A FILOSOFIA DOS JOVENS SOBRE O SER JOVEM: UMA PESQUISA SOCIOPOÉTICA

Cristianne Teixeira Carneiro, Maria Augusta Rocha Bezerra, Shara Jane Holanda Costa Adad, Kathia Raquel Piauilino Santos, Francimeiry Santos Carvalho

Resumo


Objetivou-se conhecer os modos de pensar dos jovens de um curso técnico em enfermagem de um colégio técnico federal sobre “o que é ser jovem?”. A pesquisa se insere no paradigma qualitativo de investigação utilizando a Sociopoética, foi realizada com 11 jovens que cursavam o ensino médio concomitante ao técnico em enfermagem em 2013. Os jovens problematizaram a dimensão do tempo de espera para o mundo adulto, mostrando que não há um único modo de ser jovem e nem de se tornar adulto, pois para eles os ritos de passagem eram: casamento, saída da casa dos pais, o ingresso em um colégio técnico federal e o início dos estágios do curso técnico em enfermagem, demonstrando que esse momento não é fixo e nem demarcado. Eles também relataram jeitos de ser jovem em bandos que agem de modo diferente. Discutiram o tempo e a liberdade, ressaltando o quanto a rotina do jovem está relacionada à escola. Essa pesquisa possibilitou a oportunidade de reflexão sobre os conceitos sobre jovens, muitas vezes cristalizados numa sociedade que raramente leva em consideração a voz de quem mais entende sobre si mesmo, ou seja, do próprio sujeito que tem a experiência e vivencia a juventude.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMO, H.W. O estilo monta o espetáculo. Cenas Juvenis: Punks e Darks no espetáculos urbanos. São Paulo: Página Aberta, 1994.

ADAD, S.J.H.C. Corpos de Rua: cartografia dos saberes juvenis e o sociopoetizar dos desejos dos educadores. Fortaleza: Edições UFC, 2011.

ARIÈS, P. História Social da Criança e da Família. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 1986.

BOMFIM, M.C.A. Agregação de juventude: múltiplos olhares. IN: BOMFIM, M.C.A: Juventudes, Culturas de Paz e Violências na Escola. Fortaleza: UFC, 2006.

BOURDIEU, Pierre. Economia das trocas linguísticas. São Paulo: Edusp, 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Marco legal: saúde, um direito de adolescentes. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

DELEUZE, G., GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 4. Rio de Janeiro: Editora 34, 1997.

DUBET, F., LAPEYRONNIE, D. Les quartiers d’exil. Paris: Seuil, 1992.

GAUTHIER J. Notícias do rodapé do nascimento da sociopoética. Mimeografado, 2003.

______. Jacques Zanidê. A questão da metáfora, da referência e do sentido em pesquisas qualitativas: o aporte da sociopoética. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro , n. 25, Apr. 2004a . Available from . access on 22 Jan. 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782004000100012.

______. O oco do vento: metodologia da pesquisa sociopoética e estudos transculturais. Curitiba: CRV; 2012.

______. Trilhando a Vertente Filosófica da Montanha Sociopoética: a criação coletiva de confetos. In: Prática da pesquisa nas ciências humanas e sociais: aplicação da abordagem sociopoética. São Paulo: Atheneu, 2004b.

LAPASSADE, G. Os rebeldes sem causa. Sociologia da Juventude III: a vida coletiva juvenil. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

LEVI, G., SCHMITT, J. (Org.). História dos jovens I: da antiguidade à era moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MELUCCI, A. II gioco dell’lo. Milão: Saggi/Feltrinelli, 1992.

PAIS, J.M. Culturas Juvenis. Lisboa: Imprensa Nacional / Casa da Moeda, 2003.

SANTOS, I et al. Contribuições da sociopoética à produção científica sobre cuidar em enfermagem: revisão integrativa de literatura. Revista Eletrônica de Enfermagem. [Internet]. v. 15, n. 1, p. 243-52, jan/mar. 2013. http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i1.20888

SANTOS, I et al (org). Prática de pesquisa nas ciências humanas e sociais: abordagem sociopoética. São Paulo: Atheneu, 2005.

SHINDLER, N. Os tutores da desordem: Rituais da cultura juvenil nos primórdios da era moderna. In: LEVI, G., SCHMITT, J. (Org.). História dos Jovens. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SILVEIRA, L.C. Do corpo sentido aos sentidos do corpo: sociopoetizando a produção de subjetividade. Programa de pós-graduação em enfermagem, 2004. 169f. Tese (Doutorado em Enfermagem). Universidade Federal do Ceará – UFC, 2004.

SPOSITO, M.P. Juventude: crise, identidade e escola. In: DAYRELL, J. Múltiplos Olhares. Belo Horizonte: UFMG, 1996.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2014.1935



 

HOLOS IN THE WORLD