PARASITOSES INTESTINAIS EM USUÁRIOS DO SUS EM LIMOEIRO DO NORTE, CEARÁ, ANTES DE EXPANSÃO DE SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Carlos Vangerre de Almeida Maia, Izabella Cabral Hassum, Gustavo Souza Valladares

Resumo


As parasitoses intestinais representam um agravo de amplitude mundial, sendo indicador de status socioeconômico. Sua transmissão feco-oral reforça a necessidade de ampliação de serviços de saneamento básico. O estudo tem caráter retrospectivo, descritivo e exploratório, com dados secundários, objetiva apresentar a frequência parasitária em usuários do Serviço Único de Saúde (SUS), em Limoeiro do Norte – CE, entre janeiro de 2008 e dezembro de 2009. Os exames foram realizados por meio da técnica de sedimentação espontânea de fezes (HPJ, 1934). Os dados foram organizados e analisados por meio de estatística descritiva, através dos testes de Qui-quadrado, teste t para amostras independentes, teste de Mann-Whitney e correlçao de Pearson, ambos com significância de 5% (p < 0,05). Foram analisadas 1266 amostras, onde 295 (23,3%) foram positivas para algum parasita. Endolimax nana, Entamoeba coli e Giardia lamblia foram os parasitas mais frequentes. O sexo masculino foi o mais acometido. Houve maior prevalência em adultos (p < 0,05). Verificou-se diferença estatística quanto à prevalência entre as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e entre a sazonalidade durante os anos (p < 0,05). A relação entre a prevalência e médias pluviométricas durante os meses apresentou correlação muito baixa (r = -0,20) e sem significância estatística. Mesmo com a alta prevalência, não pode desconsiderar possível prevalência subestimada.

Texto completo:

PDF

Referências


ADDUM, F.M.; SERRA, C.G.; SESSA, K.S.; IZOTON, L.M.; SANTOS, T.B., Planejamento local, saúde ambiental e Estratégia Saúde da Família: uma análise do uso de ferramentas de gestão para a redução do risco de contaminação por enteroparasitoses no município de Venda Nova do Imigrante. Physis, v. 21, n. 3, p. 955 – 978, 2011.

ALMEIDA, A.; MORElRA, M. J.; SOARES, S.; DELGADO, M. L.; FIGUEIREDO, J.; SILVA, E. CASTRO, A.; COSA, J. M. C. Presence of Cryptosporidium spp. and Giardia duodenalis in drinking water samples in the North of Portugal. The Korean Journal of Parasitology, v. 48, n.1, p. 43 – 48, 2010.

BARRETO, M.L.; GENSER, B.; STRINA, A.; TEIXEIRA, G.M.; ASSIS, A.M.D.; REGO, R.; TELES, C.A.; PRADO, M.; MATOS, S.M.A; SANTOS, DN; SANTOS, L.A.; CAIRNCROSS, S. Effect of the city-wide sanitation programme on reduction in rate of childhood diarrhea in northeast Brazil: assessment by two cohort studies. Lancet v. 370, n. 9599, p. 1622 – 1628, 2007.

BASSO, R.M.C.; SILVA-RIBEIRO, T.; SOLIGO, D.S.; RIBACKI, S.I.; CALLEGAR-I-JACQUES, S.M.; ZOPPAS, B.C.A. Evolução da prevalência de parasitoses intestinais em escolares em Caxias do Sul, RS. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 41, n.3, p. 263 – 268, 2008.

BELLIN, M.; GRAZZIOTIN, N.A. Prevalência de parasitos intestinais no município de Sanandauva/RS, Newslab, v. 18, n. 104, p. 116 – 122, 2011.

BELO, V.S. et al. Factors associated with intestinal parasitosis in a population of children and adolescents. RevistaPaulista de Pediatria, v. 30, n. 2, p. 195 – 201, 2012.

BERNARDES, R.; BERNARDES, C. Dívida sanitária e falta de acesso aos direitos humanos: acompanhamento de transição social em comunidade ribeirinha na Amazônia Brasileira após intervenções de saneamento. Revista Eletrônica de Gestão e Tecnologias Ambientais, v.1, n. 1, p. 45 - 57, 2013.

BORGES, W.F.; MARCIANO, F.M.; OLIVEIRA, H.B. Parasitos intestinais: elevada prevalência de Giardialamblia em pacientes atendidos pelo serviço público de saúde na região sudeste de Goiás, Brasil. Revista de Patologia Tropica, v. 40, n.2, p. 149 – 157, 2011.

CANTUÁRIA, F.D.; COCCO, J.; BENTO, R.R.L.; RIBRIRO, F. Avaliação de parasitoses intestinais em escolares do ensino fundamental no município de Coração de Jesus, em Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 43, n. 4, p. 277 – 283, 2011.

CASTRO, A.Z.; VIANA, J.D.C.; PENEDO, A.A.; DONATELE, D.M.Levantamento das parasitoses das parasitoses intestinais em escolares da rede pública na cidade de Cachoeiro do Itapemirim – ES. Newslab, v. 64, p. 102 – 105, 2004.

CIMERMAN, B.; CIMERMAN, S. Parasitologia humana e seus fundamentos gerais. São Paulo: Atheneu, 2008.

COSTA, A.C.N.; BORGES, B. C.; COSTA, A. V.; RAMOS, M. F.; GOMES, J. M.; GOMES, J. M; BUENO, H.; FARIA, T. A. Levantamento de acometidos por enteroparasitoses de acordo com a idade e sexo e sua relação com o meio onde está inserido o PSF Prado na cidade de Paracatu – MG. Revista de Patologia Tropical, v. 41, n. 2, p. 203 – 224, 2012.

COURA, C.F.; WILLCOX, H. P. F.; TAVARES, A. M.; PAIVA, D. D.; FERNANDES, O. RADA, E. L. J. C.; PEREZ, E. P.; BORGES, L. C. L.; HIDALGO, M. E. C.; NOGUEIRA, M. L. C. Aspectos epidemiológico, sociais e sanitários de uma área do Rio Negro, Estado do Amazonas, com especial referência às parasitoses intestinais e à infecção chagásica. Caderno de Saúde Pública, v. 10, supl. 2, p. 331 – 334, 1994.

DIAS, D.G. Prevalência estacional de enteroparasitoses em uma população de zero a quatorze anos no bairro COHAB Tablada, Pelotas, RS. Pelotas, 2005. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Parasitologia – Universidade Federal de Pelotas, 2005.

FERNANDES, S.; BEORLEGUI, M.; BRITO, M. J.; ROCHA, G. Protocolo de parasitoses intestinais. Acta Pediátrica Portuguesa, v. 43, n. 1, 2011.

FERREIRA, H. LALA, E. R. P.; MONTEIRO, M. C. RAIMUNDO, M. L. Estudo epidemiológico localizado da frequência e fatores de risco para as enteroparasitoses e sua relação com o estado nutricional de crianças em idade pré-escolar. Ciências Biológicas e Saúde, v. 12, n. 4, p. 33 – 40, 2006.

FONSECA, E.O.L.; TEIXEIRA, M. G.; BARRETO, M. L.; CARMO, E. H.; COSTA, M. C. N. Prevalência e fatores associados às geo-helmintoses em crianças residentes em municípios com baixo IDH no Norte e Nordeste. Caderno de Saúde Pública, v. 26, n. 1, p. 143 – 152, 2010.

FONTBONNE, A.; FREESE-DE-CARVALHO. E.; ACIOLI, M. D.; SÁ, G. A.; CESSE, E. A. P. Fatores de risco para o poliparasitismo intestinal em uma comunidade indígena em Pernambuco. Caderno de Saúde Pública, v. 17, n. 2, p. 367 – 373, 2001.

FUNCEME. Gráfico de chuvas dos postos pluviométricos. Disponível em: < http://www.funceme.br/index.php/areas/tempo/grafico-de-chuvas-dos-postos-pluviometricos >. Consultado em 21 de dezembro de 2013, 2013.

FURTADO, L.F.V.; MELO, A.C.F.L. Prevalência e aspectos epidemiológicos na população geronte de Parnaíba, Estado do Piauí. Revista Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 44, n. 4, p. 515 – 523, 2011.

GOMES, R; NASCIMENTO, E.F. ARAÚJO, F.C. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Caderno de Saúde Pública, v.23, n. 3, p. 565 – 574, 2007.

HOFFMANN, W. A.; PONS, J. A.; JANER, J. L..Sedimentation concentration method in schistosome. Porto Rico, 1934.

IBGE. Censo 2010. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov,br/ . Consultado em: 12 de agosto de 2013, 2010.

LIMOEIRO DO NORTE. Plano Municipal de Saneamento Básico, 2009.

LODO, M.; OLIVEIRA, C. G. B.; FONSECA, A. L. A.; CAUPUTTO, L. Z.; PACKER, M. L. T.; VALENTI, V. E.; FONSECA, F. L. A. Prevalência de enteroparasitas em município do interior paulista. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, v. 20, n. 3, p. 769 – 777, 2010.

LOPES, A.C.M; BITENCOURT, F.C.; MELO, C.M.; MADI, R.R; ANDRADE, R.M.S.; BRITO, A.M.G. Geohelmintíase: prevalência amostral em Aracaju (SE) entre 2007 a 2010. ScireSalutis, v.3, n. 1, p. 28 – 36, 2013.

LUDWING, K,M.; FREI, F. ALVARES FILHO, F.; RIBEIRO-PAES, J.T. Correlação entrecondições de saneamento básico e parasitoses intestinais na população de Assis, Estado de São Paulo. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 32, n. 5, 1999.

MAGALHÃES, V.M.; CARVALHO, A.G.; FREITAS, F.I.S. Inquérito parasitológico em manipuladores de alimentos em João Pessoa, PB, Brasil. Revista de Patologia Tropical, v. 39, n. 4, p. 335 – 342, 2010.

MASCARINI, L.M.; PRADO, S.M.; ALVIM, S.; STRINA, A; BARRETO, M.L. Impacto de um programa de saneamento ambiental na prevalência e incidência das parasitoses intestinais na população de idade escolar de Salvador. Revista VeraCidade, v. 4, n. 4, 2009.

MATI, V.L.T.; PINTO, J.H. MELO, A.L. Levantamento de parasitoses intestinais nas áreas urbana e rural de Itambé do Mato Dentro, Minas Gerais, Brasil. Revista de Patologia Tropical, v. 40, n. 1. p. 92 – 100, 2011.

MATOS, M.A.; CRUZ, Z.V. Prevalência de parasitoses intestinais no município de Ibiassucê – Bahia. Revista Educação, Meio Ambiente e Saúde, v. 5, n. 1, p. 64 – 71, 2012.

MENEZES, R.A.D.; GOMES, M.S.M.; BARBOSA, F.H.F.; BRITO, G.C.M.; PROJETTI JÚNIOR, A. A.; COUTO, A.A.R.D. Enteroparasitoses em pacientes atendidos no laboratório de uma unidade de saúde de Macapá, Amapá, 2011 – 2012. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 13, n. 1, p. 191 – 198, 2013.

OLIVEIRA, C.H.B. Frequência de enteroparasitoses em usuários do serviço público de saúde na mesorregião do Oeste Potiguar. Natal, 2013. Dissertação de Mestrado – Saúde Coletiva – Universidade Estadual do Rio Grande do Norte, 2013.

OLIVEIRA, U.D.; CHIUCHETTA, S.J.R. Ocorrência de enteroparasitoses na população do município de Goioerê – PR. Uniciências, v. 14, n. 2, p. 155 – 158, 2010.

REY, L. Bases da parasitologia médica. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, 2002. p. 410.

ROCHA, T.J.M.; BRAZ, J.C.; CALHEIROS, C.M.L.P arasitismo intestinal em uma comunidade carente no município de Barra de Santo Antônio, Estado de Alagoas. Revista Eletrônica de Farmácia, v.2, n. 3, p. 128 – 136, 2010.

RODRIGUES, J.A.; CARNEIRO, W.S.; ATHAYDE, A.C.R. Infecções por helmintos gastrointestinais: perfil de crianças em escolas públicas e privadas do Sertão Paraibano. Newslab, v. 118, p. 128 – 136, 2013.

SANTOS, A.S.; MERLINI, L.S. Prevalência de enteroparasitoses na população do município de Maria Helena, Paraná. Ciência Saúde Coletiva, v. 14, n. 3, 2010.

SANTOS, L.P.; SANTOS, F.L.N.; SOARES, N.M. Prevalência de parasitoses intestinais em pacientes atendidos no Hospital Universitário Professor Edgar Santos, Salvador – Bahia. Revista de Patologia Tropical, v.36, n. 3, p. 237 – 246, 2007.

SILVA, F.S. Frequência de parasitos intestinais no município de Chapadinha, Maranhão, Brasil. Revista de Patologia Tropical, v. 39, n. 1, p. 63 - 68, 2010.

SILVA JUNIOR, J.R. Parasitoses intestinais e saneamento ambiental: estudo da situação dos bairros Bela Vista e Ulisses Guimarães em Teixeira de Freitas – BA. Aracruz, 2010. Dissertação de Mestrado – Mestrado Profissional em Tecnologias Ambientais. Faculdade de Aracruz, 2010.

SILVA, E.F.; , E. B.; ALMEIDA, K. S.; SOUSA, J. J. N. FREITAS, F. L. C. Enteroparasitoses em crianças de áreas rurais do município de Coari, Amazonas, Brasil. Revista de Patologia Tropical, v. 38, n. 1, p. 35 – 43, 2009.

SOUZA, V.F. LUCCA, G. ANIBAL, F.F. Mapeamento epidemiológico das parasitoses intestinais em seis bairros do município de Araraquara/SP. Revista Uniara, n. 19, p. 31 – 40, 2006.

TOLEDO, M.J.O; PAULUDETTO, A.W.; MOURA, F.T.; NASCIMENTO, E.S.; CHAVES, M.; ARAÚJO, S.M.; MOTA, L.T.Avaliação de atividades de controle para enteroparasitos em uma aldeia Kaingángdo, Paraná. Revista de Saúde Pública, v. 43, n. 6, p. 981 - 990, 2009.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2015.1973



 

HOLOS IN THE WORLD