ANÁLISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA VOLÁTIL DE AMOSTRAS DO ALECRIM IN NATURA COM A DISPONÍVEL COMERCIALMENTE

Andre Luiz Melo Camelo, Francisco Carlos de Oliveira, Francisco Felipe Maia da Silva, Francisco Thiago Correia de Souza, Elisane Longhinotti

Resumo


As plantas medicinais têm ampla gama de aplicações, devido às suas potenciais atividades biológicas, com um ou mais princípios ativos relevantes para a saúde humana. Este fato torna-se preocupante a partir do momento que há um aumento crescente na comercialização das mesmas, pois, determinados tipos de ervas, de composições químicas e propriedades farmacológica diferentes são muitas vezes comercializados com nomes populares idênticos, como é o caso do alecrim, que designa várias espécies de plantas medicinais. Portanto, este estudo teve como objetivo realizar a extração e análise comparativa da composição química do óleo essencial de uma amostra comercial, que não descreve sua identificação botânica e uma amostra in natura, sendo ambas reconhecidas pelo nome de alecrim. Foram observadas diferenças significativas entre a composição química das amostras, confirmando a importância de um maior detalhamento quanto a sua classificação botânica e constituição química na descrição das plantas medicinais comercializadas e utilizadas pela população, a fim de evitar a utilização indevida desta fonte natural, uma vez que as propriedades farmacológicas atribuidas a cada espécie estão intimimamente relacionada com a sua composição química.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, R. P. Identification of Essential Oil Components by Gas Chromatography/Quadrupole Mass Spectroscopy. Carol Stream: Allured Publishing Corporation, 2001.

Al-Sereitia,M. R.; K M Abu-Amerb & P Sena. Pharmacology of rosemary (Rosmarinus officinalis Linn.) and its therapeutic potentials. Indian Journal of Experimental Biology

v. 37, p.124-131, February 1999.

Bertini, L. M.; Pereira, A. F.; Oliveira, C. L. L.; Menezes, E. A.; Morais, S. M.; Cunha, F. A.; Cavalcanti, E. S. B. Perfil de sensibilidade de bactérias frente a óleos essenciais de algumas plantas do Nordeste do Brasil. Infarma, v.17, p. 80–83, 2005.

CALIXTO, J. B. Efficacy, safety, quality control, marketing and regulatory guidelines for herbal medicines (phytotherapeutic agents). Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 33, p. 179-189, 2000.

CAVALCANTI, S. C. H. et al. Composition and acaricidal activity of Lippia sidoides essential oil against two-spotted spider mite (Tetranychus urticae Koch). Bioresource Technology, v. 101, n. 2, p. 829-832, 2010.

CAVALCANTI, E. S. B. et al. Larvicidal activity of essential oils from brazilian plants against Aedes aegypti L. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 99, n. 5, p. 541-544, 2004.

CRAVEIRO, A. A. Óleos essenciais de plantas do Nordeste. Fortaleza: edições UFC, 1981.

Dambiec, Malgorzata; Polechonska, Ludmila; Klink, Agnieszka. Levels of essential and non-essential elements in black teas commercialized in Poland and their transfer to tea infusion. J. Food Compos. Anal, v.31, p.62-66, 2013.

Damiani, Elisabetta; Bacchetti, Tiziana; Padella, Lucia; Tiano, Luca; Carloni, Patricia. Antioxidant activity of different white teas: Comparison of hot and cold tea infusions. Journal of Food Composition and Analysis, v.33, p. 59 -66, 2014.

Ferreira, S. H.; Barata, L. E. S.; Francisco, S. L. M.; Queiroz, S. R. R. Medicamentos a partir de plantas medicinais no Brasil. Academia Brasileira de Ciências, 1998.

Foglio, M. A.; Queiroga, C. L.; Sousa, I. M. O.; Rodrigues, R. A. F. Plantas Medicinais como Fonte de Recursos Terapêuticos: Um Modelo Multidisciplinar - Divisão de Fitoquímica, CPQBA/UNICAMP disponível em: Acesso em 03 Abril de 2014.

Fontenelle, R. O. S.; Morais, S. M.; Brito, E. H. S.; Kerntopf, M. R.; Brilhante, R. S. N.; Cordeiro,R. A.; Tomé, A. R.; Queiroz, M. G. R.; Nascimento, N. R. F.; Sidrim, J. J. C.; Rocha, M. F. G. Chemical composition, toxicological aspect sandanti fungal activity ofessential oil from Lippia sidoides Cham. J. Antimicrob. Chemother, v. 59, p. 934–940, 2007.

Houghton, P.J.. The role of plants in traditional medicine and current therapy.

Journal of Alternative and Complementary Medicine I, p.1631–1714, 1995.

LEAL CARDOSO, J. H.; FONTELES, M. C. Pharmacological effects of essential oils of plants of the Northeats of Brazil. In: An. Acad.Bras.Ci., v.71, n.2, 1999.

Matos, F. J. A.; Plantas medicinais: guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil, 3ªedição Imprensa Universitária, Fortaleza, Brasil p.394, 2007.

Nunes, G.P.; Silva, M.F. da; Resende, U.M.; Siqueira, J.M.de. Plantas medicinais comercializadas por raizeiros no Centro de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Rev. Bras. Farmacogn., v. 13, n. 2, julho-dezembro, 2003.

OLIVEIRA, M. L. M; BEZERRA, B. M. O; LEITE, L. O.; GIRÃO, C. C.; PINHEIRO, D. C. S.N. Topicalcontinuoususeof Lippia sidoides Cham. essentialoilinduces cutaneous inflammatoryresponse,butdoesnotdelaywound healing process. Journal of Ethnopharmacology, v.15, p.3283–289, 2014.

PHEROBASE. Disponível em: Acesso em 02 de Abril de 2014.

PLANTAMED - Plantas e Ervas Medicinais e Fitoterápicos. 2014 Disponível em: Acesso em 29 de março de 2014.

SUZUKI, O. Mercado de medicamentos fitoterápicos no Brasil. In: SCHULZ, V.; HÄNSEL, R.; TYLER, V. E. Fitoterapia racional. 4. ed. (1. ed. brasileira). São Paulo: Manole, 2002. Apêndice.

Veras, H. N. H., Rodrigues, F. F. G., Colares, A. V., Menezes, I. R. A., Coutinho, H. D. M., Botelho, M. A., Costa, J. G. M., Synergisticantibioticactivityofvolatile compounds fromtheessentialoilof Lippia sidoides and thymol. Fitoterapia v. 83, p. 508–512, 2012.

Viegas, Marcelo Caldeira; Bassoli, Denisley Gentil. Utilização do índice de retenção linear para caracterização de compostos voláteis em café solúvel utilizando GC-MS e coluna HP-Innowax. Química nova, v. 30, p. 2031-2034, 2007.

YOSR, Z.;HNIA, C.; RIM, T.; Mohamed, B. Changes in essential oil composition and phenolic fraction in Rosmarinus officinalis L. var. typicus Batt. organs during growth and incidence on the antioxidant activity. Industrial Crops and Products, v. 43, p. 412– 419, 2013.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2014.2082



 

HOLOS IN THE WORLD