEÃO, Geraldo. (Org.). Quando a diversidade interroga a formação docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

AZEVEDO, Márcio Adriano de; SOUZA FILHO, Moysés. Projeto Político-Pedagógico e currículo no PROEJA: reflexões e fundamentos. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA AFIRSE – COLÓQUIO NACIONAL, 5., 2009, João Pessoa, PB. Anais… João Pessoa, PB: [s. n.], 2009. p. 1-12.

______; TAVARES, Andrezza Maria Batista do Nascimento; DANTAS, Renier Cavalcanti. Nova ruralidade: concepções, embates e reflexões sobre particularidades na região do Mato Grande. In: TAVARES, Matheus Augusto Avelino; SEIXAS, Rebeka Caroca (Org.). Olhares sobre a região do Mato Grande. Natal: EDIFRN, 2011.

BEISIEGEL, Celso de Rui. Política e educação popular: a teoria e a prática de Paulo Freire no Brasil. 4. ed. Brasília: Liber Livro, 2008.

BRASIL. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Edição administrativa do texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão n. 1 a 6/1994 e pelas Emendas Constitucionais n. 1/1992 a 39/2002. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2003.

______. Construindo o Sistema Nacional Articulado de Educação: o Plano Nacional de Educação, Diretrizes e Estratégias de Ação: documento final. Brasília: MEC, 2010.

______. Ministério da Educação. Lei Federal nº. 9.394, de 20.12.1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Seção 1, p. 27.8333-27.841.

______. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com A Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA: documento base. Brasília: MEC/SETEC, 2007.

DELORS, Jacques (Coord.). Educação: um tesouro a descobrir. 8. ed. Brasília: Cortez, 2003.

DIAS, Rosimeri de Oliveira. Deslocamentos na formação de professores: aprendizagem de adultos, experiência e políticas cognitivas. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

DINIZ, Adriana Valéria Santos. As políticas de educação e de qualificação dos jovens e adultos e a transversalidade no currículo. Espaço do currículo, v.3, n.1, p.52-73, mar/set. 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2014.

FISS, Dóris Maria L. et al. (Org.). Identidades docentes I: educação de jovens e adultos, linguagens e transversalidades. Rio de Janeiro: Lamparina, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

______. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GADOTTI, Moacir. Escola cidadã. Petrópolis: Cortez, 2013.

GOHN, Maria da Glória. Educação não formal e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. São Paulo: Cortez, 2010. (Coleção Questões da nossa época, 1).

HADDAD, Sergio; DI PIERRO, Maria Clara. Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 14, maio/ago. 2000.

LIMA, Adriana Mônica Oliveira Ponciano de. Tecendo saberes na educação de jovens e adultos: olhares sobre o município de Pureza/RN. João Câmara, 2012, 104 f. Monografia (Especialização em Organização e Gestão para as modalidades de Educação de Jovens e Adultos e Educação do Campo) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, campus João Câmara, 2012.

MCLAREN, Peter. A Vida nas escolas: uma introdução à pedagogia crítica nos fundamentos da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

MOURA, Dante H. A implantação do PROEJA no CEFET-RN: avanços e retrocessos. Natal: [s. n.], 2008. Mimeografado.

______. O PROEJA e a Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Natal: [s. n.], 2006. Mimeografado.

RIO GRANDE DO NORTE. Plano de desenvolvimento sustentável do território do Mato Grande – RN. [S.l.]: Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), 2006.

ROMANS, Mercé. Formação continuada dos profissionais em educação social: profissão: educador social. Porto Alegre: Artmed, 2003.

SAMPAIO, Mariza Narcizo; ALMEIDA, Rosilene (Org.). Práticas de educação de jovens e adultos: complexidades, desafios e propostas. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. (Coleção Estudos em EJA).

SCOCUGLIA, Afonso Celso. Pesquisa histórica da educação do tempo presente. Rev. Lusófona de Educação, n. 10, p. 27-40, 2004.

SOARES, Alexandre B. (Org.). Juventude e elos com o mundo do trabalho: retratos e desafios. São Paulo: Cortez; Campinas: CIESP; Rio de Janeiro: PUC-RIO, 2010.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Educação para todos em 2015: alcançaremos a meta?: relatório de monitoramento de EPT – Brasil. Brasília: Unesco, 2008.

UNICEF. Fundo das Nações Unidas para a Infância. Acesso, permanência, aprendizagem e conclusão da educação básica na idade certa: direito de todas e de cada uma das crianças e dos adolescentes. Brasília: Unicef, 2012.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2014.2523



 

HOLOS IN THE WORLD