EFEITOS DA BUROCRACIA NA AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Glades Tereza Félix

Resumo


Este artigo situa-se na fronteira do debate geral das políticas de educação superior. Tais políticas estão vinculadas às estratégias de inserção da economia nas grandes transformações em âmbito mundial. Nesse contexto, são instaurados processos de avaliação da educação superior que contribuem para a redefinição da relação entre o Estado e o sistema de ensino superior. É nessa perspectiva que se situa o objeto deste estudo – identificar o modelo de gestão pública que conduziu a incorporação formal e definitiva da avaliação como ato regulatório e compulsório no primeiro Governo FHC (1995-2002). De caráter descritivo, com uma abordagem qualitativa, na revisão de literatura destacamos as características do Estado Burocrático e do Estado Gerencial. Igualmente, estudamos o conceito e o significado de eficiência no plano administrativo de ambos os Estados. Os resultados mostraram que o modelo de gestão pública estava em transição, quando a política pública denominada avaliação da educação superior tornou-se regulatória, definitiva e compulsória no país, pois mesmo tendo a base no modelo Gerencial, tal concretização só foi possível por meio de ações burocráticas ancoradas no excesso de legislações. Conclui-se que a emergência da avaliação da educação superior na década de 90 ampliou a burocracia.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRÚCIO, Fernando Luiz. O impacto do modelo gerencial na administração pública: um breve estudo sobre a experiência internacional recente. Cadernos ENAP. Brasília, ENAP, nº 10, 1997.

ARAGÃO, Cecília V. Burocracia, eficiência e modelos de gestão: um ensaio. Revista do serviço Público. Ano. 48 nº 3, set-dez 1997.

AVELAR, Lúcia. Clientelismo de Estado e política da educação brasileira. Educação & Sociedade. Campinas, v. 17, n. 54, p. 34-51, abr. 1996.

BANCO MUNDIAL. La enseñanza superior: las lecciones derivadas de la experiencia. Washington, 1994. Disponível em: . Acesso: 14 set. 2012.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Reflexões sobre a reforma gerencial brasileira de 1995. 1996. Disponível em: www.bresserpereira.org.br/papers/1995. Acesso: 09 junho 2013.

___: Do Estado patrimonial ao gerencial. In: Pinheiro, W. e Sachs (Orgs.). Brasil: um século de transformações. São Paulo. Cia das Letras. 2001.

BRASIL. MARE. Plano Diretor da Reforma Administrativa do Estado. Brasília. 1995.

CARDOSO, Fernando Henrique; FALETTO, Enzo. Dependência e desenvolvimento na América Latina: ensaio de interpretação sociológica. 7. Ed. Rio de Janeiro: LTC, 1970.

CHIAVENATTO, Idalberto. Administração nos Novos Tempos 2ª edição. Ed. Campus 2003.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação institucional: marcos teóricos e políticos. Avaliação, Campinas, v. 1, n. 1, p. 9-14, jul. 1999.

DOURADO, L. F. Reforma do Estado e as políticas para a educação superior no Brasil nos anos 90. Educação e Sociedade. Campinas. Vol. 23, n. 80, setembro 2002.

DRUCKER, Peter. The effective executive. Harper Collins Publishers, 1993

DRAIBE, Sônia. Rumos e metamorfoses: um estudo sobre a constituição do Estado e as alternativas da industrialização no Brasil: 1930-1960. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985. (Estudos brasileiros, 84).

FAORO, Raimundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 9. Ed. São Paulo: Globo, 1958. 2 v.

GIRGLIOLI, Pier Paolo. Burocracia. In. Bobio Norberto. Et alii. Dicionário de Política. 7. Ed. Brasília, UnB V. 1, 1995.

GOUVÊA, Gilda Portugal. Burocracia e elites burocráticas no Brasil. São Paulo: Paulicéia, 1999.

HOOD, C. The New Public Management in the 1980´s: variations on a theme.

Accounting, Organizations and Society, 1995.

KATZ, Daniel & KAHN, Robert. Psicologia social das organizações. Trad. Auriphebo Simões. 3 ed. São Paulo, Atlas, 1987.

LANE, Jan E. The public sector: concepts, models and approaches. Sage. 1993.

MAFRA, Francisco. Administração pública burocrática e gerencial. (2010). Disponível em: www.ambitojuridico.com.br. Acesso: 09 de junho de 2013.

MARTINS, Luciano. Estado capitalista e burocracia no Brasil pós-64. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

MAUÉS, Olgaíses. A política de avaliação da educação superior e os desafios da implantação do SINAES.

MERTON, Robert C. Teoria da Rational. Opções de preço. Jornal de Economia e Gestão da Ciência. 1970.

OSBORNE, David e GAEBLER, Ted. Reinventando o governo. Brasília: Editora MH Comunicação, 8ª ed., 1992.

PERROW, Charles. Ataque Radical em Negócios, Harcourt Brace Jovanovich). 1972.

POLLITT, Christopher. Managerialism and the public services: cuts or cultural change in the 1990s? 2. Ed. Oxford, Blackwell, 1993.

POLLITT, Christopher; BOUCKAERT, Geert. Avaliando reformas da gestão pública: uma perspectiva internacional. Revista do Serviço Público, v. 53, n. 3, p. 5-30, 2002.

PIRES, J. C. L.; PICCININI, M. S. A regulação dos setores de infraestrutura no Brasil. In: GIAMBIAGI, F.; MOREIRA, M. M. (Org). A economia brasileira nos anos 90. Rio de Janeiro: BNDES, 1999. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/

...pt/.../eco90__a.pdf>. Acesso: 3 out. 2012.

SOUZA, Paulo Renato. A revolução gerenciada: educação no Brasil, 1995-2002. São Paulo: Prentice Hall, 2005.

ZAIKO, Maria Amélia S. Políticas públicas de avaliação da educação superior: conceitos e desafios. Jornal de políticas educacionais. Nº 4 julho-dezembro 2008.

WEBER, Max. Ensaios de sociologia. 5. Ed. Rio de Janeiro: LTC, 1983.

Documentos legais

Constituição

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil; promulgada em 05 de outubro de 1988: atualizada até a Emenda Constitucional n. 20, de 15 de dezembro de 1998. São Paulo. Saraiva. 2003.

Leis complementares e ordinárias

BRASIL. Lei n. 9.192/95, de 24 de novembro de 1995. Altera os dispositivos da Lei 4024/61 e dá outras providências. In: BASTOS, A. W. Coletânea da legislação educacional brasileira. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2000.

BRASIL. Lei n. 9.131/95, de 24 de novembro de 1995. Altera os dispositivos da Lei 4024/61 e dá outras providências. In: BASTOS, A. W. Coletânea da legislação educacional brasileira. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2000. p. 46-52.

BRASIL. Lei n. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e as bases da educação nacional. In: SENADO FEDERAL. Secretaria Informação e Documentação. Subsecretaria de informações. Legislação Republicana Brasileira. Brasília, DF, 2002. 1 CD-ROM.

BRASIL. Lei n. 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 jan. 2001. Seção I.

Medida provisória

BRASIL. Medida Provisória n. 1.018, de 8 de junho de 1995. Altera dispositivos da Lei nº 4.024/61 e dá outras providências. Disponível em: http://www.senado.governo.br/legbras/>. Acesso: 9 out. 2012.

Decretos

BRASIL. Decreto-Lei n.200/1967. Legislação Republicana Brasileira. Brasília, DF, 1990. 1 CD-ROM.

BRASIL. Decreto n. 2.026, de 10 de outubro de 1996. Estabelece procedimentos para o processo de avaliação dos Cursos e Instituições de Ensino superior. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 11 out. 1996. Seção I, p. 4.686.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2013.1730



 

HOLOS IN THE WORLD