PRODUÇÃO ARTÍSTICA DIGITAL COLABORATIVA E APRENDIZAGEM CURRICULAR NO PROJETO PROEJA-TRANSIARTE

Lucio França Teles

Resumo


O projeto PROEJA-Transiarte desenvolve práticas de inovação pedagógicas na Educação de Jovens e Adultos (EJA) e Educação Profissional (EP) introduzindo novas linguagens artísticas digitais no currículo. O projeto auta-se no trabalho colaborativo, na aprendizagem e produção com as novas mídias, pensadas a partir de expressões artísticas já existentes e vivenciadas e que são reconfiguradas. Esse processo envolve a discussão e reelaboração constante do objeto artístico a ser compartilhado no ciberespaço e a este processo demos o nome de transiarte ou arte de transição. A metodologia utilizada é a pesquisa-ação (Barbier, 2004), que permite a modificação da realidade em conjunto com os participantes, a partir da inclusão digital e social destes. O processo de criação artística colaborativa se nutre da experiência dos participantes, na reinterpretação do vivenciado a partir da subjetividade e preferência artística dos participantes que desenvolvem sua própria identidade local e no ciberespaço. O projeto propõe-se explorar a transiarte na aprendizagem curricular como eixo que integre a Educação de Jovens e Adultos a Educação Profissional abrindo opções de profissionalização e qualificação orientado às tecnologias da informação e comunicação.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Luís Alberto. (s/d). Processo Colaborativo: Relato e Reflexões sobre uma Experiência de Criação, em .

ANGELIM, M.L.P. (2008). Pedagogia de la liberación. In: Diccionario Latinoamericano de Bioética. Dir. Juan Carlos Tealdi. Bogotá: UNESCO. Red Latinoamericana y del Caribe de Bioética: Universidade Nacional de Colômbia.

________________, REIS, Hilário; Bruzzi,Rita.(2012).A Pesquisa-Ação no PROEJA-Transiarte. In: REIS, Renato Hilário; CASTIONI, Remi; TELES, Lúcio França.(orgs). Proeja-transiarte: construindo novos sentidos para a educação de jovens e adultos trabalhadores. Brasília: Verbena,p.78-93.

ARANTES, P. (2005). Arte e mídia: perspectivas da estética digital. São Paulo: Editora SENAC.

BARBIER, René. (2002). A pesquisa-ação. Tradução de Lucie Didio. Brasília: Liber Livro.

BENJAMIN, Walter (1996). A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: BENJAMIN, W. (1996). Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Editora Brasiliense.

CASTIONI, Remi. Educação e inserção ocupacional no Distrito Federal e na Região Administrativa de Ceilândia: Lócus do PROEJA-Transiarte. In: Teles, Lucio, Castioni, Remi, Reis, Hilários (orgs). (2012) PROEJA-Transiarte: Construindo Novos Sentidos para a Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores: Brasília, Editora Verbena.

CUNHA, Ana (2007). Arte colaborativa e cibercultura: A visão dos coletivos Superflex e De geuzen a respeito da linguagem digital. Disponível em: . Acessado em: 08/01/20012.

DOMINGUES, D. (2002). Criação e interatividade na ciberarte. São Paulo: Editora Experimento.

LEÃO, Lucia, (organizadora). (2003). O Chip e o Caleidoscópio – Reflexões sobre as novas mídias. São Paulo: Editora SENAC.

LEMES, Julieta Borges. (2012). O Proeja Transiarte na EJA do Centro de Ensino Médio 03 e na Educação Profissional do Centro de Educação Profissional de Ceilândia: significações e indicações de estudantes à elaboração de um itinerário formativo. (Dissertação), FE-UnB.

LIESEN, M. (2005). Navegando na ciberarte: notas sobre arte e imaginário na contemporaneidade. Revista Eletrônica de Ciências Sociais, n. 8 – Março de 2005, p. 71-94.

MACHADO, A. (2007). Arte e mídia. Rio de Janeiro: Zahar Editor.

MARCO, Kátia. (2004). A diluição do autor na ciberarte. Disponível em: , acessado em 18/05/2012>.

MEDEIROS, Maria Beatriz. (2005). Aisthesis: Estética, Educação e Comunidades.Chapecó, SC: Editora Argos.

MOLES, Abraham. (1990). Arte e Computador. Porto: Afrontamento.

PRADO, Gilberto. (2010). Redes e ambientes virtuais artísticos. In: FELICE, Massimo Di; PIREDDU, Mario. (Org.). Pós-Humanismo: as relações entre o humano e a técnica na época das redes. 1a ed. São Caetano do Sul: Editora Difusão, v. 2, p. 285-301.

REIS, Renato Hilário; CASTIONI, Remi; TELES, Lúcio França.(orgs).(2012). Proeja-transiarte: construindo novos sentidos para a educação de jovens e adultos trabalhadores. Brasília: Verbena.

RODRIGUES, Dorisdei. (2010). Projeto PROEJA-Transiarte: uma experiência de pesquisa ação em ciberarte. Dissertação de Mestrado, FE-UnB.

SANTAELLA, Lucia. (2008).Navegar no ciberespaço. São Paulo: Editora Paulus. SANTAELLA, Lucia & ARANTES, Priscila. (2008). (Org.). Estéticas Tecnológicas: Novos Modos de Sentir. São Paulo: Editora PUC-SP.

TELES, L.; ZIM, A. (2011). A criação de identidade cultural de grupo na produção de ciberarte. In: 10th Encontro Internacional de Arte e Tecnologia. Brasília.

TELES, L.; VENTURELLI, S.(2008). Introdução à Arte Digital. Brasília: Creative Commons Brasil. Disponível em: , acessado em 18/05/2012.

TELES, Lucio. (2008). Reconfigurações estéticas virtuais na transiarte. In: MARTINS, R. (Org.). Visualidade e Educação. Goiânia: Editora Universidade Federal de Goiás.

THIOLLENT, Michel. (1985). Metodologia da pesquisa-ação. SP: Cortez.

VENTURELLI, S. (2004). Arte espaço – tempo – imagem. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.

VYGOTSKY, L. S A formação social da mente, (1991). São Paulo: Fontes Editora Ltda.

ZUBOFF, Soshana (1984) In the Age of the Smart Machine. New York: Basic Books.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2014.1972



 

HOLOS IN THE WORLD